Terça-feira, 29 de Janeiro de 2013
amma

 

No pretérito éramos perfeitos.

O Espírito Santo – uma anguiforme mulher incandescente com imensos seios e vários braços com corações
: existências em libações de vinho e mel e afectuosas efervescências líquidas.
Sub-repticiamente dúbios necrotérios alojaram-se nos nossos prédios
e assédios de estranhas pombas brancas
substituíram o sinal do coração pelo sinal da cruz.

Então, inválido de nascença, invadiu o [crédito]. do relógio. das chaves. do carro. da casa. das cruzes de ouro. do ginásio. do crédito – o [crédito].
Imperfeitamente atávicos, voltámos a a-creditar
; alheios aos genes, aos anjos, ao carimbo das Plêiades, à fotossíntese, ao livre arbítrio.
E aprendemos, noutros imóveis, a rezar à medicina imperfeita, não raras vezes,
a [crédito].
Por vezes, porque se paga a pronto, alguns vão às cartas, em vez de irem às putas, mas o Tarot (com todo o respeito) nem sempre nos alcança ou nós a ele…
Mas, que Buda é um jacto de endorfinas, é.

 

***

 

suzana guimaraens

 

*


lido em: paradox.sou

publicado por carlossilva às 08:05
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 28 de Maio de 2012
índice ecmenésio

 

Antes de me afastar demasiado de mim

Apurei-nos, em toda a geistória, este momento

: as pétalas sacrificiais de Santa Teresinha, a água com sal para os pés.

Incensários volatilizam o verso sesquipedal

Em heréticas viagens iconoclastas e cristalinos vómitos de alma&lama.

As fontes? A autobiografia de setenta e dois anjos, nove livros perdidos da Lemuria e da

Atlântida, cem queimados da Alexandria e da Inquisição,

Dez que ainda não se escreveram, doze que jamais saberei.

Heterodoxas paráfrases de amor e medo, parábases hardcorïf

Amalgamadas locuções desensarilhantes, metáforas metabolizantes

Atónitas tautologias ab aeternum, catóptricas sub-atómicas fórmulas de porvir

(de quem vive no meio sem estar em pré-determinada direcção)

Fátima desvendada intra-molecularmente e o diabo uma fada inter-galáctica

Premissas pseudo-parabolóides, diasporizantes, emigrantes de mim

Metamorfoses sonambúlicas, teorias do caos e súbitas cosmogonias

Subtis pitadas da minha própria cinza

- da mão, do abraço, do UM BIG O

; porque já soube a minha idade; porque sinto a dor, mas não a sou

;porque estou e não estou

Serôdias análises combinatórias: AAM MAA AMA MMA…

Uploads via oral, turbinas de deslembranças, ternas voragens.

 

E a haver culpa deste apetite, é da policromia dos meus irmãos de [ser]

Das tascas e dos restaurantes fusion gourmet onde me levam

- juntos somos “a escada em espiral que se afunda e se eleva”

A confluência de [três rios], incertos mundos paralelos

A faculdade de descrever o oximoro, todas as Faculdades

Nascentes de promessas que curam e que matam.

Nós e o Silêncio

Inervados no circuito micromacrocósmico, incubadoras de nada e tudo

Transportamos a babel heptagonal na metodologia do Infinito.

Os pés que continuem imersos. Talvez estejamos na iminência de algo:

 

***

 

suzana guimaraens

 

*


lido em: paradox.sou

publicado por carlossilva às 11:46
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 21 de Novembro de 2010
descansar as asas

 

Resolvo parar num sítio não muito alto

para descansar as asas

e observar tudo mais de perto.

 

Agora estou aqui,

parada;

agora aqui, voando [voando o aqui comigo].

 

- Hoje é assim: ligeiramente diferente dos dias em que me veste um Bando.

 

***

suzana guimaraens

 

*****************

 


lido em: paradox.sou

publicado por carlossilva às 21:22
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 12 de Maio de 2010
23:23

 

De pé, ofegante, apareci à ponta do passadiço, perpendicular à praia.
Entranhei-me, paulatinamente, no areal até às espumas e às estrelas espremidas,
sem luar à vista.

Em flash, evoquei como em criança (e ainda adolescente),
durante a viagem da manhã de autocarro para a escola,
me apetecia abraçar toda a paisagem que os olhos conseguissem alcançar
e tinha vergonha que me lessem os sentimentos naquele mirar aéreo e excessivo.

Lá, no passadiço, não foi a minha pequenez,
face à (in)finidade daquele oceano e firmamento,
que me resgatou
: foram as respirações completas [simultâneas] com tudo o que ali respirava.
Imissa e simbiótica respirava.

Reergui-me
– Órgão da Paz –
perplexa, diáfana, incomensurável,
muito além das traves de madeira que pareciam suster-me os pés.

E devo ter sido feliz, porque não tenho memória de SER tão inteiramente livre,
livre até de mim,
sobretudo quando, subitamente, compreendi que aquele
Silêncio
de brisa em brandas ondas nocturnas e aromas a flora de dunas primaveris
era, afinal, tão importante e pleno de budeidade
como o trash-metal, a bombar toda a tarde, do meu vizinho do 1º andar.

 

***

 

suzana guimaraens

 

*******************


lido em: http://aalmaemcoisas.blogspot.com/

publicado por carlossilva às 11:31
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 19 de Janeiro de 2010
sem título

 

Simon est mort
Simon está muerto
Simon is dead
e não terá sido inédito: leucemia rimou com pneumonia
enquanto ele ia; todavia, não devia, que bem o sabia
porque a saudade da companhia certa faz, por vezes, tocar à campainha errada
e parecem meras letras escritas em cima da cabeça,
porém é essa a ilusão


e os corrompidos até poderão esfregar as mãos pelo seu pretenso silêncio
e o cabelo dela ainda ondular no ar depois desse gesto hierático
– como um berilo –
e até o teclado apoderar-se do pó e da cinza,
mas é a saga da ilusão
porque os corrompidos não entenderam que o seu rouge é de longa duração
(como as pilhas de alguns gatos)
assim como não compreenderam que
a liberdade foi a prenda que ele se ofereceu neste Natal
e a ela
uma liberdade por embrulhar
por ser [demasiado exacta]
daquelas que aliciam a continuar jornadas
na sua pretensa ausência
para que ela acreditasse na presença deles
e na nossa
bem como nestas palavras


: que ele sempre soube que ninguém precisava de ninguém para se proteger,
mas havia palavras por dizer que foram ditas
– como águas-marinhas –
palavras que fizeram vidas
e mais palavras que atestaram outras
que irão continuar
e agora
Simão morreu,
mas não é a morte:
“é a vida!”
e a vida não é [Coisa] para se chorar

 

***

 

Suzana Guimaraens

 

 

Porto

 

********************************

 




lido em: http://aalmaemcoisas.blogspot.com

publicado por carlossilva às 11:40
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
agenda
18 de abril 2013 19 de abril 2013
Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
14
15

18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

amma

índice ecmenésio

descansar as asas

23:23

sem título

arquivos

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

a m pires cabral(4)

adelia prado(5)

adilia lopes(8)

al berto(6)

alba mendez(4)

albano martins(4)

alberte moman(8)

alberto augusto miranda(9)

alexandre teixeira mendes(11)

alfonso lauzara martinez(8)

alice macedo campos(13)

alicia fernandez rodriguez(5)

almada negreiros(4)

amadeu ferreira(8)

ana luísa amaral(6)

ana marques gastao(4)

andre domingues(5)

andreia carvalho(4)

antonio barahona(5)

antonio cabral(5)

antonio gedeao(5)

antonio ramos rosa(7)

anxos romeo(4)

ary dos santos(5)

augusto gil(4)

augusto massi(4)

aurelino costa(11)

baldo ramos(6)

bruno resende(5)

camila vardarac(9)

carlos drummond de andrade(5)

carlos vinagre(13)

cesario verde(4)

concha rousia(4)

cristina nery(5)

cruz martinez(9)

daniel filipe(5)

daniel maia - pinto rodrigues(4)

david mourão-ferreira(6)

elvira riveiro(8)

emma couceiro(4)

estibaliz espinosa(7)

eugenio de andrade(8)

eva mendez doroxo(8)

fatima vale(10)

fernando assis pacheco(4)

fernando pessoa(5)

fiamma hasse pais brandão(5)

florbela espanca(7)

gastão cruz(5)

helder moura pereira(4)

ines lourenço(6)

iolanda aldrei(4)

jaime rocha(5)

joana espain(10)

joaquim pessoa(4)

jorge sousa braga(6)

jose afonso(5)

jose carlos soares(4)

jose gomes ferreira(4)

jose luis peixoto(4)

jose regio(4)

jose tolentino mendonça(4)

jussara salazar(6)

luis de camoes(5)

luisa villalta(4)

luiza neto jorge(4)

maite dono(5)

manolo pipas(6)

manuel alegre(6)

manuel antonio pina(8)

maria alberta meneres(5)

maria do rosario pedreira(5)

maria estela guedes(7)

maria lado(6)

maria teresa horta(5)

marilia miranda lopes(4)

mario cesariny(5)

mia couto(8)

miguel torga(4)

nuno judice(8)

olga novo(17)

pedro ludgero(7)

pedro mexia(5)

pedro tamen(4)

raquel lanseros(9)

roberta tostes daniel(4)

rosa enriquez(6)

rosa martinez vilas(8)

rosalia de castro(6)

rui pires cabral(5)

sophia mello breyner andressen(7)

suzana guimaraens(5)

sylvia beirute(11)

tiago araujo(5)

valter hugo mae(5)

vasco graça moura(6)

virgilio liquito(5)

x. m. vila ribadomar(6)

yolanda castaño(10)

todas as tags

links
leitores
pesquisar
 
visitas
Free counter and web stats
blogs SAPO
subscrever feeds