Quinta-feira, 18 de Dezembro de 2008
a flor do maracujá

Pelas rosas, pelos lírios,
pelas abelhas, sinhá,
pelas notas mais chorosas
do canto do sabiá,
pelo cálice de angústias
da flor do maracujá!

Pelo jasmim, pelo goivo,
pelo agreste manacá,
pelas gotas de sereno
nas folhas do gravatá,
pela coroa de espinhos
da flor do maracujá!

Pelas tranças de mãe-dágua
que junto da fonte está,
pelos colibris que brincam
nas alvas plumas do ubá,
pelos cravos desenhados
da flor do maracujá!

Pelas azuis borboletas
que descem do Panamá,
pelos tesouros ocultos
nas minas do Sincorá,
pelas chagas roxeadas
da flor do maracujá!

Pelo mar, pelo deserto,
pelas montanhas, sinhá!
Pelas florestas imensas,
que falam de Jeová!
Pela lança ensangüentada
da flor do maracujá!

Por tudo o que o céu revela,
por tudo o que a terra dá
eu te juro que minh'alma
de tua alma escrava está!...
Guarda contigo este emblema
da flor do maracujá!

Não se enojem teus ouvidos
de tantas rimas em -á-
mas ouve meus juramentos,
meus cantos, ouve, sinhá!
Te peço pelos mistérios
da flor do maracujá!

 

***

Fagundes Varela (1841 - 1875)

Rio de Janeiro (Brasil)


lido em: Cantos Meridionais

publicado por carlossilva às 00:01
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 17 de Dezembro de 2008
elegia

Não retornei aos caminhos

que me trouxeram do mar.

Sinto-me brancos desertos

onde as dunas me abrasando

tarjam meus olhos de sal

dum pranto nunca chorado,

dum terror que nunca vi.

 

Vivo hoje areias ardentes

sonhando praias perdidas

com levianos marujos

brincando de se afogar,

com rochedos e enseadas

sentindo afagos do mar.

 

Tudo perdi no retorno,

tudo ficou lá no mar:

arrancaram-me das ondas

onde nasci a vagar,

desmancharam meus caminhos

- os inventados no mar:

depois, secaram meus braços

para eu não mais velejar.

 

Meus pensamentos de espumas,

meus peixes e meu luar,

de tudo fui despojada

(até das fúrias do mar)

porque já não sou areias,

areias soltas de mar.

Transformaram-me em desertos,

ouço meus dedos gritando

vejo-me rouca de sede

das leves águas do mar.

 

Nem descubro mais caminhos,

já nem sei também remar:

morreram meus marinheiros,

minha alma, deixei no mar.

 

Pudessem meus olhos vagos

ser ostras, rochas, luar,

ficariam como as algas

morando sempre no mar.

 

Que amargura em ser desertos!

Meu rosto a queimar, queimar,

Meus olhos se desmanchando

- roubados foram do mar.

No infinito me consumo:

acaba-se o pensamento.

No navegante que fui

sinto a vida se calar.

 

Meus antigos horizontes,

navios meus destroçados,

meus mares de navegar,

levai-me desses desertos,

deitai-me nas ondas mansas,

plantai meu corpo no mar.

Lá, viverei como as brisas.

Lá, serei pura como o ar.

Nunca serei nessas terras,

Que só existo no mar.

 

***

Zila Mamde (1928 - 1985)

Nova Palmeira - Paraíba (Brasil)



publicado por carlossilva às 02:38
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 16 de Dezembro de 2008
somos todos poetas

Assisto em mim a um desdobrar de planos.
as mãos vêem, os olhos ouvem, o cérebro se move,
A luz desce das origens através dos tempos
E caminha desde já
Na frente dos meus sucessores.
Companheiro,
Eu sou tu, sou membro do teu corpo e adubo da tua alma.
Sou todos e sou um,
Sou responsável pela lepra do leproso e pela órbita vazia do cego,
Pelos gritos isolados que não entraram no coro.
Sou responsável pelas auroras que não se levantam
E pela angústia que cresce dia a dia.

 

***

Murilo Mendes (1901-1975)
Juiz de Fora - Minas Gerais (Brasil)

 

 


lido em: Poesia em Pânico

publicado por carlossilva às 03:00
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 15 de Dezembro de 2008
amavisse

Como se te perdesse, assim te quero.
Como se não te visse (favas douradas
Sob um amarelo) assim te apreendo brusco
Inamovível, e te respiro inteiro

Um arco-íris de ar em águas profundas.

Como se tudo o mais me permitisses,
A mim me fotografo nuns portões de ferro
Ocres, altos, e eu mesma diluída e mínima
No dissoluto de toda despedida.

Como se te perdesse nos trens, nas estações
Ou contornando um círculo de águas
Removente ave, assim te somo a mim:
De redes e de anseios inundada.

 

***

Hilda Hist (1930 - 2004)
Jaú (Brasil)



publicado por carlossilva às 00:09
link do post | comentar | favorito

Domingo, 14 de Dezembro de 2008
as ondas

Entre as trêmulas mornas ardentias,
A noite no alto-mar anima as ondas.
Sobem das fundas úmidas Golcondas,
Pérolas vivas, as nereidas frias:

Entrelaçam-se, correm fugidias,
Voltam, cruzando-se; e, em lascivas rondas,
Vestem as formas alvas e redondas
De algas roxas e glaucas pedrarias.

Coxas de vago ônix, ventres polidos
De alabastro, quadris de argêntea espuma,
Seios de dúbia opala ardem na treva;

E bocas verdes, cheias de gemidos,
Que o fósforo incendeia e o âmbar perfuma,
Soluçam beijos vãos que o vento leva...

 

***

Olavo Bilac ( 1865 - 1918)

Rio de Janeiro (Brasil)



publicado por carlossilva às 00:54
link do post | comentar | favorito

Sábado, 13 de Dezembro de 2008
bilhete

Se tu me amas, ama-me baixinho
Não o grites de cima dos telhados
Deixa em paz os passarinhos
Deixa em paz a mim!
Se me queres,
enfim,
tem de ser bem devagarinho, Amada,
que a vida é breve, e o amor mais breve ainda...

 

***

Mário Quintana (1906 - 1994)

Alegrete (Rio de Janeiro)



publicado por carlossilva às 00:48
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 12 de Dezembro de 2008
desencanto

Eu faço versos como quem chora
De desalento... de desencanto...
Fecha o meu livro, se por agora
Não tens motivo nenhum de pranto.

Meu verso é sangue. Volúpia ardente...
Tristeza esparsa... remorso vão...
Dói-me nas veias. Amargo e quente,
Cai, gota a gota, do coração.

E nestes versos de angústia rouca
Assim dos lábios a vida corre,
Deixando um acre sabor na boca.

- Eu faço versos como quem morre.

 

***

Manuel Bandeira (1884-1968)

Recife (Brasil)



publicado por carlossilva às 00:40
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 11 de Dezembro de 2008
a uma senhora que me pediu versos

Pensa em ti mesma, acharás
Melhor poesia,
Viveza, graça, alegria,
Doçura e paz.


Se já dei flores um dia,
Quando rapaz,
As que ora dou têm assaz
Melancolia.


Uma só das horas tuas
Valem um mês
Das almas já ressequidas.


Os sóis e as luas
Creio bem que Deus os fez
Para outras vidas.

 

***

Machado de Assis (1839 - 1908)

Rio de Janeiro (Brasil)



publicado por carlossilva às 00:35
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 10 de Dezembro de 2008
questão de pontuação

Todo mundo aceita que ao homem
cabe pontuar a própria vida:
que viva em ponto de exclamação
(dizem: tem alma dionisíaca);

viva em ponto de interrogação
(foi filosofia, ora é poesia);
viva equilibrando-se entre vírgulas
e sem pontuação (na política):

o homem só não aceita do homem
que use a só pontuação fatal:
que use, na frase que ele vive
o inevitável ponto final.


***

João Cabral de Melo Neto (1920-1999)

Recife - Brasil



publicado por carlossilva às 00:14
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 9 de Dezembro de 2008
drama seco


O noivo desmanchou o casamento.
Que será da noiva – toma hábito
ou se consagra à renda de bilro para sempre?
Tranca-se ao jeito das viúvas trágicas.
O noivo fica noivo novamente,
de outra moça, em outra rua.
A noiva antiga que dirá
em seu quartinho negro, à hora em que...?
À hora em que
passar a pé
o noivo com
seu cortejo, braço dado a braço dado,
rumo da noiva nova,
diz-que da antiga casa de noivado
a água descerá, em punição.
Lá vai o cortejo
todo ressabiado,
terno noivo
terno novo
preto de medo,
vestido novo
branco de medo,
olho no medo
no céu da casa.
Todas as janelas secamente fechadas,
sequer uma lágrima
pinga na lapela do noivo.

 

***

Carlos Drummond de Andrade (1902-1987)

Itabira - Minas Gerais (Brasil)



lido em: Boitempo

publicado por carlossilva às 00:01
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
agenda
18 de abril 2013 19 de abril 2013
Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
14
15

18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

fogo e água

pára-me de repente o pens...

si digo mar

infância

trapo de voz representa o...

nana para gatos a punto d...

sou uma coluna crematória

dois poemas

nacín vello de máis

uelen

arquivos

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

a m pires cabral(4)

adelia prado(5)

adilia lopes(8)

al berto(6)

alba mendez(4)

albano martins(4)

alberte moman(8)

alberto augusto miranda(9)

alexandre teixeira mendes(11)

alfonso lauzara martinez(8)

alice macedo campos(13)

alicia fernandez rodriguez(5)

almada negreiros(4)

amadeu ferreira(8)

ana luísa amaral(6)

ana marques gastao(4)

andre domingues(5)

andreia carvalho(4)

antonio barahona(5)

antonio cabral(5)

antonio gedeao(5)

antonio ramos rosa(7)

anxos romeo(4)

ary dos santos(5)

augusto gil(4)

augusto massi(4)

aurelino costa(11)

baldo ramos(6)

bruno resende(5)

camila vardarac(9)

carlos drummond de andrade(5)

carlos vinagre(13)

cesario verde(4)

concha rousia(4)

cristina nery(5)

cruz martinez(9)

daniel filipe(5)

daniel maia - pinto rodrigues(4)

david mourão-ferreira(6)

elvira riveiro(8)

emma couceiro(4)

estibaliz espinosa(7)

eugenio de andrade(8)

eva mendez doroxo(8)

fatima vale(10)

fernando assis pacheco(4)

fernando pessoa(5)

fiamma hasse pais brandão(5)

florbela espanca(7)

gastão cruz(5)

helder moura pereira(4)

ines lourenço(6)

iolanda aldrei(4)

jaime rocha(5)

joana espain(10)

joaquim pessoa(4)

jorge sousa braga(6)

jose afonso(5)

jose carlos soares(4)

jose gomes ferreira(4)

jose luis peixoto(4)

jose regio(4)

jose tolentino mendonça(4)

jussara salazar(6)

luis de camoes(5)

luisa villalta(4)

luiza neto jorge(4)

maite dono(5)

manolo pipas(6)

manuel alegre(6)

manuel antonio pina(8)

maria alberta meneres(5)

maria do rosario pedreira(5)

maria estela guedes(7)

maria lado(6)

maria teresa horta(5)

marilia miranda lopes(4)

mario cesariny(5)

mia couto(8)

miguel torga(4)

nuno judice(8)

olga novo(17)

pedro ludgero(7)

pedro mexia(5)

pedro tamen(4)

raquel lanseros(9)

roberta tostes daniel(4)

rosa enriquez(6)

rosa martinez vilas(8)

rosalia de castro(6)

rui pires cabral(5)

sophia mello breyner andressen(7)

suzana guimaraens(5)

sylvia beirute(11)

tiago araujo(5)

valter hugo mae(5)

vasco graça moura(6)

virgilio liquito(5)

x. m. vila ribadomar(6)

yolanda castaño(10)

todas as tags

links
pesquisar
 
blogs SAPO
subscrever feeds