Domingo, 19 de Abril de 2009
un día decidín dedicarme á maxia

 

 

un día decidín dedicarme á maxia

gardar unha presa de sementes de loureiro no medio dun paniño con

area humedecida

sementalas unha a unha polo xaneiro

e agardar a primavera.

 

agora teño unha sebe de loureiros

contornándome a cintura

nas pólas máis tenras aniñan as palabras que non dei pronunciado a

tempo

descólganse de noite en restras voandeiras

 

a maxia sáeme entón inquisidora

convérteas en cinza

 

 

****

Elvira Riveiro (1971)

Cerpozóns – Galiza

*********************************

 

 

um dia decidi dedicar-me à magia

guardar um punhado de sementes de loureiro no meio dum paninho com

área humedecida

semeá-las uma a uma em janeiro

e aguardar a primavera.

 

agora tenho uma sebe de loureiros

contornando-me a cintura

nos galhos mais tenros aninham as palavras que não pronunciei a

tempo

desprendendo-se de noite em réstias voadoras

 

a magia sai-me então inquisidora

converte-as em cinza

 

[trad: cas]



publicado por carlossilva às 09:36
link do post | comentar | favorito

Sábado, 18 de Abril de 2009
non podo afirmar que fose tétrica aquela nau

 

 

Non podo afirmar que fose tétrica aquela nau
pero si que navegaba por un mar de brañas.
Que o seu era velame de estameña parda
que na coberta erguian-se as ruinas dunha moi alta torre
circular e de cristal, e que todo nel semellaba paradiso,
plúmbeo, solenemente ermo.

Velaqui a caveira do amor
e velaqui a cinza que antano os seus osos foran.
Velaqui cinza, viño que o meu corazón devora
velaqui o elmo, o escudo, os arautos, todos.

Como non bater-se no extremo deste mar
como non precipitar-se sobre este coagulo ardente?

Velaqui as serpes do amor
refulxen como xemas, como loureiro en flor
refulxen como os nosos ollos, chafariz que antano foran.

Non podo afirmar que fose tétrica aquela nau
pero si que foi a estación final do laberinto
que foi o seu velame espada e cíclame negro
que todo nel semellaba púmbeo, paradiso.
Ermo.

 

***

Chus Pato (1955)

Ourense – Galiza

****************************

 

Não posso afirmar que fosse tétrica aquela nau
mas sim que navegava por um mar de lameiros.
Que o seu velame era de estamenha parda
que na coberta se erguiam as ruínas duma torre muito alta
circular e de cristal, e que todo nele parecia paraíso,
plúmbeo, solenemente ermo.

 

Eis a caveira do amor
e eis a cinza que os seus ossos foram antanho.
Eis a cinza, vinho que o meu coração devora
eis o elmo, o escudo, os arautos, todos.

Como não bater-se no extremo deste mar
como não precipitar-se sobre este coágulo ardente?

Eis as serpentes do amor
refulgem como gemas, como loureiro em flor
refulgem como os nossos olhos, que foram antanho chafariz.

Não posso afirmar que fosse tétrica aquela nau
mas sim que foi a estacão final do labirinto
que foi o seu velame espada e cíclame negro
que tudo nele parecia plúmbeo, paraíso.
Ermo.

 

[trad: cas]

 

 


tags:

publicado por carlossilva às 09:30
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 17 de Abril de 2009
a quen están poñendo pensamentos no abismo dos tolos?

 

 

¿A quen están poñendo pensamentos no abismo dos tolos?
eran mortas de cumes sen tempo marcadas
na imposibilidade e no fío
¡non as empuxes! prantas de corpo rodeado teñen que poñer
[luz nos tanxidos
o peito está punzado por días dalgunhas delas que se me
[adiantan ós rostros,
regresan as desbandadas das aves
e queren escribir no seu niño con auga
ó mundo madrugador que lles inventou unha febre de seda
pra calalas,
non inventalas, nin sequera debullalas na hedra,
a irrecoñecíbel noite non recolle os teus ollos
a serpe segue na cova pero non ten manxar
sigo descampando areas, querendo retallar niños
que se chaman polo seu nome: Medo
Non me importo, teño xa o ollar atravesado de musgo
e o meu pulso escapa polo alcohol que
tende os brazos tan de présa como a sede do máis oculto
[lugar,
figos e unha casa de leite, teño que estar contigo
e só estou no mesmo lugar onde chían os vimbios

 

***

Anxos Romeo (1965)

A Estrada – Pontevedra (Galiza)

*****************************************************

 

A quem estão pondo pensamentos no abismo dos loucos?
eram mortas de cumes sem tempo marcadas
na impossibilidade e no fio
não as empurres! plantas de corpo rodeado têm que por
[luz nos tangidos
o peito está picado por dias de algumas delas que se me
[adiantam aos rostos,
regressam as debandadas das aves
e querem escrever no seu ninho com água
ao mundo madrugador que lhes inventou uma febre de seda
para calá-las,
não inventá-las, nem sequer debulhá-las na hera,
a irreconhecível noite não recolhe os teus olhos
a serpente continua na cova mas não tem manjar
continuo descampando areias, querendo retalhar ninhos
que se chamam pelo seu nome: Medo
Não me importo, tenho já o olhar atravessado de musgo
e o meu pulso escapa pelo álcool que
estende os braços tão de pressa como a sede do mais oculto
[lugar,
figos e uma casa de leite, tenho que estar contigo
e só estou no mesmo lugar onde chiam os vimes.

 

[trad: cas]

 

 



publicado por carlossilva às 11:41
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 16 de Abril de 2009
butera


E Deus saía na televisión
e falaba ó seu povo, pero a nós
levábanos por outra vía o zoar da roupa branca e tendida
ó aire de deserto e lúa sen sono. Recordo aquela tarde,
a seca dos ollos que fitaban a estrada coma un verme,
escravos para sempre do arrecendo do pó e de herbas murchas,
inocentes ollos ó compás dos paxaros que inzaban
na praza dos homes que inzaban, inocentes ollos, na praza.

Podo decir que non fomos xa os mesmos
no camiño de retorno, pero non o sabíamos
aínda. Foi máis tarde cando todo empezou.

 

***

Helena Carlos (1964)

Cenlle - Vigo (Galiza)

 

 


BUTERA

E Deus aparecia na televisão
e falava ao seu povo, mas a nós
levava-nos por outra via o zoar da roupa branca e estendida
ao ar de deserto e lua sem sono. Recordo aquela tarde,
a secura dos olhos que fitavam a estrada como a um verme,
escravos para sempre do perfume do pó e de ervas murchas,
inocentes olhos ao compasso dos pássaros que infestavam
a praça dos homens que infestavam, inocentes olhos, na praça.

Posso dizer que não fomos já os mesmos
no caminho de regresso, mas não o sabíamos
ainda. Foi mais tarde quando tudo começou.

 

 

[trad: cas]



publicado por carlossilva às 09:03
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 15 de Abril de 2009
ás veces fáltannos palabras

 

Ás veces fáltannos palabras
e ás veces sóbrannos.

Ás veces fáltanos o tempo de dicilas
e ás veces pásanos o tempo de calalas.

Ás veces precisamos o que xa temos
e ás veces desbotamos o alleo como se fora noso.

Ás veces mentimos inxustamente
e ás veces facemos da lei unha verdade fedorenta.

Ás veces temos boca para selar un segredo
e ás veces fáltannos oídos para aceptar a evidencia.

Ás veces un día ten 24 horas
e ás veces unha hora agocha 24 días.

Ás veces dígoche que te quero coa boca soterrada
e ás veces a terra ignora os adverbios que nos afastan.

Ás veces digo que si porque non son eu
e ás veces non son quen de negarcho.

Ás veces a choiva esvara polos meus versos ata dar cos teus ollos
e ás veces as bágoas encoradas na memoria
asulagan as terras ermas do que che escribo.

Ás veces chámote co meu nome
e ás veces contestas dende o silencio que me reclama.

Ás veces es ti mesma
e ás veces non sei quen son se ti me faltas.

 

***

Baldo Ramos (1971)

Celanova - Ourense (Galiza)

*****************************************

 

 

Às vezes faltam-nos palavras
e às vezes sobram-nos.

Às vezes falta-nos o tempo de dizê-las
e às vezes passa-nos o tempo de as calar.

Às vezes precisamos do que já temos
e às vezes desejamos o alheio como se fosse nosso.

Às vezes mentimos injustamente
e às vezes fazemos da lei uma verdade fedorenta.

Às vezes temos boca para selar um segredo
e às vezes faltam-nos ouvidos para aceitar a evidência.

Às vezes um dia tem 24 horas
e às vezes uma hora esconde 24 dias.

Às vezes digo-te que te quero com a boca soterrada
e às vezes a terra ignora os advérbios que nos afastam.

Às vezes digo que sim porque não sou eu
e às vezes não sou ninguém para negá-lo.

Às vezes a chuva resvala pelos meus versos até dar com os teus olhos
e às vezes as lágrimas ancoradas na memória
alagam as terras ermas do que te escrevo.

Às vezes chamo-te com o meu nome
e às vezes respondes a partir do silêncio que me reclama.

Às vezes és tu mesma
e às vezes não sei quem sou se tu me faltas.

 

[trad: cas]

 

 



publicado por carlossilva às 15:58
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 14 de Abril de 2009
stabat mater dolorosa



Stabat mater dolorosa
o seu corpo tendido, moldeando o chan imenso, dando
forma aos camiños,
nos montes o rostro suavemente choroso, desfeito en água,
río ou mar constante,
dando vida a un pracer do que xa non tivese memória.
Pura extensión, a nai que nos leva da man das estrelas e
nos deixa no berce dun terror infinito.
Estaba, está, estará, se é posible imaginar a nosa
esperanza ,
xunto aos edificios moribundos, de onde penduran atroces
palabras, gallardetes de festa, imortais danzas nas que deuses
humanos se desangran para beber-se a si mesmos e blasfemar-se.
Coas mans e cos pés está a nai nas raíces nacidas da
rebelión dos humildes, mansedume estarrecedora rebentando
tambores.
Fermosa nas marusias do cabelo xa canso, nos seos
acendidos por amores ocultos, ainda a paixón titilante baixo as
xemas do cemento, nos ollares famintos, nos esgotos, nas luces
dos metais soñadores
tan só co poder que florece das vítimas, estaba
ao portón da xuxtiza que se abre á vinganza,
estará, continuará estando,
polos fillos dos fillos dos fillos,
presenciando unha morte: a do fillo que a mata.


 ***

Luisa Villalta (1957-2004)

A Coruña - Galiza

******************************++

Stabat mater dolorosa
o seu corpo tendido, moldando o chão imenso, dando
forma aos caminhos,
nos montes o rosto suavemente choroso, desfeito em água,
rio ou mar constante,
dando vida a um prazer do que já não tivesse memória.
Pura extensão, a mãe que nos leva pela mão das estrelas e
nos deixa no berço dum terror infinito.
Estava, está, estará, se é possível imaginar a nossa
esperança,
junto aos edifícios moribundos, de onde penduram atrozes
palavras, galhardetes de festa, imortais danças nas que deuses
humanos se dessangram para beber-se a si mesmos e blasfemar-se.
Com as mãos e com os pés está a mãe nas raízes nascidas da
rebelião dos humildes, mansidão estarrecedora rebentando
tambores.
Formosa nas maresias do cabelo já cansado, nos seios
acesos por amores ocultos, ainda a paixão cintilante sob as
gemas do cimento, nos olhares famintos, nos esgotos, nas luzes
dos metais sonhadores
tão só com o poder que floresce das vítimas, estava
ao portão da justiça que se abre à vingança,
estará, continuará estando,
pelos filhos dos filhos dos filhos,
presenciando uma morte: a do filho que a mata.

 

[trad: cas]



publicado por carlossilva às 00:54
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 13 de Abril de 2009
ou saber que o sal é necesario

Ou saber que o sal na cidade é necesario.

Que as nosas pálpebras son ondas

E que os pas(e)os violan ao verbo bicar.

Que non temos faros na pel

E que este banco é case o daquel Setembro.

 

   Que hoxe, despois de todo, quérote máis.

 

***

Alicia Fernandez Rodriguez (1987)

Escairón – Galiza

**********************************

 

    Ou saber que o sal na cidade é necessário.

Que as nossas pálpebras são ondas

E que os pass(ei)os violam o verbo beijar.

Que não temos faróis na pele

E que este banco é quase o daquele Setembro.

 

   Que hoje, depois de tudo, quero-te mais.

 

[trad: cas]


lido em: Botar o mar polos ollos

publicado por carlossilva às 00:48
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 6 de Abril de 2009
intervalo
Porto'08 1578

tags:

publicado por carlossilva às 00:01
link do post | comentar | favorito

Domingo, 5 de Abril de 2009
asunto:intervalo

contéñome na imaxe

bordeo o limite. camiño

sostéñome no diáfano perfil

da realidade

 

(este é o xogo)

(este é o intervalo)

 

máis nada se me concede:

só a certeza dunha transparencia

única e indivisíbel

 

só unha infinda capacidade

de desmemoria e de silencio

 

ata sentir que de min mesmo

son expulsado:

(sen piedade) – (sen ausencia)

 

***

Xerardo Quintiá (1970)

Friol – Galiza

*************************

 

Contenho-me na imagem

contorno o limite. caminho

sostenho-me no diáfano perfil

da realidade

 

(este é o jogo)

(este é o intervalo)

 

mais nada se me concede:

só a certeza duma transparência

única e indivisível

 

só uma infinda capacidade

de desmemória e de silêncio

 

até sentir que de mim mesmo

sou expulso:

(sem piedade) – (sem ausência)

 

[trad: cas]

 


lido em: Poesía en Ruta

publicado por carlossilva às 00:00
link do post | comentar | favorito

Sábado, 4 de Abril de 2009
crarearan as mans pola resequedade

 

Crarearan as mans pola resequedade

están brancas de alerxias

están abafadas de células nai

mais muda a pel

como muda o pelo nos gatos de maio

cada intre que pasa son menos eu

e no espello só miro para ollo de sangue

infraestruturas quebradas

caen como os berros dos nenos e nenas

ao saíren das aulas

botan adrenalina pola boca

mentras eu trágoa rebozada de fume

soa a soedade nas campas da catedral

mentras pasa un carro hipotecado pola rua mollada

hai centos de maneiras de comunicarse

eu escollín a dos índios

sendo fillo de vaqueiros

cunha sensibilidade especial pólos sorrisos

que non gasto

que non vês pólo meu egoísmo

fundado por unha ética arcaica

pisoteada… en perigo de extinción.

 

***

Alfonso Rodríguez (1973)

Ourense – Galiza

****************************

 

Clarearam as mãos pela secura

estão brancas de alergias

estão abafadas de células mãe

mas muda a pele

como muda o pelo nos gatos de maio

cada instante que passa sou menos eu

e no espelho só olho para olho de sangue

infraestruturas quebradas

caem como os berros dos meninos e meninas

a saírem das aulas

deitam adrenalina pela boca

enquanto eu a devoro envolta em fumo

soa a solidão nos sinos da catedral

enquanto passa um carro hipotecado pela rua molhada

há centenas de maneiras de comunicar-se

eu escolhi a dos índios

sendo filho de vaqueiros

com uma sensibilidade especial pelos sorrisos

que não gasto

que não vês pelo meu egoísmo

apoiado por uma ética arcaica

espezinhada… em perigo de extinção.

 

[trad: cas]

 


lido em: azucar glass

publicado por carlossilva às 00:51
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
agenda
18 de abril 2013 19 de abril 2013
Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
14
15

18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

fogo e água

pára-me de repente o pens...

si digo mar

infância

trapo de voz representa o...

nana para gatos a punto d...

sou uma coluna crematória

dois poemas

nacín vello de máis

uelen

arquivos

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

a m pires cabral(4)

adelia prado(5)

adilia lopes(8)

al berto(6)

alba mendez(4)

albano martins(4)

alberte moman(8)

alberto augusto miranda(9)

alexandre teixeira mendes(11)

alfonso lauzara martinez(8)

alice macedo campos(13)

alicia fernandez rodriguez(5)

almada negreiros(4)

amadeu ferreira(8)

ana luísa amaral(6)

ana marques gastao(4)

andre domingues(5)

andreia carvalho(4)

antonio barahona(5)

antonio cabral(5)

antonio gedeao(5)

antonio ramos rosa(7)

anxos romeo(4)

ary dos santos(5)

augusto gil(4)

augusto massi(4)

aurelino costa(11)

baldo ramos(6)

bruno resende(5)

camila vardarac(9)

carlos drummond de andrade(5)

carlos vinagre(13)

cesario verde(4)

concha rousia(4)

cristina nery(5)

cruz martinez(9)

daniel filipe(5)

daniel maia - pinto rodrigues(4)

david mourão-ferreira(6)

elvira riveiro(8)

emma couceiro(4)

estibaliz espinosa(7)

eugenio de andrade(8)

eva mendez doroxo(8)

fatima vale(10)

fernando assis pacheco(4)

fernando pessoa(5)

fiamma hasse pais brandão(5)

florbela espanca(7)

gastão cruz(5)

helder moura pereira(4)

ines lourenço(6)

iolanda aldrei(4)

jaime rocha(5)

joana espain(10)

joaquim pessoa(4)

jorge sousa braga(6)

jose afonso(5)

jose carlos soares(4)

jose gomes ferreira(4)

jose luis peixoto(4)

jose regio(4)

jose tolentino mendonça(4)

jussara salazar(6)

luis de camoes(5)

luisa villalta(4)

luiza neto jorge(4)

maite dono(5)

manolo pipas(6)

manuel alegre(6)

manuel antonio pina(8)

maria alberta meneres(5)

maria do rosario pedreira(5)

maria estela guedes(7)

maria lado(6)

maria teresa horta(5)

marilia miranda lopes(4)

mario cesariny(5)

mia couto(8)

miguel torga(4)

nuno judice(8)

olga novo(17)

pedro ludgero(7)

pedro mexia(5)

pedro tamen(4)

raquel lanseros(9)

roberta tostes daniel(4)

rosa enriquez(6)

rosa martinez vilas(8)

rosalia de castro(6)

rui pires cabral(5)

sophia mello breyner andressen(7)

suzana guimaraens(5)

sylvia beirute(11)

tiago araujo(5)

valter hugo mae(5)

vasco graça moura(6)

virgilio liquito(5)

x. m. vila ribadomar(6)

yolanda castaño(10)

todas as tags

links
pesquisar
 
blogs SAPO
subscrever feeds