Sábado, 16 de Fevereiro de 2013
o pulsar das penas...

 

Quais penas incandescentes desapareceram

das pequenas ossadas emparedadas,

neste corpo roído de suposta bem-aventurança.

Que impedimento me falseia o voar pelas planícies,

já sulcadas,

se tais penas se mortificarão com o meu pulsar.

 

***

 

virgílio liquito

 

*


lido em: Sétimo andar

publicado por carlossilva às 14:23
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 22 de Fevereiro de 2012
a festa ainda não começara

 

"Volatilizaram-se as

Doidas quimeras,

Estoiram os "confetis".

Restam os despojos, cinzentos,

Com estes, pela velhice, farei deles

O meu vómito, a náusea, o asco

Que tenho pelo sentimento,

Emparedado dentro de mim."

 

***

 

virgílio liquito

 

*


lido em: dezaoito

publicado por carlossilva às 00:01
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 14 de Setembro de 2011
E o boi sofria...

 

E o primeiro orvalho caía,

pela madrugada o rouxinol tossia.

para lá da vidraça um pingo de amor tumultuava no rebordo da cama;

em baixo no curral, drenar-se-ia um rio leitoso de alegria

O boi gania...

Eo primeiro orvalho caía, pela alvorada,

já rouco, o rouxinal tossia.

Para lá da vidraça umas lamas de amor revolviam-se no rebordo da

cama...

 

Em baixo,

No curral,

drenava-se já um rio leitoso de alegria...

 

O boi, esse, já nem gemia...

 

***

 

virgílio liquito

 

*


lido em: Pegadas - Q de Vian Cadernos

publicado por carlossilva às 12:42
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 11 de Abril de 2011
que deus não nos liberte...

 

Que deus não nos liberte das crianças que almejamos ser
Concha, criança agrilhoada de todos os cristais eruptivos:
não admitirás quaisquer que sejam as tuas vidas nunca perdidas.
O deus pequeno, badalado, porque admite que o vendesses à prole, saberá recuar face à chama que exalas pela poesia, nem que te queime os estilhaços que te resta de coração.
Nem os claustros esses, te arrancariam do teu grito de liberdade, o qual bem cedo te acariciou, como estigma da tua única vida, sina tua vivida.
És um verbo, em vida, nunca pela puta despercebida de quinquilharias sentimentais, quais revoltas a tua intrínseca criança, já nascida, agarrada à terra amiga, que não te sepultará.
E nesse carril longo, de esperanças, que causas te obrigariam trabalhar a terra que não digerirá; que te permite, contudo, ciciar as palavras intrometidas que te ferem em momentos de interioridade; elas as ditas, jamais deixarão que te fines no coração de quem se drena pelo seu sangue, que te move como se fosses um criancinha, não desaparecida.

 

***

 

Virgílio Liquito

 

*


lido em: http://filo-cafes.blogspot.com/

publicado por carlossilva às 19:20
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 27 de Novembro de 2010
colagens, intuitivas

 

Claro, eu também semeei uma das raposas. De pálpebras cinzentas. Secas, mas luminosas. Há de facto vulcões de chuva micótica, que não alaga, a não ser uma das montanhas paridas, também pela minha raposa, cuja força estrafegou as cloacas de todos que infernam de obstipação, quiçá Redenta, qual força sepultará com terra a outra Raposa.

 

De facto, a redução ao nada, passará pelas cascas das ostras, de todos os emparedados. Nietzsche quase o entendia! Mas as orelhas cheiram o nosso odor, o Asco que Exaramos nas bordas peganhosas dos líquidos martelados.

 

Também borbulham os Paraísos silenciados. Caim tem sido nosso amigo do peito. Mata e fornica em nome do ceifado. E as sementeiras fazem "emanescer", nem sempre, o irreal.

 

Pois, o Plano erótico, o Inclinado, também, o Conta, nos crucifica, nas cruzetas da gosma ancestral. Provocam intermitências que obrigam a matérias.

 

São, por serem. E a linguagem, o linguajar, já tentou retirar a racha ao sol. O pescoço, na altura, foi servido pela língua, nem sempre o peixe se peida pela cabeça. Os cogumelos obrigaram as cabeças a aninhá-los, na curvatura da terra.

 

A Pele, essa fronteira, evita desmanchar o corpo. Que se transforma, nem sempre num timbre calibrante. Que atira para o espaço o gemido, nunca calculado.

 

Que momentos de tal Beijo, nunca Judas morto. Qual arfar transmite pelos trocadilhos, nem sempre húmidos, porém com bafos de línguas afiadas.

 

O vento, Incandescente, que trará tais supostos Espíritos Castrados, que não Indignam os Pensamentos Mórbidos, que empurram os corpos a Atravessae a Carne, a carne por vezes nunca dantes navegada.

 

E a Humidade cálida que sulfatiza relações. os Conceitos Secos, as sucuções que encolhem os corpos Equidistantes, agarrados à Vida.

 

***

virgílio liquito

porto, 1950

********************


lido em: Ex-Creta

publicado por carlossilva às 13:31
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
agenda
18 de abril 2013 19 de abril 2013
Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
14
15

18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

o pulsar das penas...

a festa ainda não começar...

E o boi sofria...

que deus não nos liberte....

colagens, intuitivas

arquivos

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

a m pires cabral(4)

adelia prado(5)

adilia lopes(8)

al berto(6)

alba mendez(4)

albano martins(4)

alberte moman(8)

alberto augusto miranda(9)

alexandre teixeira mendes(11)

alfonso lauzara martinez(8)

alice macedo campos(13)

alicia fernandez rodriguez(5)

almada negreiros(4)

amadeu ferreira(8)

ana luísa amaral(6)

ana marques gastao(4)

andre domingues(5)

andreia carvalho(4)

antonio barahona(5)

antonio cabral(5)

antonio gedeao(5)

antonio ramos rosa(7)

anxos romeo(4)

ary dos santos(5)

augusto gil(4)

augusto massi(4)

aurelino costa(11)

baldo ramos(6)

bruno resende(5)

camila vardarac(9)

carlos drummond de andrade(5)

carlos vinagre(13)

cesario verde(4)

concha rousia(4)

cristina nery(5)

cruz martinez(9)

daniel filipe(5)

daniel maia - pinto rodrigues(4)

david mourão-ferreira(6)

elvira riveiro(8)

emma couceiro(4)

estibaliz espinosa(7)

eugenio de andrade(8)

eva mendez doroxo(8)

fatima vale(10)

fernando assis pacheco(4)

fernando pessoa(5)

fiamma hasse pais brandão(5)

florbela espanca(7)

gastão cruz(5)

helder moura pereira(4)

ines lourenço(6)

iolanda aldrei(4)

jaime rocha(5)

joana espain(10)

joaquim pessoa(4)

jorge sousa braga(6)

jose afonso(5)

jose carlos soares(4)

jose gomes ferreira(4)

jose luis peixoto(4)

jose regio(4)

jose tolentino mendonça(4)

jussara salazar(6)

luis de camoes(5)

luisa villalta(4)

luiza neto jorge(4)

maite dono(5)

manolo pipas(6)

manuel alegre(6)

manuel antonio pina(8)

maria alberta meneres(5)

maria do rosario pedreira(5)

maria estela guedes(7)

maria lado(6)

maria teresa horta(5)

marilia miranda lopes(4)

mario cesariny(5)

mia couto(8)

miguel torga(4)

nuno judice(8)

olga novo(17)

pedro ludgero(7)

pedro mexia(5)

pedro tamen(4)

raquel lanseros(9)

roberta tostes daniel(4)

rosa enriquez(6)

rosa martinez vilas(8)

rosalia de castro(6)

rui pires cabral(5)

sophia mello breyner andressen(7)

suzana guimaraens(5)

sylvia beirute(11)

tiago araujo(5)

valter hugo mae(5)

vasco graça moura(6)

virgilio liquito(5)

x. m. vila ribadomar(6)

yolanda castaño(10)

todas as tags

links
leitores
pesquisar
 
visitas
Free counter and web stats
blogs SAPO
subscrever feeds