Segunda-feira, 21 de Maio de 2012
(sábado)

 

a manhã ainda pode ser salva se o tempo

mudar ou o café forte quebrar o vidro entre o som

e o sentido destas frases que recito em jejum

de um jornal atrasado. dormi mais do que o habitual,

entre papéis e o som distante do telefone,

um despertador absorvido pelo sonho, ao acordar não

consegui ler nas folhas do chá de ontem, despejado frio

pela banca da cozinha, o que farei com os restos de liberdade

que me sobraram do dia anterior.

 

na infância ensinaram-me como é perigoso

acordar um sonâmbulo, lição que tenho

aplicado de forma exemplar em relação a mim próprio.

o equilíbrio entre os dias e as noites foi-se alterando

de modo progressivo. ouço ao longe,

pela janela aberta, os sons do

carnaval do notting hill, um sinal de que o

verão terminou. queimo os cravos da mão esquerda, a mão

cega que não tem recebido todo o prazer ou o

reconhecimento que merece. chove.

 

e é tudo, descrição sem análise, na luz filtrada

de um dia em que se morre mais lentamente que nos anteriores.

daqui a pouco sairemos para as ruas de comércio, cais

onde se vão saudar paquetes

que já partiram, nas tardes de sábado, para nos perdermos

entre o ruído e o excesso de informação que

caracterizam o século vinte e um, sem

que ninguém repare que saí à rua sem o desejo vestido.

 

a cidade deixou de ser um mapa e, passado um ano, leio o nome das ruas

como quem incendeia os barcos à chegada a terra

para não ter forma de regressar a casa.

 

***

 

tiago araújo

 

*


lido em: resumo: a poesia em 2011

publicado por carlossilva às 13:36
link do post | comentar | favorito

Domingo, 20 de Maio de 2012
o céu visto de cima

 

Tu já estavas prometido à tristeza

da cidade mais pequena. Mas a noite

tinha passagens secretas, bastava seguir os sinais.

 

Uma sombra avançava muito fundo

nos teus estratos, tacteavas um território

de pedras difíceis, às vezes perigosas.

 

Depois imergias e a boca estava amarga

outra vez, a roupa amontoada na cadeira

como o princípio de um poema indesejado.

 

Reflectido nos teus olhos, o céu

era um lugar inabitável.

 

***

 

rui pires cabral

 

*


lido em: resumo: a poesia em 2011

publicado por carlossilva às 11:57
link do post | comentar | favorito

Sábado, 19 de Maio de 2012
fogo da meia-noite

 

Lançados do alto das nuvens

obedecemos à gravidade

com que a turba

se esfuma

 

somos faúlhas contrárias,

fogo preso à solidão,

artifício nos olhos,

pólvora na fala,

cada um para seu lado da serra

 

em cinzas

 

caindo.

 

***

 

rui lage

 

*


lido em: resumo: a poesia em 2011
tags:

publicado por carlossilva às 13:32
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 18 de Maio de 2012
quem vive para o amor está lixado

 

Quem vive para o amor está lixado

não tarda, que o amor é um amplo espaço

vazio sem cor nem forma e um silêncio

tumular por perto. Mau, muito mau

para se levar alguém. Mas tu vieste

e de imediato tudo fôra já decidido

como quando alguém nasce e olha em torno

- pouco importa se estranha ou não a paisagem.

Tínhamos o nosso espaço e tínhamo-nos

a nós, um ao outro por natural companhia

era o amor, tudo indicava. Podia-se morrer

disso. E tínhamos o tempo todo para ver.

 

***

 

rui caeiro

 

*

 


lido em: resumo: a poesia em 2011

publicado por carlossilva às 12:09
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 17 de Maio de 2012
centro comercial

 

Irreconciliável shopping no campo,

de parques subterrâneos esgotados

e de luzes que atraem

borboletas nocturnas como gente.

 

O destino de se ir de loja em loja

e milhares de corpos que se cruzam

nas escadas rolantes,

vigiados por câmaras e guardas insolentes.

 

Dia artificial dentro da noite,

em que tremem de frio

a oliveira, o coelho bravo

e o arrumador de carros viciado.

 

***

 

nuno dempster

 

*


lido em: resumo: a poesia em 2011

publicado por carlossilva às 11:57
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 16 de Maio de 2012
fala do tipógrafo Vergílio com seus botões

 

Desce enfim sobre a manhã

uma quietação de alma;

E ao subir o fecho da calça,

Esqueço a noite em que uma alemã,

Com falsa antipatia, quis um verso inglês.

 

A mão já não treme ao terceiro branco,

É com altivez que me chego ao quarto,

Pronto à hermética de tasco.

Entre solavanco e pernalta

Borreguei, então, ao modo gasco.

 

Fosse poeta noutra vida

Ou escriturário nos Douradores,

Com chuva lá fora e metafísica dentro,

A senhora teria métrica entre-perna,

Mais adequada talvez,

De quem mão não treme no final do mês.

 

***

 

nunes da rocha

 

*


lido em: resumo: a poesia em 2011

publicado por carlossilva às 11:43
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 15 de Maio de 2012
dizem que a vida me foi dada à borla

 

Dizem que a vida me foi dada à borla.

Só eu sei quanto isso me custa.

 

Dizem que não penso nos outros.

Deus sabe o tempo que gasto a pensar nisso.

 

Dizem que tenho um ego agigantado.

É a única coisa que tenho.

 

Dizem que vou acabar sozinho.

Têm razão.

 

***

 

miguel martins

 

lisboa, 1969

 

*


lido em: resumo: a poesia em 2011

publicado por carlossilva às 12:34
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 14 de Maio de 2012
leavin' town

 

Ao fazer a mala, reparou que pouco

levava daquela lúgubre cidade.

Alguns vestidos, as primeiras frésias,

que tivera de presente, agora murchas,

uma dezena de exemplares de Moody

que lhe serviram para amortalhar o resto.

 

Se é que alguma coisa restava, pensou

junto ao aparador, enquanto no espelho

se perdia o fogo ruivo dos cabelos,

sublinhado pelo negrume do olhar.

Ao ajoelhar-se sobre a mala, escreveu,

em vez do seu nome, «Goodbye to love».

 

Era esta também a sua única morada,

até que a morte ou a chuva a apagassem.

 

***

 

manuel de freitas

 

*


lido em: resumo: a poesia em 2011

publicado por carlossilva às 12:02
link do post | comentar | favorito

Domingo, 13 de Maio de 2012
carta a mário cesariny no dia da sua morte

 

Hoje soube uma coisa extraordinário,

que morreste; talvez já to tenham dito,

embora o caso verdadeiramente não

te diga respeito, e seja assunto nosso, vivo.

 

Algo, de facto, deve ter acontecido,

porque nada acontece, a não ser o costume,

amor e estrume, quanto ao resto

tudo prossegue de acordo com o Plano.

 

Há apenas agora um buraco aqui,

não sei onde, uma espécie de

falta de alguma coisa insolente e amável,

de qualquer modo, aliás, altamente improvável.

 

Depois, de gato para baixo, mortos

(lembrei-me disso de repente,

agora que voltaste malevolamente a ti)

estamos todos. A gente vê-se um dia destes por Aí.

 

***

 

manuel antónio pina

 

*

 


lido em: resumo: a poesia em 2011

publicado por carlossilva às 12:06
link do post | comentar | favorito

Sábado, 12 de Maio de 2012
soube encontrar no areão a flor em transe

 

«Soube encontrar no areão a flor em transe.»

e apontaste o ventre aberto da ondina:

carnagem crua te enquadrava, laminosa,

a face fria com a nuvem de falenas,

 

um relâmpago no estômago, e essa ombreira

pálida à mercê da lamparina; ovíparos

recados sob estacas, e tripas, e folhas

e escamas também. Engastado à tua voz,

 

«Toca-me os olhos com as pontas, sem a sombra

que de repente se enrolou entre os meus passos.

Vê, sob os círculos do peito, o peixe negro:

morde, puxa, rasga a pele do braço avesso»

 

E há tempo à justa pra empalhar outra corola,

o laço escuro a ecoar a trovoada

 

***

 

luís manuel gaspar

 

*


lido em: resumo: a poesia em 2011

publicado por carlossilva às 11:55
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
agenda
18 de abril 2013 19 de abril 2013
Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
14
15

18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

fogo e água

pára-me de repente o pens...

si digo mar

infância

trapo de voz representa o...

nana para gatos a punto d...

sou uma coluna crematória

dois poemas

nacín vello de máis

uelen

arquivos

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

a m pires cabral(4)

adelia prado(5)

adilia lopes(8)

al berto(6)

alba mendez(4)

albano martins(4)

alberte moman(8)

alberto augusto miranda(9)

alexandre teixeira mendes(11)

alfonso lauzara martinez(8)

alice macedo campos(13)

alicia fernandez rodriguez(5)

almada negreiros(4)

amadeu ferreira(8)

ana luísa amaral(6)

ana marques gastao(4)

andre domingues(5)

andreia carvalho(4)

antonio barahona(5)

antonio cabral(5)

antonio gedeao(5)

antonio ramos rosa(7)

anxos romeo(4)

ary dos santos(5)

augusto gil(4)

augusto massi(4)

aurelino costa(11)

baldo ramos(6)

bruno resende(5)

camila vardarac(9)

carlos drummond de andrade(5)

carlos vinagre(13)

cesario verde(4)

concha rousia(4)

cristina nery(5)

cruz martinez(9)

daniel filipe(5)

daniel maia - pinto rodrigues(4)

david mourão-ferreira(6)

elvira riveiro(8)

emma couceiro(4)

estibaliz espinosa(7)

eugenio de andrade(8)

eva mendez doroxo(8)

fatima vale(10)

fernando assis pacheco(4)

fernando pessoa(5)

fiamma hasse pais brandão(5)

florbela espanca(7)

gastão cruz(5)

helder moura pereira(4)

ines lourenço(6)

iolanda aldrei(4)

jaime rocha(5)

joana espain(10)

joaquim pessoa(4)

jorge sousa braga(6)

jose afonso(5)

jose carlos soares(4)

jose gomes ferreira(4)

jose luis peixoto(4)

jose regio(4)

jose tolentino mendonça(4)

jussara salazar(6)

luis de camoes(5)

luisa villalta(4)

luiza neto jorge(4)

maite dono(5)

manolo pipas(6)

manuel alegre(6)

manuel antonio pina(8)

maria alberta meneres(5)

maria do rosario pedreira(5)

maria estela guedes(7)

maria lado(6)

maria teresa horta(5)

marilia miranda lopes(4)

mario cesariny(5)

mia couto(8)

miguel torga(4)

nuno judice(8)

olga novo(17)

pedro ludgero(7)

pedro mexia(5)

pedro tamen(4)

raquel lanseros(9)

roberta tostes daniel(4)

rosa enriquez(6)

rosa martinez vilas(8)

rosalia de castro(6)

rui pires cabral(5)

sophia mello breyner andressen(7)

suzana guimaraens(5)

sylvia beirute(11)

tiago araujo(5)

valter hugo mae(5)

vasco graça moura(6)

virgilio liquito(5)

x. m. vila ribadomar(6)

yolanda castaño(10)

todas as tags

links
pesquisar
 
blogs SAPO
subscrever feeds