Quarta-feira, 1 de Maio de 2013
convictos

 

Das manhãs laminares
que deslizam pelo útero
escolho aquela
vermelha suspensa
em que olhos se espalharam
grandes e convictos
e nunca mais te viram.

 

***

 

joana espain

 

*


lido em: http://avoltadascoisas.blogspot.pt/2009/02/laminar.html

publicado por carlossilva às 13:42
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 1 de Abril de 2013
um trompete dança-me agora a medo

 

um trompete dança-me agora a medo
sopros abertos por dentro
erguem-me os braços e bailam para longe
é exacta a saudade entre os meus braços 
e as pernas calçadas de margens sem mim
sei das paisagens mas entre as minhas pernas e o horizonte
sempre houve danças que não entendo
prefiro a superfície da música 
sem direcção, um gesto em vez de um passo,
o movimento das pernas não pode escrever-te num quarto escuro, 
só mãos a abrir um corpo 
sem pernas o amor é de braços longos capazes de calar a linguagem das árvores
quando já só existe um vento fino ao piano,
os braços não caem 
e um movimento de alegria tem que ondular pelo corpo acima
seguro, quando rodas
os teus braços levantam um pólen tão ordenado como o das abelhas
que recolho nos meus 
e se os vires desvanecer em direcção pouco certa
nesse instante diz-me adeus, como se só as pernas me tivessem partido,
tem cuidado meu amor com a inveja que as palavras têm dos braços
um gesto ouve-se menos que um passo
e o nosso abraço roda sem atrito
vês, como se ergue ligeiramente  
e vai dispersando a terra que lhe cai em cima
os teus braços não são teus 
são duas rezas minhas

 

***

 

joana espain

 

*


lido em: http://avoltadascoisas.blogspot.pt/2012/05/um-trompete-danca

publicado por carlossilva às 08:58
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 7 de Janeiro de 2013
não sei que dizer-te
não sei o que dizer-te
mais do que uma praça de gente
de passados em passadas
novos e velhos que se cruzam
sem revolta numa praça Espanhola
na ínfima parte da luz de uma estrela
ultrapassando a informação que aqueça demasiado
e adormecendo as mãos na arte de repetir as arcadas
para acalmar o cio do ciclo
colunas e sinos para amaciar a velocidade
guardar o ritmo de bicho num som que não se entende
e se entenda feliz
não sei o que dizer-te
dou lanço a esta praça
onde sei que também moras
e moram os abraços dos olhos no fim das ruas
mais lanço até que as arcadas criem em vento
a passagem frágil entre bichos extraordinários
rastos de luz em informação
que chegue apenas para rir
e encontro sempre um mesmo ponto  
nos desvios vermelhos 
no centro das praças Espanholas
de todos em todos

um beijo parado ao sol

 

***

 

joana espaín

 

*


lido em: http://avoltadascoisas.blogspot.pt/

publicado por carlossilva às 17:28
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 7 de Abril de 2012
ao tocar um caminho

 

ao tocar um caminho
falei-lhe ao ouvido
de uma matéria mais quente
para se esquecer da imitação das árvores


à escala de uma estação o olhar
cada volta que a informação dá no espaço
como um convite para dançar

fomos deixando crescer as árvores
não era urgente falar de árvores
não são urgentes as praças
não sou urgente?

ao toque os caminhos acalmam
e sentam-se nas praças
fingem dormir
nesta praça
a cair 
de uma estrela
onde a informação se encostou um dia
apaixonada pelos olhos de um bicho
e caminhou

 

***

 

joana espain

 

*


lido em: http://www.avoltadascoisas.blogspot.pt/

publicado por carlossilva às 01:28
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 8 de Outubro de 2011
tempos dela

 

falei com ela

disse-me que os rios tinham pressa

e havia brisas quentes que falavam

 

cristo não tinha nascido

e a expectativa era grande

e uma amiga muito calma

tinha sido queimada pela alma

 

perguntou-me sobre a palavra

contei-lhe de traumas padres

inteligências emocionais

e interacções fundamentais à distância

para acalmar

 

a brisa ainda fala

com cuidado

 

apontou para trás de mim

e sorriu

sem ruído

 

***

 

joana espain

 

*


lido em: As linhas não existem

publicado por carlossilva às 14:15
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 7 de Outubro de 2011
o mundo cheira a abismos

 

o mundo cheira a abismos

de bolas de sabão

 

sei porque tenho um manto

de lance finito

onde se desenham

 

e um canto

numa escala branca

que o mede a medo

 

deram-me um manto

uma escala

e a tortura do gingar

 

de uma janela

 

***

 

joana espain

 

porto, 1977

 

*

 


lido em: As linhas não existem

publicado por carlossilva às 10:08
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 20 de Julho de 2011
fibra óptica de ícaro

I

I

 

 

 

ouvem-se menos as esquinas lá fora

 

 

 

os touros andam distraídos

 

em redondos dentro de redondos

 

galerias de pedra de redondos

 

(só um infinito podia deixar acabar-se assim em redondo)

 

 

 

de cornos sensíveis

 

a uma certa inclinação de sangue

 

alguns dançam e rodopiam pescoços

 

(a mais bela transição)

 

 

 

lançam corpos moles em hélice pelo ar

 

sabem que os reflexos nunca obedeceram

 

(a pedra redonda sempre foi um bom espelho

 

e um touro não pode ser deus)

 

 

 

fica sempre um gesto letra-borboleta

 

naquela pá-limpa-cesto pouco limpa de mãos

 

um dedo mindinho girado aleatoriamente

 

e escrevem-se infinitos de mãos dadas

 

 

 

II

 

 

 

ouvem-se menos as esquinas lá fora

 

 

 

touros sérios sentados em cadeiras olham-se de frente

 

sentem como certa a inclinação

 

o binário das esquinas das estrelas dos cabelos das caras moles

 

do encontro forçado das paredes

 

 

 

quando dois

 

catorze (infinitas) portas

 

abrem e piscam em fibra óptica

 

o céu é um emaranhado de fios de néon azul

 

(cada um a puxar a saia azul de uma princesa)

 

 

 

e os touros começam a desenhar danças inclinadas

 

(antigos avisos)

 

na pedra redonda

 

 

 

há sempre touros calmos a rir

 

de cornos azuis

 

a adormecer informação nos terraços

 

em relvas mornas de vulcões

 

 

 

III

 

 

 

ouvem-se menos as esquinas lá fora

 

 

 

(e se existem cornos e esquinas)

 

a informação queima as asas

 

 

 

só tambores debaixo de água

 

cheira a mar

 

e é impossível voar acima das fibras ópticas azuis

 

sem puxar à velocidade da luz

 

as saias de todas as princesas

 

 

 

 

 

em roda tribal (que nunca se soube escrever)

 

de sentido contrário à inclinação

 

pendurados por milhares de fibras

 

às grandes asas mecânicas

 

há touros centrífugos a acelerar

 

 

 

e mais alto que o ritmo das esquinas

 

ouve-se no seu canto:

 

 

 

a casa é um labirinto com uma certa inclinação para o mar

 

***

 

joana espain

 

*

 


lido em: http://www.avoltadascoisas.blogspot.com/

publicado por carlossilva às 00:35
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 30 de Maio de 2011
bolo de milho

 

gosto de bolo de milho

e nada é mais simples que isto

 

a minha varanda vai aumentando todos os dias para o mar

não sei quantas outras varandas com velas cá chegaram

sei que as espero como um Índio de pernas cruzadas

que aceita trocar

posso entender olhos em caras muito longe

e na dúvida sei dobrar

as sobrancelhas à volta da terra

 

é que está tudo tão quieto aqui

depois de guerras se comerem sozinhas

pedras arderem no espaço

e células codificarem operações militares

que não me cabe a mim perguntar

só deixar o colapso acontecer

no que muito bem lhe apetecer

como este bolo de milho

tão simples de gostar

 

***

 

joana espain

 

*


lido em: http://avoltadascoisas.blogspot.com/

publicado por carlossilva às 14:56
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 2 de Fevereiro de 2011
à volta das coisas

 

tenho medo das linhas
à volta das coisas

linhas de luas lentas
ao longe mas à lupa
ondas rápidas que escurecem
com falta de probabilidade

não existem

linhas quadradas de xadrez
penduradas no Anjo
e desfeitas em renda pela noite
à espera do tempo

entre a laranja e o resto do mundo

tenho medo que não existam
as linhas à volta do meu corpo

 

***

joana espain

porto,1977

 

*


lido em: http://www.avoltadascoisas.blogspot.com/

publicado por carlossilva às 01:23
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 31 de Outubro de 2010
espumas

 

 

aquela direcção de espuma branca e sigo

o mar sobe-me pelas pernas

enquanto desce espreita

e de lado repete

é morno e sei que brinca

e a minha mão vai abrindo devagar

de polegar inútil ao líquido

 

de lado ele faz e desfaz as costas

e as pernas do meu desenho

molhado em séculos ao mesmo som

gasta tudo o que repete

e deixando as minhas pernas vazias

 

é então que nesse espaço solto

entre ossos e mar

nasce devagar um engano de carne seca

de peso a quatro vezes a espinha

 

e o mar agora só sobe sem som

perpendicular a mim - a espuma

e uma cama velha de coral

 


lido em: http://www.avoltadascoisas.blogspot.com/

publicado por carlossilva às 15:06
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
agenda
18 de abril 2013 19 de abril 2013
Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
14
15

18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

convictos

um trompete dança-me agor...

não sei que dizer-te

ao tocar um caminho

tempos dela

o mundo cheira a abismos

fibra óptica de ícaro

bolo de milho

à volta das coisas

espumas

arquivos

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

a m pires cabral(4)

adelia prado(5)

adilia lopes(8)

al berto(6)

alba mendez(4)

albano martins(4)

alberte moman(8)

alberto augusto miranda(9)

alexandre teixeira mendes(11)

alfonso lauzara martinez(8)

alice macedo campos(13)

alicia fernandez rodriguez(5)

almada negreiros(4)

amadeu ferreira(8)

ana luísa amaral(6)

ana marques gastao(4)

andre domingues(5)

andreia carvalho(4)

antonio barahona(5)

antonio cabral(5)

antonio gedeao(5)

antonio ramos rosa(7)

anxos romeo(4)

ary dos santos(5)

augusto gil(4)

augusto massi(4)

aurelino costa(11)

baldo ramos(6)

bruno resende(5)

camila vardarac(9)

carlos drummond de andrade(5)

carlos vinagre(13)

cesario verde(4)

concha rousia(4)

cristina nery(5)

cruz martinez(9)

daniel filipe(5)

daniel maia - pinto rodrigues(4)

david mourão-ferreira(6)

elvira riveiro(8)

emma couceiro(4)

estibaliz espinosa(7)

eugenio de andrade(8)

eva mendez doroxo(8)

fatima vale(10)

fernando assis pacheco(4)

fernando pessoa(5)

fiamma hasse pais brandão(5)

florbela espanca(7)

gastão cruz(5)

helder moura pereira(4)

ines lourenço(6)

iolanda aldrei(4)

jaime rocha(5)

joana espain(10)

joaquim pessoa(4)

jorge sousa braga(6)

jose afonso(5)

jose carlos soares(4)

jose gomes ferreira(4)

jose luis peixoto(4)

jose regio(4)

jose tolentino mendonça(4)

jussara salazar(6)

luis de camoes(5)

luisa villalta(4)

luiza neto jorge(4)

maite dono(5)

manolo pipas(6)

manuel alegre(6)

manuel antonio pina(8)

maria alberta meneres(5)

maria do rosario pedreira(5)

maria estela guedes(7)

maria lado(6)

maria teresa horta(5)

marilia miranda lopes(4)

mario cesariny(5)

mia couto(8)

miguel torga(4)

nuno judice(8)

olga novo(17)

pedro ludgero(7)

pedro mexia(5)

pedro tamen(4)

raquel lanseros(9)

roberta tostes daniel(4)

rosa enriquez(6)

rosa martinez vilas(8)

rosalia de castro(6)

rui pires cabral(5)

sophia mello breyner andressen(7)

suzana guimaraens(5)

sylvia beirute(11)

tiago araujo(5)

valter hugo mae(5)

vasco graça moura(6)

virgilio liquito(5)

x. m. vila ribadomar(6)

yolanda castaño(10)

todas as tags

links
leitores
pesquisar
 
visitas
Free counter and web stats
blogs SAPO
subscrever feeds