Quarta-feira, 1 de Fevereiro de 2012
que xusto morrer polo invencible sono

 

Que xusto morrer polo invencible sono
de brocados séculos e xuventude de templos
non engano pra meu mais tenro abrigo
nen segredo de chamadas
doutrina insensible de ocultar
o tecido que me rabuño
ofrendo sen intento de surxir
estreito penso no irreal do medo
suspiro ¡Qué verdade a verdade!
pero nese lado do esquecemento
vin crear unha ponte
coa esperanza de ofrecer a meditación
do nome
venerable alento ante os equilibrios
nas cordas do infinito
e agora acúsome
sen enviar palabras movedizas
falándome entre remusmús
escondendo a fraxilidade
baixo verticais do ar
¡Tan incompletas as horas!

 

***

 

anxos romeo

 

*





lido em: http://www.enfocarte.com/PoesiaGallega/romeo.html

publicado por carlossilva às 00:36
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 3 de Dezembro de 2010
as hierofantas aprenden a redescubrir e mentir

 

as hierofantas aprenden a redescubrir e mentir

ó  espermático dinamismo,

falando de todo o tipo de sucedâneos crendo ser

os entendidos hieráticos que sesgan o mercado de

entrañas

nas mulleres de sarxia e fume de cedro,

lamentablemente négalo todo –

pero pra ela que sabe do real malestar psíquico

que desfai a carne dos rostros, non enxendras

outra cousa que: - nin mais, nin menos

 

a miña fiestra estará em Limanora

protexida por catapultas e un “cono de tormentas”

completamente aillada por un cerco de néboa

 

***

anxos romeo

a estrada (pontevedra), 1965

***************************


lido em: mulher a facer vento

publicado por carlossilva às 14:06
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 24 de Julho de 2010
depois do trânsito e o medo

Despois do tránsito e o medo
derribar os dedos
que teñen ventos e plumas de conxuro
e furtar golpeados voos
pra que non nos fagan nenos
de lenzo fuxitivo
a vida agora enxordece
e algún día ollarei en ti dende o musgo
que fermosas dentadas fará
no leito do corpo meu

 

***

 

Después del tránsito y el miedo
derribar los dedos
que tienen vientos y plumas de conjuro
y hurtar golpeados vuelos
para que no nos conviertan en niños
del lienzo fugitivo
la vida ahora ensordece

 

y algún día miraré en ti desde el musgo
que hermosas dentelladas dará
en el lecho de mi cuerpo

 

***

 

anxos romeo

 

(a estrada - pontevedra , 1965)

 

****************************


lido em: http://www.enfocarte.com/PoesiaGallega/romeo.html

publicado por carlossilva às 19:46
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 17 de Abril de 2009
a quen están poñendo pensamentos no abismo dos tolos?

 

 

¿A quen están poñendo pensamentos no abismo dos tolos?
eran mortas de cumes sen tempo marcadas
na imposibilidade e no fío
¡non as empuxes! prantas de corpo rodeado teñen que poñer
[luz nos tanxidos
o peito está punzado por días dalgunhas delas que se me
[adiantan ós rostros,
regresan as desbandadas das aves
e queren escribir no seu niño con auga
ó mundo madrugador que lles inventou unha febre de seda
pra calalas,
non inventalas, nin sequera debullalas na hedra,
a irrecoñecíbel noite non recolle os teus ollos
a serpe segue na cova pero non ten manxar
sigo descampando areas, querendo retallar niños
que se chaman polo seu nome: Medo
Non me importo, teño xa o ollar atravesado de musgo
e o meu pulso escapa polo alcohol que
tende os brazos tan de présa como a sede do máis oculto
[lugar,
figos e unha casa de leite, teño que estar contigo
e só estou no mesmo lugar onde chían os vimbios

 

***

Anxos Romeo (1965)

A Estrada – Pontevedra (Galiza)

*****************************************************

 

A quem estão pondo pensamentos no abismo dos loucos?
eram mortas de cumes sem tempo marcadas
na impossibilidade e no fio
não as empurres! plantas de corpo rodeado têm que por
[luz nos tangidos
o peito está picado por dias de algumas delas que se me
[adiantam aos rostos,
regressam as debandadas das aves
e querem escrever no seu ninho com água
ao mundo madrugador que lhes inventou uma febre de seda
para calá-las,
não inventá-las, nem sequer debulhá-las na hera,
a irreconhecível noite não recolhe os teus olhos
a serpente continua na cova mas não tem manjar
continuo descampando areias, querendo retalhar ninhos
que se chamam pelo seu nome: Medo
Não me importo, tenho já o olhar atravessado de musgo
e o meu pulso escapa pelo álcool que
estende os braços tão de pressa como a sede do mais oculto
[lugar,
figos e uma casa de leite, tenho que estar contigo
e só estou no mesmo lugar onde chiam os vimes.

 

[trad: cas]

 

 



publicado por carlossilva às 11:41
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
agenda
18 de abril 2013 19 de abril 2013
Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
14
15

18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

que xusto morrer polo inv...

as hierofantas aprenden a...

depois do trânsito e o me...

a quen están poñendo pens...

arquivos

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

a m pires cabral(4)

adelia prado(5)

adilia lopes(8)

al berto(6)

alba mendez(4)

albano martins(4)

alberte moman(8)

alberto augusto miranda(9)

alexandre teixeira mendes(11)

alfonso lauzara martinez(8)

alice macedo campos(13)

alicia fernandez rodriguez(5)

almada negreiros(4)

amadeu ferreira(8)

ana luísa amaral(6)

ana marques gastao(4)

andre domingues(5)

andreia carvalho(4)

antonio barahona(5)

antonio cabral(5)

antonio gedeao(5)

antonio ramos rosa(7)

anxos romeo(4)

ary dos santos(5)

augusto gil(4)

augusto massi(4)

aurelino costa(11)

baldo ramos(6)

bruno resende(5)

camila vardarac(9)

carlos drummond de andrade(5)

carlos vinagre(13)

cesario verde(4)

concha rousia(4)

cristina nery(5)

cruz martinez(9)

daniel filipe(5)

daniel maia - pinto rodrigues(4)

david mourão-ferreira(6)

elvira riveiro(8)

emma couceiro(4)

estibaliz espinosa(7)

eugenio de andrade(8)

eva mendez doroxo(8)

fatima vale(10)

fernando assis pacheco(4)

fernando pessoa(5)

fiamma hasse pais brandão(5)

florbela espanca(7)

gastão cruz(5)

helder moura pereira(4)

ines lourenço(6)

iolanda aldrei(4)

jaime rocha(5)

joana espain(10)

joaquim pessoa(4)

jorge sousa braga(6)

jose afonso(5)

jose carlos soares(4)

jose gomes ferreira(4)

jose luis peixoto(4)

jose regio(4)

jose tolentino mendonça(4)

jussara salazar(6)

luis de camoes(5)

luisa villalta(4)

luiza neto jorge(4)

maite dono(5)

manolo pipas(6)

manuel alegre(6)

manuel antonio pina(8)

maria alberta meneres(5)

maria do rosario pedreira(5)

maria estela guedes(7)

maria lado(6)

maria teresa horta(5)

marilia miranda lopes(4)

mario cesariny(5)

mia couto(8)

miguel torga(4)

nuno judice(8)

olga novo(17)

pedro ludgero(7)

pedro mexia(5)

pedro tamen(4)

raquel lanseros(9)

roberta tostes daniel(4)

rosa enriquez(6)

rosa martinez vilas(8)

rosalia de castro(6)

rui pires cabral(5)

sophia mello breyner andressen(7)

suzana guimaraens(5)

sylvia beirute(11)

tiago araujo(5)

valter hugo mae(5)

vasco graça moura(6)

virgilio liquito(5)

x. m. vila ribadomar(6)

yolanda castaño(10)

todas as tags

links
leitores
pesquisar
 
visitas
Free counter and web stats
blogs SAPO
subscrever feeds