Segunda-feira, 21 de Maio de 2012
(sábado)

 

a manhã ainda pode ser salva se o tempo

mudar ou o café forte quebrar o vidro entre o som

e o sentido destas frases que recito em jejum

de um jornal atrasado. dormi mais do que o habitual,

entre papéis e o som distante do telefone,

um despertador absorvido pelo sonho, ao acordar não

consegui ler nas folhas do chá de ontem, despejado frio

pela banca da cozinha, o que farei com os restos de liberdade

que me sobraram do dia anterior.

 

na infância ensinaram-me como é perigoso

acordar um sonâmbulo, lição que tenho

aplicado de forma exemplar em relação a mim próprio.

o equilíbrio entre os dias e as noites foi-se alterando

de modo progressivo. ouço ao longe,

pela janela aberta, os sons do

carnaval do notting hill, um sinal de que o

verão terminou. queimo os cravos da mão esquerda, a mão

cega que não tem recebido todo o prazer ou o

reconhecimento que merece. chove.

 

e é tudo, descrição sem análise, na luz filtrada

de um dia em que se morre mais lentamente que nos anteriores.

daqui a pouco sairemos para as ruas de comércio, cais

onde se vão saudar paquetes

que já partiram, nas tardes de sábado, para nos perdermos

entre o ruído e o excesso de informação que

caracterizam o século vinte e um, sem

que ninguém repare que saí à rua sem o desejo vestido.

 

a cidade deixou de ser um mapa e, passado um ano, leio o nome das ruas

como quem incendeia os barcos à chegada a terra

para não ter forma de regressar a casa.

 

***

 

tiago araújo

 

*


lido em: resumo: a poesia em 2011

publicado por carlossilva às 13:36
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 11 de Dezembro de 2011
(gritar lobo)

 

continuei a regressar ao lugar onde me habituei a grotar lobo até muito depois

de teres deixado de ir em meu auxílio. o inverno foi rigoroso, as espécies do

medo extintas com cobertores e alguma companhia - com uma presença

recuada, sobreviveu apenas essa falta de jeito adolescente que aprendemos a

dissimular por motivos profissionais. antigos uniformes militares desenhados

com cores primárias, listas com números de telefone, mapas, tudo o que a

memória imediata atirou um dia para o interior de pequenas caixas, à espera de

catalogação, descrição, esquecimento. esta noite venho dizer-te que encontrei o

santo e a senha escritos no verso de um bilhete de autocarro, mas não a tua

morada. já ninguém vive nas mesmas ruas passados tantos anos e a luz amarela

e suja de uma lâmpada nua balança sobre um jogo de cartas deixado a meio.

nessa época, só nos rendíamos a quem não nos queria vencer. sei que haveria

uma lição a retirar de tudo isto, mas prefiro acusar-te de falta de resistência

num jogo que um de nós poderia ter ganho, mas ambos perdemos.

 

***

 

tiago araújo

 

*

 

 


lido em: Publico

publicado por carlossilva às 09:28
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 17 de Maio de 2011
(sj-06)

 

as formas de conhecer-te são só duas

ou três; esta é a que demora mais tempo.

a chuva parou e continuamos distraídos neste

amor de cabotagem, nunca demasiado

longe ou perto da carne e dos órgãos que uma

abóbada de ossos protege. cumprimos

a liturgia das horas, repetida sem convicção ou

eficácia, e por vezes as palavras começam

a fazer sentido, como os gestos com que

te aproximo de mim, com uma só mão

e algum sono. uma navegação lenta,

familiar e confortável, porque

essa é a melhor forma de te conhecer

os dedos e o modo como os usas

para fazer tranças às horas, como quem

tece cabelos ou desfia um rosário

sem murmúrios, apenas a técnica de rodar

terços e mistérios no fundo da mão

para entreter os pretendentes e 

esperar que eu regresse das longas

viagens - dez anos de cada vez - 

em que me ausento sem sair de casa.

esta tarde estive em Lisboa e trago-te maçãs

vermelhas de uma mercearia da rua dos Lusíadas,

com as quais tenciono adormecer-te (como

na história que contamos todas as noites), porque

é essa a única forma de te conhecer

os medos e interpretar os sonhos, escrever

ao teu lado, enquanto dormes, a lista

das tarefas diárias com que nos ocupamos a

matar o tempo.

 

***

 

tiago araújo

 

*


lido em: resumo a poesia em 2010

publicado por carlossilva às 01:02
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 25 de Abril de 2010
o lugar do morto

 

ao teu lado, no lugar do morto, enquanto

conduzes a conversa a uma frase sem

preparação. chegámos tarde à praia,

como a quase tudo. o vento levanta o

pó do parque de estacionamento e não

saímos do carro. não sei a resposta certa

e por isso represento mal o meu papel secundário,

limito-me a ficar em silêncio, onde

sempre me senti mais confortável.

um lugar sombrio, discreto, abrigado

e ainda assim, segundo dizem, o mais perigoso.

 

***

 

tiago araújo

 

 

*****************


lido em: resumo - a poesia em 2009

publicado por carlossilva às 15:56
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 18 de Novembro de 2008
sj-01

enquanto dormias coloquei o teu corpo sobre o mar

e atravessei o quarto e um pequeno-almoço de laranjas junto à

janela

e de jornais pelo chão

pelo corredor

enquanto o teu corpo continuava a boiar

sobre a cama.

os órgãos

mantêm o corpo na linha espelhada da superfície

no equilíbrio entre os pulmões que querem regressar ao ar de

que são feitos e o coração

que é de água e quer mergulhar

arrastando tudo para as profundezas do mar e da consciência.

enquanto dormias despenharam-se

três cometas sobre o estuário do rio

revolvendo as águas

(talvez fosse eu que boiasse e tu que me

observasses do cimo das águas e através da linha de mercúrio).

e resolvi partir

para fundar outra cidade.

uma intuitiva lei de equivalências transporta-me

do ondular do teu peito para a respiração do mar

no teu corpo adormecido.

onde o nosso filho que é ainda apenas

um plano feito ao jantar

com os pratos já vazios e os talheres faiscando prata entre restos de comida

cresce erguendo abóbadas sobre o lago em que se banha

dormindo no equilíbrio das águas.

são os teus pulmões que nos têm mantido à tona,

na superfície do espelho que

não pertence a nenhum dos mundos a que serve de barreira

de refúgio.

enquanto dormias regressei

para te ver dormir.

 

***

Tiago Araújo (1973)


lido em: Fórmulas

publicado por carlossilva às 02:30
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
agenda
18 de abril 2013 19 de abril 2013
Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
14
15

18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

(sábado)

(gritar lobo)

(sj-06)

o lugar do morto

sj-01

arquivos

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

a m pires cabral(4)

adelia prado(5)

adilia lopes(8)

al berto(6)

alba mendez(4)

albano martins(4)

alberte moman(8)

alberto augusto miranda(9)

alexandre teixeira mendes(11)

alfonso lauzara martinez(8)

alice macedo campos(13)

alicia fernandez rodriguez(5)

almada negreiros(4)

amadeu ferreira(8)

ana luísa amaral(6)

ana marques gastao(4)

andre domingues(5)

andreia carvalho(4)

antonio barahona(5)

antonio cabral(5)

antonio gedeao(5)

antonio ramos rosa(7)

anxos romeo(4)

ary dos santos(5)

augusto gil(4)

augusto massi(4)

aurelino costa(11)

baldo ramos(6)

bruno resende(5)

camila vardarac(9)

carlos drummond de andrade(5)

carlos vinagre(13)

cesario verde(4)

concha rousia(4)

cristina nery(5)

cruz martinez(9)

daniel filipe(5)

daniel maia - pinto rodrigues(4)

david mourão-ferreira(6)

elvira riveiro(8)

emma couceiro(4)

estibaliz espinosa(7)

eugenio de andrade(8)

eva mendez doroxo(8)

fatima vale(10)

fernando assis pacheco(4)

fernando pessoa(5)

fiamma hasse pais brandão(5)

florbela espanca(7)

gastão cruz(5)

helder moura pereira(4)

ines lourenço(6)

iolanda aldrei(4)

jaime rocha(5)

joana espain(10)

joaquim pessoa(4)

jorge sousa braga(6)

jose afonso(5)

jose carlos soares(4)

jose gomes ferreira(4)

jose luis peixoto(4)

jose regio(4)

jose tolentino mendonça(4)

jussara salazar(6)

luis de camoes(5)

luisa villalta(4)

luiza neto jorge(4)

maite dono(5)

manolo pipas(6)

manuel alegre(6)

manuel antonio pina(8)

maria alberta meneres(5)

maria do rosario pedreira(5)

maria estela guedes(7)

maria lado(6)

maria teresa horta(5)

marilia miranda lopes(4)

mario cesariny(5)

mia couto(8)

miguel torga(4)

nuno judice(8)

olga novo(17)

pedro ludgero(7)

pedro mexia(5)

pedro tamen(4)

raquel lanseros(9)

roberta tostes daniel(4)

rosa enriquez(6)

rosa martinez vilas(8)

rosalia de castro(6)

rui pires cabral(5)

sophia mello breyner andressen(7)

suzana guimaraens(5)

sylvia beirute(11)

tiago araujo(5)

valter hugo mae(5)

vasco graça moura(6)

virgilio liquito(5)

x. m. vila ribadomar(6)

yolanda castaño(10)

todas as tags

links
leitores
pesquisar
 
visitas
Free counter and web stats
blogs SAPO
subscrever feeds