Quinta-feira, 1 de Novembro de 2012
ruínas

 

Por onde quer que tenha começado,

pelo corpo ou pelo sentido,

ficou tudo por fazer, o feito e o não feito,

como num sono agitado interrompido.

 

O teu nome tinha alturas inacessíveis

e lugares mal iluminados onde

se escondiam animais tímidos que só à noite se mostravam

e deveria talvez ter começado por aí.

 

Agora é tarde, do que podia

ter sido restam ruínas;

sobre elas construirei a minha igreja

como quem, ao fim do dia, volta a uma casa.

 

***

 

manuel antónio pina

 

*


lido em: Todas aspoesia reunida Palavras -

publicado por carlossilva às 01:58
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 20 de Outubro de 2012
o medo

 

Ninguém me roubará algumas coisas,
nem acerca de elas saberei transigir;
um pequeno morto morre eternamente
em qualquer sítio de tudo isto.

É a sua morte que eu vivo eternamente
quem quer que eu seja e ele seja.
As minhas palavras voltam eternamente a essa morte
como, imóvel, ao coração de um fruto.

Serei capaz
de não ter medo de nada,
nem de algumas palavras juntas?

 

***

manuel antónio pina

 

1943 -2012

 

*


lido em: http://www.citador.pt/poemas/o-medo-manuel-antonio-pina

publicado por carlossilva às 00:01
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 19 de Outubro de 2012
Poesi...

daqui: webcedário


lido em: https://www.facebook.com/webcedario

publicado por carlossilva às 21:57
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 9 de Abril de 2011
m., a última palavra

 

Entre restos de vida passada

refugiava-se o coração de cada um de nós no seu covil,

uma gota de sangue, pequeno vitral de reflexos coloridos,

na orelha de M., a pistola no chão perto da mão, ainda quente a pistola.

 

O que quer que tivesse acontecido

fora em sítios inacessíveis às notícias dos jornais

e aos flashes das máquinas fotográficas

voando agora como aves cegas à sua volta.

 

Um grande mutismo cobrira tudo

gelando os nossos passos e o que disséssemos

ainda antes de pronunciado;

percebia-se, de quem sempre quis ter a última palavra.

 

Não se percebia era a falta de uma explicação ou de um sinal

(ao menos um sinal justificar-se-ia dadas as circunstâncias),

apenas um botão do casaco mal abotoado,

provavelmente sugerindo alguma impaciência.

 

***

manuel antónio pina

 


lido em: Público

publicado por carlossilva às 16:53
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 15 de Outubro de 2009
esplanada

 

Naquele tempo falavas muito de perfeição,

da prosa dos versos irregulares

onde cantam os sentimentos irregulares.

Envelhecemos todos, tu, eu e a discussão,

 

agora lês saramagos & coisas assim

e eu já não fico a ouvir-te como antigamente

até um sítio escuro dentro de mim.

 

O café agora é um banco, tu professora do liceu;

Bob Dylan encheu-se de dinheiro, o Che morreu.

Agora as tuas pernas são coisas úteis, andantes,

e não caminhos por andar como dantes.

 

***

Manuel António Pina

 

******************************

 

 



publicado por carlossilva às 03:15
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 11 de Junho de 2009
na hora do silêncio supremo

... knowledge is but oblivion...

 

Não haveria roubo, e há só o roubo,

há só a música, é lá quew tudo ondeia...

Já li tudo, já fiz tudo (quem?).

Regresso, pois, à minha solidão.

 

Ouvir-me-eis até ao infinito.

Nós só falamos para nós próprios

e o tempo não existe, nem os outros.

 

Porque está tudo paradoe aquele que escreve

é também eternamente escrito.

O seu passado é o Futuro de tudo,

ele a sombra de tudo o que há-de vir.

 

***

Manuel António Pina


*******************************

 



publicado por carlossilva às 02:34
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 4 de Outubro de 2008
amor como em casa

Regreso devagar ao teu

sorriso como quem volta a casa. Faço de conta que

nãp é nada comigo. Distraído percorro

o caminho familiar da saudade,

pequeninas coisas me prendem,

uma tarde num café, um livro. Devagar

te amo e às vezes depressa,

meu amor, e às vezes faço coisas que não devo,

regresso devagar a tua casa, compro um livro, entro no

amor como em casa.

 

***

Manuel António Pina (1943)



publicado por carlossilva às 00:01
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 13 de Julho de 2008
agora é

 
 
Agora é diferente
Tenho o teu nome o teu cheiro
A minha roupa de repente
ficou com o teu cheiro

Agora estamos misturados
No meio de nós já não cabe o amor
Já não arranjamos
lugar para o amor

Já não arranjamos vagar
para o amor agora
isto vai devagar
isto agora demora

***

Manuel António Pina (1943)
Sabugal (Portugal)


lido em: Poesia Reunida

publicado por carlossilva às 00:01
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
agenda
18 de abril 2013 19 de abril 2013
Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
14
15

18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

ruínas

o medo

Poesi...

m., a última palavra

esplanada

na hora do silêncio supre...

amor como em casa

agora é

arquivos

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

a m pires cabral(4)

adelia prado(5)

adilia lopes(8)

al berto(6)

alba mendez(4)

albano martins(4)

alberte moman(8)

alberto augusto miranda(9)

alexandre teixeira mendes(11)

alfonso lauzara martinez(8)

alice macedo campos(13)

alicia fernandez rodriguez(5)

almada negreiros(4)

amadeu ferreira(8)

ana luísa amaral(6)

ana marques gastao(4)

andre domingues(5)

andreia carvalho(4)

antonio barahona(5)

antonio cabral(5)

antonio gedeao(5)

antonio ramos rosa(7)

anxos romeo(4)

ary dos santos(5)

augusto gil(4)

augusto massi(4)

aurelino costa(11)

baldo ramos(6)

bruno resende(5)

camila vardarac(9)

carlos drummond de andrade(5)

carlos vinagre(13)

cesario verde(4)

concha rousia(4)

cristina nery(5)

cruz martinez(9)

daniel filipe(5)

daniel maia - pinto rodrigues(4)

david mourão-ferreira(6)

elvira riveiro(8)

emma couceiro(4)

estibaliz espinosa(7)

eugenio de andrade(8)

eva mendez doroxo(8)

fatima vale(10)

fernando assis pacheco(4)

fernando pessoa(5)

fiamma hasse pais brandão(5)

florbela espanca(7)

gastão cruz(5)

helder moura pereira(4)

ines lourenço(6)

iolanda aldrei(4)

jaime rocha(5)

joana espain(10)

joaquim pessoa(4)

jorge sousa braga(6)

jose afonso(5)

jose carlos soares(4)

jose gomes ferreira(4)

jose luis peixoto(4)

jose regio(4)

jose tolentino mendonça(4)

jussara salazar(6)

luis de camoes(5)

luisa villalta(4)

luiza neto jorge(4)

maite dono(5)

manolo pipas(6)

manuel alegre(6)

manuel antonio pina(8)

maria alberta meneres(5)

maria do rosario pedreira(5)

maria estela guedes(7)

maria lado(6)

maria teresa horta(5)

marilia miranda lopes(4)

mario cesariny(5)

mia couto(8)

miguel torga(4)

nuno judice(8)

olga novo(17)

pedro ludgero(7)

pedro mexia(5)

pedro tamen(4)

raquel lanseros(9)

roberta tostes daniel(4)

rosa enriquez(6)

rosa martinez vilas(8)

rosalia de castro(6)

rui pires cabral(5)

sophia mello breyner andressen(7)

suzana guimaraens(5)

sylvia beirute(11)

tiago araujo(5)

valter hugo mae(5)

vasco graça moura(6)

virgilio liquito(5)

x. m. vila ribadomar(6)

yolanda castaño(10)

todas as tags

links
leitores
pesquisar
 
visitas
Free counter and web stats
blogs SAPO
subscrever feeds