Sexta-feira, 20 de Abril de 2012
a tua asa

 

Roça-me também tu com tua asa - única parte

verdadeiramente palpável de ti.

 

Que não seja sempre a inoportuna

asa da morte, semelhante à dos morcegos,

a roçar-se por mim.

 

Naquelas noites de temporal desfeito

que nada alumia nem aquece,

nem sequer a memória, que costuma ser

o que temos de mais quente e luminoso -

 

- nessas noites desabridas,

se a tua asa me roçasse o rosto,

recebê-la-ia como um nu recebe uma manta;

como um viandante em noite de Inverno

a quem é oferecido um canto à lareira

e uma candeia

para esconjuro das trevas e do frio.

 

Roça-me com ela, por favor,

ao menos uma vez e numa noite dessas.

 

***

 

a. m. pires cabral

 

*


lido em: resumo: a poesia em 2011

publicado por carlossilva às 02:03
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 19 de Abril de 2012
lobos y caperucitas



en la visión frontal de tu sonrisa
hay un diente que se lleva todo el protagonismo

sin quererlo

es como la señorita presentadora de telediario
a la que todo el mundo mira por la calle porque se le ven las piernas

"pero las piernas son más largas que los dientes"
le dijo el lobo a caperucita

"o no"
le contestó ella

mordiéndolo (pronúnciese despacio y nótense
las letras acariciando el cuello)

mordiéndolo
con una conciencia feroz
de que el cuento no siempre es como lo cuentan

 

***

 

eva cabo

 

*

 

lobos e capuchinhos vermelhos



na visão frontal do teu sorriso
há um dente que leva todo o protagonismo

sem querer

é como a menina apresentadora do telejornal
a quem toda a gente olha na rua porque lhe veem as pernas

"mas as pernas são mais compridas que os dentes"
disse o lobo ao capucinho

"ou não"
 respondeu-lhe ela

mordendo-o (pronuncie-se devagar e realcem-se
as letras acariciando o pescoço)

mordendo-o
com uma conciência feroz
de que o conto nem sempre é como o contam

 

*

[trad: cas]


lido em: http://www.lasiega.org
tags:

publicado por carlossilva às 03:03
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 18 de Abril de 2012
incidência da luz

 

coisas pouco belas enfrentavam a manhã
que não as desfazia
ao longo da travessa estreita e colorida
as mesas inclinadas na calçada irregular
pratinhos trepidantes com cafés 
diziam tudo 
à vida escorregadia

então um sopro de anima
e houve de ti imagem
como se sentado na esplanada
fosses um tal de lisboeta
e eu de perto
como se à luz raiante da manhã 
o grande mundo me mostrasses
ainda infantil brilhante
no fundo do caleidoscópio

depois
as folhas cintilaram horas
e a vida perturbou a calçada
uma carrinha vermelha passou
embalada fosforescente
a luz ou eu
voou um corropio 
e um pássaro gritou
sem ti

[mais tarde à noitinha por entre a escuridão
escrevi-te: ensina-me a prender luz nas mãos]

 

***

 

ana paula sena belo

 

*

 


lido em: http://emcatharsis.blogspot.pt/

publicado por carlossilva às 01:13
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 17 de Abril de 2012
remontando a maré (4 de decembro)

 

que non sei se respiras ou calmeas
derrubado, país, sobre o coído
país, amante, longa foi a noite
quen sabe cando o limpo será limpo
¿foi amor ou tumulto? das beiradas
tiramos a podremia coas mans núas
¿tumulto ou resistencia? beber sudre
remontar a maré, tomar as rúas

 

da Vaca de Fisterra amargo ouleo
nas sirenas resoa de faro a faro
clamando polos mortos, capitáns
de gamelas perdidas nos naufraxios
dornas, bucetas, lanchas de relinga
crebadas nas arestas dos baixíos
valédenos na cerna da negrume
en tempos de extravío

 

o corpo nu, envolto só na rede,
baixo o lameiro negro limpa a man
resistimos, amor, cando pretenden
tomar o nome do arao en van

 

***

 

marilar aleixandre

madrid, 1947

 

*


lido em: http://www.marilar.org/

publicado por carlossilva às 01:59
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 16 de Abril de 2012
vinha para casa a pensar que um dia acordo de manhã

 

vinha para casa a pensar que um dia acordo de manhã 
e cuspo pela boca os ossos peniais, e assim que tal me ocorreu, 
olhei por mim abaixo, a verificar do correcto posicionamento dos pés 
à frente um do outro, como se a ideia e o caminhar não fossem simultâneos, 
ou algo no andar denotasse, a quem passasse, um misto de equilíbrio e de loucura. 
juntei a essa a ideia de que poderia juntá-los, um a um, 
para um instrumento de sopro e comecei a pensar como seria, 
sempre atento aos passos que dava, na berma da estrada, procurando ouvir, 
ou apenas imaginar, o som que faria, e sobretudo o silêncio que me causaria ouvi-lo. 
foi então que uma mulher me abordou: olá, mírio
emagreceu um bom bocado, disse com cabelos nos dentes, 
e eu, distraído que estava, concordei vagamente, disse qualquer coisa vulgar, 
sem importância, e a mulher pousou no chão os sacos que trazia, 
como se ali fosse sítio para conversar, os carros na sequência brutal da tarde, 
meteu as mãos nos bolsos do casaco, tirou um lenço, abriu-o, assoou-se, 
fez-me aflição perceber que não afastava o cabelo dos dentes, e que 
a qualquer momento diria algo sobre a sua vida, uma verdade contra a qual 
eu nada poderia fazer, e procurei a banalidade, falar do sol e do bom tempo, 
olhei para os sacos no chão, concentrando-me, vi num deles 
uma bonita planta vermelha e sorri. a minha mãe morreu-me, 
disse ela. olhei-a inquieto, como se o meu sorriso me atrapalhasse, 
onde estava a alegria viva de uma planta, estava o desgosto triste desta mulher, 
e ouvi-a confessar: só à força de comprimidos consigo dormir. 
dei por mim a tentar medir mentalmente essa força, dei por mim a pensar 
na dor que a mulher sentia e no quanto essa força teria de ser insensível à dor. 
creio mesmo que a minha actividade pensante era tão visível, 
que a própria mulher viu o pensamento através de mim e se afastou, como veio, 
com cabelo nos dentes, carregada de tristeza. vim para casa com vontade 
de escrever, de elaborar correctamente uma fórmula que defina a quantidade 
precisa de um comprimido, cujo efeito elimine a dor da morte. ao mesmo tempo, 
penso também na hipótese da existência, ou pelo menos da invenção, 
acessível ao homem, de uma força que retire a capacidade de sentir. 
estás a gostar de alguém? podiam perguntar-me, e eu, se conseguisse 
criar essa medicação secreta, poderia dizer: estava a gostar de alguém, 
mas consegui parar de gostar à força de comprimidos. o que aconteceu 
ao que sentias?, perguntavam, e eu, anestesiado que estava, 
caminhando sempre entre o equilíbrio e a loucura, diria: 
o que eu sinto dorme dentro de mim como um recém-nascido. 


porque a dor e o amor são os ossos que hei-de cuspir.

 

 

***

 

alice macedo campos

 

*


lido em: http://alicemacedocampos.blogspot.pt/

publicado por carlossilva às 12:56
link do post | comentar | favorito

Domingo, 15 de Abril de 2012
épica IV

 

seguiu eses camiños buscando unha lanterna

algún deses trebellos que deitan unha luz

e furtan por un tempo a escuridade

e soubo que eran épocas de sombra

 

o campo estaba inzado de xente a camiñar

cos brazos alongados apalpando

e daban entre todos a impresión

de seren cegos loucos

dementes que perderan o don da claridade

os rostros que esqueceran os seus ollos

 

e puido comprender que se chamaban con nomes de misterio

palabras nunca antes pronunciadas

vocábulos que os ventos roubaran nalgún pozo

e frases como enigmas

 

entón saíu o sol e todo foi igual

ninguén podía velo

e ían camiñando cara ao río

caían polas beiras dos regatos

morrían afogados

 

e el púxose a berrar

e viñan cara a el

quen sabe o que entenderan

e víanse nas linguas labirintos

e tiñan entre os dentes o solpor

 

da torre penduraba o corpo dun suicida

 

***

 

manuel forcadela

 

*

 


lido em: http://oximnasiodeacademo.wordpress.com/

publicado por carlossilva às 00:42
link do post | comentar | favorito

Sábado, 14 de Abril de 2012
¿luz?

 


Cuando digo luz
no quiero decir claridad de pensamiento.
Cuando digo luz
quiero decir un trozo de cielo azul, un trozo de viento sur
moviéndose entre las ramas altas del árbol.

Un trocito de verano enredándose entre mis ojos
sólo eso.

Cuando digo luz
no quiero decir alma, no quiero decir eternidad,
quiero decir un libro tuyo,
un libro tuyo,
como un trocito de viento azul
enredándose entre mis ojos
¡tan alto!

 

***

 

elisabeth candina laka

 

*

 

Luz?


Quando digo luz
não quero dizer claridade de pensamento.
Quando digo luz
quero dizer um pedaço de céu azul, un pedaço de vento sul
movendo-se entre os ramos altos da árvore.

Um pedacito de verão enredando-se entre os meus olhos
só isso.

Quando digo luz
não quero dizer alma, não quero dizer eternidade,
quero dizer um livro teu,
um livro teu,
como um pedacito de vento azul
enredando-se entre os meus olhos
tão alto!

 

*

 

[trad: cas]


lido em: http://www.poesiaparacenar.blogspot.pt/

publicado por carlossilva às 00:01
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 13 de Abril de 2012
muros de carga

 

emerxo coa virulencia do fenix

dentre a escravitude do teu corpo.

infrinxo as normas para  reterte na concavidade

da miña brancura,

a que, ata hai nada, admirabas,

na que, ata onte, dibuxabas as liñas curvas

doutras ninfas.

 

esnaquizada baixo a tensión dos teus beizos,

arrebato o xemido,

o berro,

a furia desta nova gaiola na que me atesouras.

 

a luz esbara pola corteza dos meus sentidos,

pérdome, na brétema, dos teus ollos,

e volto, novamente a afondar no lume

dun novo nacemento.

 

***

 

eva méndez doroxo

 

*


lido em: http://doroxo.blogspot.pt/

publicado por carlossilva às 00:01
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 12 de Abril de 2012
nossa truculência

 

Quando penso na alegria voraz
com que comemos galinha ao molho pardo,
dou-me conta de nossa truculência.
Eu, que seria incapaz de matar uma galinha,
tanto gosto delas vivas
mexendo o pescoço feio
e procurando minhocas.
Deveríamos não comê-las e ao seu sangue?
Nunca.
Nós somos canibais,
é preciso não esquecer.
E respeitar a violência que temos.
E, quem sabe, não comêssemos a galinha ao molho pardo,
comeríamos gente com seu sangue.

Minha falta de coragem de matar uma galinha
e no entanto comê-la morta
me confunde, espanta-me,
mas aceito.
A nossa vida é truculenta:
nasce-se com sangue
e com sangue corta-se a união
que é o cordão umbilical.
E quantos morrem com sangue.
É preciso acreditar no sangue
como parte de nossa vida.
A truculência.
É amor também.

 

***

 

clarice lispector

 

*


lido em: http://www.luso-poemas.net/modules/news03/article.php?storyi

publicado por carlossilva às 00:01
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 11 de Abril de 2012
abrigaba horas de loito cravadas por todo o corpo

 

Abrigaba horas de loito cravadas por todo o corpo,
os espectros da ausencia pintados nos labios agres
e as mans enfermas de carencias.

 

Todo o esmalte de obsidiana co que eu o imaxinara nas novelas quenon escribirei nunca
e se lle transparentaban os lirios máis escuros
místicos e ocultos e con pétalos mui ásperos.

 

Pero andaramos buscándonos polas rúas das mesmas noites
e así foi que veu a ser o meu príncipe das tebras,
eu tremendo de impaciencia baixo os queiros da agonía
para choverlle en sangue fresca e aplacar mórbidas fames.

 

Agora teño a boca destrozada.
Aspiro despacio a noitebra.
E el canta espido e frío para o pleniluinio vidrado de setembro.
Nunca o loito foi tan branco na súa casa ingobernable.
Unha horizontal vivencia de martelos detrás do lánguido alento,
tal como Aleister camiña en raxadas lívidas

 

cara a nosa obscura amaceñida.

 

***

 

yolanda castaño

 

*


lido em: http://www.enfocarte.com/PoesiaGallega/castano.html

publicado por carlossilva às 00:53
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
agenda
18 de abril 2013 19 de abril 2013
Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
14
15

18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

fogo e água

pára-me de repente o pens...

si digo mar

infância

trapo de voz representa o...

nana para gatos a punto d...

sou uma coluna crematória

dois poemas

nacín vello de máis

uelen

arquivos

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

a m pires cabral(4)

adelia prado(5)

adilia lopes(8)

al berto(6)

alba mendez(4)

albano martins(4)

alberte moman(8)

alberto augusto miranda(9)

alexandre teixeira mendes(11)

alfonso lauzara martinez(8)

alice macedo campos(13)

alicia fernandez rodriguez(5)

almada negreiros(4)

amadeu ferreira(8)

ana luísa amaral(6)

ana marques gastao(4)

andre domingues(5)

andreia carvalho(4)

antonio barahona(5)

antonio cabral(5)

antonio gedeao(5)

antonio ramos rosa(7)

anxos romeo(4)

ary dos santos(5)

augusto gil(4)

augusto massi(4)

aurelino costa(11)

baldo ramos(6)

bruno resende(5)

camila vardarac(9)

carlos drummond de andrade(5)

carlos vinagre(13)

cesario verde(4)

concha rousia(4)

cristina nery(5)

cruz martinez(9)

daniel filipe(5)

daniel maia - pinto rodrigues(4)

david mourão-ferreira(6)

elvira riveiro(8)

emma couceiro(4)

estibaliz espinosa(7)

eugenio de andrade(8)

eva mendez doroxo(8)

fatima vale(10)

fernando assis pacheco(4)

fernando pessoa(5)

fiamma hasse pais brandão(5)

florbela espanca(7)

gastão cruz(5)

helder moura pereira(4)

ines lourenço(6)

iolanda aldrei(4)

jaime rocha(5)

joana espain(10)

joaquim pessoa(4)

jorge sousa braga(6)

jose afonso(5)

jose carlos soares(4)

jose gomes ferreira(4)

jose luis peixoto(4)

jose regio(4)

jose tolentino mendonça(4)

jussara salazar(6)

luis de camoes(5)

luisa villalta(4)

luiza neto jorge(4)

maite dono(5)

manolo pipas(6)

manuel alegre(6)

manuel antonio pina(8)

maria alberta meneres(5)

maria do rosario pedreira(5)

maria estela guedes(7)

maria lado(6)

maria teresa horta(5)

marilia miranda lopes(4)

mario cesariny(5)

mia couto(8)

miguel torga(4)

nuno judice(8)

olga novo(17)

pedro ludgero(7)

pedro mexia(5)

pedro tamen(4)

raquel lanseros(9)

roberta tostes daniel(4)

rosa enriquez(6)

rosa martinez vilas(8)

rosalia de castro(6)

rui pires cabral(5)

sophia mello breyner andressen(7)

suzana guimaraens(5)

sylvia beirute(11)

tiago araujo(5)

valter hugo mae(5)

vasco graça moura(6)

virgilio liquito(5)

x. m. vila ribadomar(6)

yolanda castaño(10)

todas as tags

links
pesquisar
 
blogs SAPO
subscrever feeds