Domingo, 25 de Julho de 2010
letanía de galicia

GALICIA digo eu ún di GALICIA
GALICIA decimos todos GALICIA
hastr’os que calan din  GALICIA
e saben      sabemos

GALICIA da door   chora á forza
GALICIA da tristura    triste á forza
GALICIA do silencio  calada á forza
GALICIA da fame       emigrante á forza
GALICIA vendada     cega á forza
GALICIA tapeada   xorda á forza
GALICIA atrelada   queda á forza

libre pra servir   libre pra servir
libre pra non ser  libre pra non ser
libre pra morrer  libre pra morrer
libre pra fuxir   libre pra fuxir

GALICIA labrega  GALICIA nosa
GALICIA mariñeira  GALICIA nosa
GALICIA obreira  GALICIA nosa
GALICIA irmandiña
GALICIA viva inda

 

recóllote da TERRA  estás mui fonda
recóllote do PUEBLO estás n’il toda
recóllote da HISTORIA estás borrosa

 

recóllote i érgote no verbo enteiro
no verbo verdadeiro que fala o pueblo
recóllote pros novos que vein con forza
pros que inda non marcou a malla d’argola
pros que saben que ti podes ser outra cousa
pros que saben que o home pode ser outra cousa

sabemos que ti podes ser outra cousa
sabemos que o home pode ser outra cousa

 

***

 

uxío novoneyra

 

(seoane do courel - folgoso do courel, 1930 - 1999)


lido em: http://www.uxionovoneyra.com/poemas.html

publicado por carlossilva às 12:00
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 27 de Janeiro de 2010
viaxe

 

Es de noche y con tus cerillas hago un faro.

Veo como tus velas siempre tendrán un viento.

 

Eduarda Lillo, 1964

 

 

1     Só aves e peixes van cas augas.

       Desafeitos da Terra viaxamos sin o mar.

 

       Os ceos sin o Ceo.

       O Ceo que só volve cos embates

       fainos antigos com-as palabras.

 

2     O soño didiante

       seguro do espacio e da luz

       sempre cara as illas do sol

       às terras felices da doada certeza.

 

3     Invertímo-lo camiño.

                                                 Imos

       i en nós regresan tódolos que viñeron.

 

4     Costas pobres.

 

       Non non iñoramos que o camiño é o camiño

       perdída-las rotas

       e que o mar é o mar

       indo pros que van

       inda pros que volven enteiros de lonxe.

 

5     non buscamos engañarnos co soño

       mai~lo home semella pra outro destino.

       Xa mares e mapas están nos seus ollos.

       Sempre estarás Grecia tra-las nebras i as augas.

 

6     Anque volva só co viaxe feito

       non foi pobre o empeño i a certeza en chegar

       que así nos sostuvo

       cando as augas buscaban a quilla

       comprobaban as cuadernas

       e relvavan

       o van.

 

7     Chegamos eiquí con esta forza

       e agardamos non perdela xa

       por maior embate ou escuro longo.

 

       Sabemos que o misterio i a necesidade nos protexen

       e coma na profecía feita ca nosa luz

       cando un mesmo non vía

       volvemos

       volveremos proclamar a certeza.

 

8     De tódalas naves cabalos e carros que parten

       sai un canto de permanencia.

 

       Lonxe se vei do cimo do pulo

       e hai singladuras que nin precisan do mar.

 

***

Uxío Novoneyra (1930 - 1990 )

Parada de Moreda - Lugo - Galiza

 

*******************************************

 


lido em: antologia de poesia galega

publicado por carlossilva às 15:49
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 10 de Março de 2009
libertá

LIBERTÁ chamas nos ollos tristes nas caras do METRO
nos que xa perderon o futuro e ganan o pan con sobresalto
na gran cidade nos tesos cumes i en todo o silencio preguntando.

Vélante os xóvenes
i os que saben da morte e xuntan inseguranza e desamparo.
Cando vexo un neno penso en ti
e si oio un bruído sin nome coido que ti chegas i acude todo o sangre.

Todo bruído sin nome é un agoiro.

 

***

Uxio Novoneyra (1930-1999)

Seoane do Courel - Galiza

*********************************

 

LIBERDADE chama nos olhos tristes nas caras do METRO

nos que já perderam o futuro e ganham o pão com sobressalto

na grande cidade nos firmes cumes e em todo o silêncio perguntando.

 

Velam-te os jovens

e os que sabem da morte e juntam insegurança e desamparo

Quando vejo uma criança penso em ti

e se ouço um ruído sem nome penso que chegas tu e acode todo o sangue.

 

Todo o ruído sem nome é um agoiro.

 

[trad: cas]



publicado por carlossilva às 12:24
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
agenda
18 de abril 2013 19 de abril 2013
Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
14
15

18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

letanía de galicia

viaxe

libertá

arquivos

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

a m pires cabral(4)

adelia prado(5)

adilia lopes(8)

al berto(6)

alba mendez(4)

albano martins(4)

alberte moman(8)

alberto augusto miranda(9)

alexandre teixeira mendes(11)

alfonso lauzara martinez(8)

alice macedo campos(13)

alicia fernandez rodriguez(5)

almada negreiros(4)

amadeu ferreira(8)

ana luísa amaral(6)

ana marques gastao(4)

andre domingues(5)

andreia carvalho(4)

antonio barahona(5)

antonio cabral(5)

antonio gedeao(5)

antonio ramos rosa(7)

anxos romeo(4)

ary dos santos(5)

augusto gil(4)

augusto massi(4)

aurelino costa(11)

baldo ramos(6)

bruno resende(5)

camila vardarac(9)

carlos drummond de andrade(5)

carlos vinagre(13)

cesario verde(4)

concha rousia(4)

cristina nery(5)

cruz martinez(9)

daniel filipe(5)

daniel maia - pinto rodrigues(4)

david mourão-ferreira(6)

elvira riveiro(8)

emma couceiro(4)

estibaliz espinosa(7)

eugenio de andrade(8)

eva mendez doroxo(8)

fatima vale(10)

fernando assis pacheco(4)

fernando pessoa(5)

fiamma hasse pais brandão(5)

florbela espanca(7)

gastão cruz(5)

helder moura pereira(4)

ines lourenço(6)

iolanda aldrei(4)

jaime rocha(5)

joana espain(10)

joaquim pessoa(4)

jorge sousa braga(6)

jose afonso(5)

jose carlos soares(4)

jose gomes ferreira(4)

jose luis peixoto(4)

jose regio(4)

jose tolentino mendonça(4)

jussara salazar(6)

luis de camoes(5)

luisa villalta(4)

luiza neto jorge(4)

maite dono(5)

manolo pipas(6)

manuel alegre(6)

manuel antonio pina(8)

maria alberta meneres(5)

maria do rosario pedreira(5)

maria estela guedes(7)

maria lado(6)

maria teresa horta(5)

marilia miranda lopes(4)

mario cesariny(5)

mia couto(8)

miguel torga(4)

nuno judice(8)

olga novo(17)

pedro ludgero(7)

pedro mexia(5)

pedro tamen(4)

raquel lanseros(9)

roberta tostes daniel(4)

rosa enriquez(6)

rosa martinez vilas(8)

rosalia de castro(6)

rui pires cabral(5)

sophia mello breyner andressen(7)

suzana guimaraens(5)

sylvia beirute(11)

tiago araujo(5)

valter hugo mae(5)

vasco graça moura(6)

virgilio liquito(5)

x. m. vila ribadomar(6)

yolanda castaño(10)

todas as tags

links
pesquisar
 
blogs SAPO
subscrever feeds