Domingo, 5 de Maio de 2013
quando é meia noite no meu corpo

 

quando é meia noite no meu corpo,

coincide a pele com o tamanho do

desejo- ao apagarem-se as janelas

do outro lado da rua, acende-se uma

pequenina luz no caroço das frutas.

as cidades são de pedra, é bem certo

que há sempre um jardim voltado para

a loucura, onde as tuas mãos flutuam,

ou um caminho de terra batida ao mar.

eu não sei explicar as cidades de lume,

a espessa camada de fumo que envolve a

imaginação, ou a espuma cada vez mais

branca do meu sexo. eu não sei do lugar

onde recomeçam as horas, e o tempo mata

carinhosamente. eu não sei onde estás, ou

se me ouves, quando sozinha enlouqueço.

quero-te à meia noite no meu corpo. vens?

 

***

 

alice macedo campos

 

*


lido em: um cão em cada dedo

publicado por carlossilva às 08:14
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 30 de Março de 2013
no princípio, somos esta luz queimada de água a água

 

no princípio, somos esta luz queimada de água a água,
o fogo ininterrupto que se alastra na comunhão das margens,
a maré vazia, a mágoa calcinada, a imagem breve da castidade,
trabalhada pela pluma do céu com seu botão de rosa sobre o mar.
no princípio , estamos sóbrios, ignoramos o abismo caminhamos nus,
e se uma música nos toca, encostamos toda a nossa vida um ao outro,
e a luz faz, no chão onde dançamos, as efémeras sombras de uma chama,
que, de hoje para sempre, arderá no mundo à nossa passagem. e temos à
nossa espera, no fim de tudo isto, o medo com os nossos olhos na cara, e,
entre eles, a mesma água que queimou este poema, mas abaixo os braços leves,
convidativos, apetece cair nestes braços e concluir, num só corpo o verbo amar.

 

***

 

alice macedo campos

 

*


lido em: http://texturadasletras.blogspot.pt/2012/01/alice-macedo-cam

publicado por carlossilva às 11:56
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 4 de Agosto de 2012
poema com uma hora menos

 

poema com uma hora a menos:
chama-se rosa a mulher que tirou a mama esquerda. 
pinta o cabelo numa espécie de sangue vivo,
que é aquele vinho que passa de uns dias 
para os outros, debaixo da nossa pele,
quando nos falta o amor de um sábado
por um domingo. a rosa tem um marido
guarda prisional que gasta o que ganha
a beber e vai para a cama demorar-se
em cima dela. nunca mais acabas com isso,
diz ela, e pousa as mãos no lençol enquanto
espera. a outra mulher, a que o poema fotografou,
tem um nome de rapaz encostado ao maria,
usa peruca escura, embora ainda tenha as duas 
mamas intactas, uso isto para me proteger, diz-me,
nunca mais fiz um homem depois dos vinte e um anos,
tenho quase quarenta, às vezes o peso, e uns
lábios encostados com delicadeza, era o suficiente
para morrer. olho-a pela boca a ver se sai algum

cabelo benigno pela língua, mas desapareceu.

 

***

 

alice macedo campos

 

*


lido em: http://www.incomunidade.com

publicado por carlossilva às 09:10
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 26 de Maio de 2012
a doença

 

o meu corpo parece um cão deitado.

às vezes penso que outro cão se aproxima de mim,

para me cheirar ou lamber,

mas nunca acontece.

às vezes são os homens que se aproximam.

são cinco e estão nus,

mas mal sentem o cheiro viram costas,

na pele, como se gravado a ferro em brasas,

um tem escrito o,

outro tem escrito meu,

outro tem escrito corpo,

outro tem escrito no,

outro tem escrito teu.

os cinco homens juntos formam

o meu corpo no teu.

mas de costas são apenas homens

sem qualquer serventia.

nem sequer me lambem como um cão vadio.

às vezes penso nas mulheres destes homens:

estão em casa, muito gordas, de avental,

com o jantar à espera.

penso no corpo delas, deformado,

a barriga acumulando-se sobre as coxas,

cheia de mamas.

os homens chegam a casa, sentam-se a comer,

passam da mesa para o corpo,

sentam-se a comer.

imagino o que as mulheres lhe dizem:

aqui tens o teu jantar,

ao mesmo tempo que colocam

o prato

e o corpo

sobre a mesa

 

***

 

alice macedo campos

 

*


lido em: um cao em cada dedo

publicado por carlossilva às 12:22
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 16 de Abril de 2012
vinha para casa a pensar que um dia acordo de manhã

 

vinha para casa a pensar que um dia acordo de manhã 
e cuspo pela boca os ossos peniais, e assim que tal me ocorreu, 
olhei por mim abaixo, a verificar do correcto posicionamento dos pés 
à frente um do outro, como se a ideia e o caminhar não fossem simultâneos, 
ou algo no andar denotasse, a quem passasse, um misto de equilíbrio e de loucura. 
juntei a essa a ideia de que poderia juntá-los, um a um, 
para um instrumento de sopro e comecei a pensar como seria, 
sempre atento aos passos que dava, na berma da estrada, procurando ouvir, 
ou apenas imaginar, o som que faria, e sobretudo o silêncio que me causaria ouvi-lo. 
foi então que uma mulher me abordou: olá, mírio
emagreceu um bom bocado, disse com cabelos nos dentes, 
e eu, distraído que estava, concordei vagamente, disse qualquer coisa vulgar, 
sem importância, e a mulher pousou no chão os sacos que trazia, 
como se ali fosse sítio para conversar, os carros na sequência brutal da tarde, 
meteu as mãos nos bolsos do casaco, tirou um lenço, abriu-o, assoou-se, 
fez-me aflição perceber que não afastava o cabelo dos dentes, e que 
a qualquer momento diria algo sobre a sua vida, uma verdade contra a qual 
eu nada poderia fazer, e procurei a banalidade, falar do sol e do bom tempo, 
olhei para os sacos no chão, concentrando-me, vi num deles 
uma bonita planta vermelha e sorri. a minha mãe morreu-me, 
disse ela. olhei-a inquieto, como se o meu sorriso me atrapalhasse, 
onde estava a alegria viva de uma planta, estava o desgosto triste desta mulher, 
e ouvi-a confessar: só à força de comprimidos consigo dormir. 
dei por mim a tentar medir mentalmente essa força, dei por mim a pensar 
na dor que a mulher sentia e no quanto essa força teria de ser insensível à dor. 
creio mesmo que a minha actividade pensante era tão visível, 
que a própria mulher viu o pensamento através de mim e se afastou, como veio, 
com cabelo nos dentes, carregada de tristeza. vim para casa com vontade 
de escrever, de elaborar correctamente uma fórmula que defina a quantidade 
precisa de um comprimido, cujo efeito elimine a dor da morte. ao mesmo tempo, 
penso também na hipótese da existência, ou pelo menos da invenção, 
acessível ao homem, de uma força que retire a capacidade de sentir. 
estás a gostar de alguém? podiam perguntar-me, e eu, se conseguisse 
criar essa medicação secreta, poderia dizer: estava a gostar de alguém, 
mas consegui parar de gostar à força de comprimidos. o que aconteceu 
ao que sentias?, perguntavam, e eu, anestesiado que estava, 
caminhando sempre entre o equilíbrio e a loucura, diria: 
o que eu sinto dorme dentro de mim como um recém-nascido. 


porque a dor e o amor são os ossos que hei-de cuspir.

 

 

***

 

alice macedo campos

 

*


lido em: http://alicemacedocampos.blogspot.pt/

publicado por carlossilva às 12:56
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 12 de Fevereiro de 2012
a mulher sus.pensa


lembro-me de uma noite, ao sair da garagem,
o teu carro ter já deixado a rua, e da rua ser, à
luz moída dos postes públicos, uma largura infinita
de paralelos, e dos meus pés estarem paralisados, e
da paragem cardíaca do teu nome na minha boca, na
viagem mais longa que fiz à solidão.
hoje, recebi a tua carta, estava no tapete da entrada,
húmida, ligeiramente suja com cinza de cigarro, e pensei
nas tuas mãos, no gesto de enrolar tabaco, na tua língua,
no gesto de o lamber, e no quanto terás fumado cada
palavra. assim que entrei, sentei-me a ler, só depois
desfiz a mala. devo dizer-te que é muito triste
uma mulher sentada a ler com a roupa por lavar,
sobretudo antes de tomar banho, e que, por isso,
liguei a máquina naquele programa que dura
exactamente o tempo de um duche, estendi
a roupa, e ainda não sequei o cabelo.

 

***

 

alice macedo campos

 

*

 





lido em: http://alicemacedocampos.blogspot.com/

publicado por carlossilva às 01:12
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 22 de Outubro de 2011
o homem que entrou no meu pulso
 
o homem que entrou no meu pulso mais firme, está agora a subir os degraus intermináveis de uma habitação surda. no relógio-vidro, entre as escadas, começam as horas da paixão. da raiz masculina de uma árvore, que é em parte a coluna viva deste homem, surge a ideia de trabalhar o amor cuidadosamente, para que o leite que passa, de uma árvore a outra, produza folhagem sonoramente verde. quando abre a porta, algures aqui por cima, tem a atenção de se transformar num abraço, antes de progredir à carne iminente. ninguém sabe a dança a que o corpo se suja, se a beleza o fez. toda a pele é uma estrada navegável para quem deseja, e a nudez uma estátua paralela desde os tornozelos até ao pestanejar. se cair uma pedra a toda a altura da casa, ou se o eco de um grito, vindo debaixo, assustar o homem, estará o autor disponível para o converter num acto secundário? neste ponto, o vento tomba incessante o mar de janeiro.

 

***

 

alice macedo campos

 

*

 


lido em: http://partimonio.blogspot.com/

publicado por carlossilva às 02:58
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 10 de Março de 2011
a mulher de súbito cai no seu estado de silêncio

 

a mulher de súbito cai no seu estado de silêncio,
está parada como se a sua própria voz cantasse distante,
e uma flor carnívora abrisse a noite extenuada no seu vestido,
ou um poema lhe transpirasse o cabelo, a misteriosa sombra das mãos.
se eu dissesse alguma coisa, um pássaro, o medo, o nome de uma ilha, as
casas onde estão a paz e a fortuna, o azul do mar, a salvação, a idade certa
em que se deixa de morrer, escreveria aqui luísa. ouço a voz que canta, o jardim
dos teus filhos, que palavra poderia dizer essa luz, ou que luz poderia incendiá-la?
o teu coração tem um peso extraordinário, sabes. aguenta três vezes o amor de mãe. e ama.

 

***

 

alice macedo campos

 

*

 


lido em: http://alicedomardeamar.blogspot.com/

publicado por carlossilva às 10:53
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 18 de Dezembro de 2010
no tempo em que as crianças amanheciam

 

no tempo em que as crianças amanheciam,

eu pensava em ter filhos como se bastasse

esfregar as mãos. eu sorria por dentro,

fechava os olhos com força, preparando-me

para o rebentamento das águas. os dias iam

crescendo no meu ventre e, à medida que

cresciam, eu sentia o movimento de rotação

da terra, deitada de barriga para o ar.

porque o meu filho é um astro puro

à volta do qual a terra gira, no

sagrado útero das minhas mãos.

 

***

alice macedo campos

penafiel, 1978

*******************


lido em: um cão em cada dedo

publicado por carlossilva às 02:11
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 8 de Junho de 2010
vamos morrer tão nus como nascemos

vamos morrer tão nus como nascemos.
vamos morrer num dia tão frio como o nosso cadáver,
de estômago vazio.
tão cedo caminhamos e dissemos as primeiras palavras,
que nem sabemos quais,
e, por um fenômeno biológico que depois nos foi completamente explicado,
aceitamos o corpo nas suas imperfeições,
e, da cabeça para baixo,
vimos as pernas, os pêlos, e os órgãos a crescer,
como se olhos fossem a porta de uma casa.
esquecer é estar vivo,
pecar é não estar vivo.

 

***

 

alice macedo campos

 

(penafiel, 1978)

 

***********************


lido em: http://alicemacedocampos.blogspot.com/

publicado por carlossilva às 16:22
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
agenda
18 de abril 2013 19 de abril 2013
Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
14
15

18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

quando é meia noite no me...

no princípio, somos esta ...

poema com uma hora menos

a doença

vinha para casa a pensar ...

a mulher sus.pensa

o homem que entrou no meu...

a mulher de súbito cai no...

no tempo em que as crianç...

vamos morrer tão nus como...

arquivos

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

a m pires cabral(4)

adelia prado(5)

adilia lopes(8)

al berto(6)

alba mendez(4)

albano martins(4)

alberte moman(8)

alberto augusto miranda(9)

alexandre teixeira mendes(11)

alfonso lauzara martinez(8)

alice macedo campos(13)

alicia fernandez rodriguez(5)

almada negreiros(4)

amadeu ferreira(8)

ana luísa amaral(6)

ana marques gastao(4)

andre domingues(5)

andreia carvalho(4)

antonio barahona(5)

antonio cabral(5)

antonio gedeao(5)

antonio ramos rosa(7)

anxos romeo(4)

ary dos santos(5)

augusto gil(4)

augusto massi(4)

aurelino costa(11)

baldo ramos(6)

bruno resende(5)

camila vardarac(9)

carlos drummond de andrade(5)

carlos vinagre(13)

cesario verde(4)

concha rousia(4)

cristina nery(5)

cruz martinez(9)

daniel filipe(5)

daniel maia - pinto rodrigues(4)

david mourão-ferreira(6)

elvira riveiro(8)

emma couceiro(4)

estibaliz espinosa(7)

eugenio de andrade(8)

eva mendez doroxo(8)

fatima vale(10)

fernando assis pacheco(4)

fernando pessoa(5)

fiamma hasse pais brandão(5)

florbela espanca(7)

gastão cruz(5)

helder moura pereira(4)

ines lourenço(6)

iolanda aldrei(4)

jaime rocha(5)

joana espain(10)

joaquim pessoa(4)

jorge sousa braga(6)

jose afonso(5)

jose carlos soares(4)

jose gomes ferreira(4)

jose luis peixoto(4)

jose regio(4)

jose tolentino mendonça(4)

jussara salazar(6)

luis de camoes(5)

luisa villalta(4)

luiza neto jorge(4)

maite dono(5)

manolo pipas(6)

manuel alegre(6)

manuel antonio pina(8)

maria alberta meneres(5)

maria do rosario pedreira(5)

maria estela guedes(7)

maria lado(6)

maria teresa horta(5)

marilia miranda lopes(4)

mario cesariny(5)

mia couto(8)

miguel torga(4)

nuno judice(8)

olga novo(17)

pedro ludgero(7)

pedro mexia(5)

pedro tamen(4)

raquel lanseros(9)

roberta tostes daniel(4)

rosa enriquez(6)

rosa martinez vilas(8)

rosalia de castro(6)

rui pires cabral(5)

sophia mello breyner andressen(7)

suzana guimaraens(5)

sylvia beirute(11)

tiago araujo(5)

valter hugo mae(5)

vasco graça moura(6)

virgilio liquito(5)

x. m. vila ribadomar(6)

yolanda castaño(10)

todas as tags

links
leitores
pesquisar
 
visitas
Free counter and web stats
blogs SAPO
subscrever feeds