Sábado, 19 de Janeiro de 2013
cor-de-burro-quando-foge

 

Qual a diferença

Entre cor de velho e cor de adolescente?

Escreveu-me a divindade certo dia

E eu, que nem fósforos colecionava,

Mas tinha ainda a tonalidade juvenil,

Recortei a divina rubrica

Destruindo assim o seu valor e o da missiva.

Era uma carta a Mário Cesariny.

 

Ali nos banhávamos, em letras de luz narcísica;

O ego resplandecente e muito maior que rã

De fábula.

Os girassóis debruçados das orelhas de Van Gogh

Estremeciam como lustres incendiados.

E agora vamos cor-de-burro-quando-foge

Cor-de-noite-quando-chega

Mal acompanhada,

Vamos indo cada vez mais para norte

Para as pradarias de neve

Pintar a merda da morte.

 

***

 

maria estela guedes

 

*


lido em: Geisers

publicado por carlossilva às 08:19
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 24 de Junho de 2011
dom são sebastião: os espinhos

 

Regressas... é a hora, agora.

De um ofício de corpo presente?

Por te amar in absentia

O peito me cobriram de sangue

Os sagitários romanos.

Sebastião, meu Sebastião!

 

Nas areias deste areal contas

Pelo rosário que te rezo

Com Deus à escutas nas ondas

Lendas de monstros meninos...

Cruel o nosso fado! A tua virgindade

Coroa o meu pénis com espinhos.

Porque eu sou o grande mar Atlântico

Desejo que por vagas nos conduz

Aos cimos do amor que te tenho...

Eu sou o que às Portas de Hércules se tetém

O nome saboreando à oliva e ao figo seco

Para te amar aqui, além de Além.

 

***

 

maria estela guedes

 

*


lido em: geisers

publicado por carlossilva às 15:39
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 24 de Maio de 2011
mãe gaia

 

 

Sento-me na varanda

quando são de seda

as tardes de Verão.

A cadeira balouçante na brisa,

perdidos os olhos, a memória e os sentidos

no perfil azul-sombrio da Serra do Marão.

 

Contudo,

terra minha mais do que Maranus

e Britiande, em Lamego,

é Gaia, a biosfera,

lápis-lazúli de ânsia

em que vogam, gigantes,

as Victoria regia das estrelas.

 

E mais terra ainda do que essas

é a secura desta falta de sementes

amara duna

o nada florir a nascente

além da vinha e dos pomares

como reconhecida cultura.

 

Vai morrendo lentamente a esperança

e sei que somos nós o parasita

terra que à terra volveremos

sem o bombom de um novo ab initio.

 

Numa qualquer tarde sem ar limpo

nem límpida transfusão da luz

pela vidraça de fumo atmosfera

mergulharemos no nada como o precipício

em que se aterra sob o seu próprio peso

o céu outrora anil-olímpico

agora da saudade o xaile verde.

Do pó ao pó – eis a Terra.

 

***

 

maria estela guedes

 

*


lido em: risco da terra

publicado por carlossilva às 15:14
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 15 de Maio de 2010
dom são sebastião: as rendas

Todo o meu apelo vai nas ondas
E pelas ondas vem a tua voz chamar-me
À praia do Tamariz
Se quebram leves rendas à roda do pescoço
Beijam-te o rosto de flor de lis.
É tão grande o desejo como o mar.
O Atlântico atrai para o deserto
Onde sem lápide hás de jazer reinando
Per saecula saeculorum
Sem Amen na prece a rematar.
Santo, eu, per saecula saeculorum
Ficarei rezando. Amo-te, Sebastião,
Ó flor imarcescível!
Meu cavaleiro da noite, meu lençol de esperma
Coalhado, em que estrelas choram por seres tão casto.
Olha que mais rebelde à morte, mais que tu, rei herói,
Sou eu, Sebastião, que não fui rei nem casto
Mas que sou soldado, gay e corajoso mártir.

 

***

 

maria estela guedes

 

(britiande - lamego, 1947)

 

*******************************


lido em: geisers

publicado por carlossilva às 11:10
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 21 de Novembro de 2009
cala-te!

 

A vida, esse livro do ser
Lê-se em silêncio.
Mestre, oficia o rito
Que eu apenas respondo ao salmo,
E no resto
Nem respiro.

 

O silêncio é uma arma de três gumes
Que usamos diariamente
Para calar amarguras
Ou saltando como pumas:
Cala-te! Porque não te calas?

 

A vida, esse livro do ser
Lê-se em silêncio. 

 

E a outros, se falam, um punhal
Corta sem hesitar a garganta:
Ou silêncio ou morte!
Não o sabias? Então de que te espantas? 

 

Nada incomoda mais que as ciciantes
Preces, as dos que querem ser lidos
Como revistas de moda,
As dos que sabem tudo, tudo censuram,
A todos desautorizam, em altos gritos  de arara. 

 

Cala-te! Porque não te calas, charlatão? 

 

Silêncio, que estou a cantar o fado…
Muito barulho fazeis por coisa de nada
E nada em boa justiça se aplica
Aos que bem mereciam a cadeia. 

 

Nem é a autoridade dos que governam impérios
Com a pressão das armas e do dinheiro
A que mais nos ofende com censura
Sim o seu miniatural espelho
De quem nenhuma obra ousou,
Além de poluir o silêncio com mentira.
À luz da nossa vida pessoal, quem mais nos cala
É quem está mais próximo
Mas esse, porque proclama sem cadeira,
Feitos nem actos,
Por excessiva frioleira, mandemo-lo calar
Pois pouco existe, é só fala-barato. 

 

Abençoados os que se calam
A ouvir.
É preciso sabedoria para reconhecer
Que ignoramos
E que outros no seu dizer
Revelam alguma mestria. 

 

Falem-me em silêncio, na língua da erva
Ou na mais cantarolante dos regatos
E das aves que fazem estrugir as folhas secas
Quando as fêmeas se enamoram
Ao ver as danças dos machos. 

 

A vida, esse livro tremendo,
Representa-se devagar,
Em cenário nocturno
Cortado pelo brilho da lua e pelo
Visionar da coruja.
Mais nada é preciso para tocar o astro
Excepto silêncio e cordura.

 

***

Maria Estela Guedes

 

******************************

 



publicado por carlossilva às 13:47
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 3 de Outubro de 2009
estudos de cor: dores RGB

 

As dores da minha amiga sabem a loas:

Em torno de Saturno - o velho deus que se agarra

Ao bordão sobraçando um vaso de ouro - Giram loucas.

E ela, feita elegia ardente,

crepita e em faúlhas de yellow, green, blue,

Red, white, cyan & magenta. A seguir, morre.

E logo brota, crioula.

 

***

Maria Estela Guedes

 

*************************************

 


lido em: geisers

publicado por carlossilva às 12:36
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 29 de Julho de 2009
cmyk

 

O bom amigo das cores

Chora pérola e carmim. Não conhece a laurissilva

Nada sabe do alecrim. Ideou uma catedral

A deuses policromados

Em custódias de âmbar mole

& graais de azul-sulfato. Nada em chávenas

Turquesa com peixes azul-de-prússia;

O corpo ondulante e opala

Desmaia em brancuras de marquesa.

Cobre a cabeça aos deuses

Com elmo cúpreo-acintoso. Emite azul, amarelo

& preto - ais da calda bordalesa.

O meu grande amor opaco

Chora em palco de corais

& eu limpo-lhe a cara com os dedos

Vermelhos de cochinilha. Deus do azul, do

Amarelo & da juvenil verdura

Com que tantas mantas de pintam,

Ele é de+cor por ser gramado.

 

***

Maria Estela Guedes

Britiande (Lamego) - 1947
 

*************************************

 

 


lido em: Geisers

publicado por carlossilva às 01:19
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
agenda
18 de abril 2013 19 de abril 2013
Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
14
15

18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

cor-de-burro-quando-foge

dom são sebastião: os esp...

mãe gaia

dom são sebastião: as ren...

cala-te!

estudos de cor: dores RGB

cmyk

arquivos

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

a m pires cabral(4)

adelia prado(5)

adilia lopes(8)

al berto(6)

alba mendez(4)

albano martins(4)

alberte moman(8)

alberto augusto miranda(9)

alexandre teixeira mendes(11)

alfonso lauzara martinez(8)

alice macedo campos(13)

alicia fernandez rodriguez(5)

almada negreiros(4)

amadeu ferreira(8)

ana luísa amaral(6)

ana marques gastao(4)

andre domingues(5)

andreia carvalho(4)

antonio barahona(5)

antonio cabral(5)

antonio gedeao(5)

antonio ramos rosa(7)

anxos romeo(4)

ary dos santos(5)

augusto gil(4)

augusto massi(4)

aurelino costa(11)

baldo ramos(6)

bruno resende(5)

camila vardarac(9)

carlos drummond de andrade(5)

carlos vinagre(13)

cesario verde(4)

concha rousia(4)

cristina nery(5)

cruz martinez(9)

daniel filipe(5)

daniel maia - pinto rodrigues(4)

david mourão-ferreira(6)

elvira riveiro(8)

emma couceiro(4)

estibaliz espinosa(7)

eugenio de andrade(8)

eva mendez doroxo(8)

fatima vale(10)

fernando assis pacheco(4)

fernando pessoa(5)

fiamma hasse pais brandão(5)

florbela espanca(7)

gastão cruz(5)

helder moura pereira(4)

ines lourenço(6)

iolanda aldrei(4)

jaime rocha(5)

joana espain(10)

joaquim pessoa(4)

jorge sousa braga(6)

jose afonso(5)

jose carlos soares(4)

jose gomes ferreira(4)

jose luis peixoto(4)

jose regio(4)

jose tolentino mendonça(4)

jussara salazar(6)

luis de camoes(5)

luisa villalta(4)

luiza neto jorge(4)

maite dono(5)

manolo pipas(6)

manuel alegre(6)

manuel antonio pina(8)

maria alberta meneres(5)

maria do rosario pedreira(5)

maria estela guedes(7)

maria lado(6)

maria teresa horta(5)

marilia miranda lopes(4)

mario cesariny(5)

mia couto(8)

miguel torga(4)

nuno judice(8)

olga novo(17)

pedro ludgero(7)

pedro mexia(5)

pedro tamen(4)

raquel lanseros(9)

roberta tostes daniel(4)

rosa enriquez(6)

rosa martinez vilas(8)

rosalia de castro(6)

rui pires cabral(5)

sophia mello breyner andressen(7)

suzana guimaraens(5)

sylvia beirute(11)

tiago araujo(5)

valter hugo mae(5)

vasco graça moura(6)

virgilio liquito(5)

x. m. vila ribadomar(6)

yolanda castaño(10)

todas as tags

links
leitores
pesquisar
 
visitas
Free counter and web stats
blogs SAPO
subscrever feeds