Terça-feira, 26 de Março de 2013
todo o rosto um anagrama

 

Cresce, sem paralaxe, o Autor de rua, Autor de montão, uma técnica de criar país fora dos espetos, a boca filiada num cigarro previamente fumado pelo asfalto dos vermes. Voga pluvial o sonho neste dossel de lençol permeável, funéreo design_io inscrito por dentes emprestados para fonificar o empréstimo: a língua. Pouco o Autor fala, transita em exagero a brutal e pletórica contenção. Uma manta suja de retórica em função, a escarradela como o mais sábio petroglifo destes corpos que esperam o autocarro para os subúrbios de Vénus.

 

Ao largo do indoor, outro monturo se prepara nos milímetros à volta: a sucção em general das imagens. Uma violenta cruz nocturna, talhada no silêncio conforme, propaga a muralha diante da freguesia. Os numerosos Autores comem rostos. Com eles são deitados e administrados, o corpo fora da vigília. Pagam em força, fealdade e inexistência, mesmo quando a voltagem dos neuro-receptores lhes instiga clarões de santelmo, episódios de marra, marrativas.


O alto vigia dentro como o arcaico omni, agora sem reivindicação, cada consumidor do divino leva o remorso no zigoto. Saem roncos de expedições às barragens. Um elevador de carmim equilibra o movimento rodando, como se fôra diverso, os cardápios das sensações de comércio, de deitar fora. Os transportes, em teleologia ou noética, estão protegidos pela loucura, pelas Pistas. Têm Patente.

 

Todos sangram, todos urgem. No assisdente, estilhaça-se o envase. A extensão do fragor inicia a Arca d'Alva, nova rataria se apressa a imprimir bilhetes para as viagens Ao Mesmo. como se a ignição do repetido, da droga funcionária, fosse a Doroteia do Júlio Dinis, uma retro mediocritas marketada em aurea, o Re-nascimento, essa utopia que sustenta a prisão.

 

***

 

alberto augusto miranda

 

*


lido em: http://nervoeiro.blogspot.pt/

publicado por carlossilva às 17:01
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 21 de Janeiro de 2013
laiku

 

o maço do mundo
fendido
em março piais

 

***

 

alberto augusto miranda

 

*


lido em: http://nervoeiro.blogspot.pt

publicado por carlossilva às 08:06
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 16 de Janeiro de 2013
tejo, tejo, tejo

 

Com o seu Quê, na franja de belém sobre o tejo, no despenhadeiro murado que ampara conhecidas esplanadas, o retoque de uma mão assolando o buraco frio e castanho, diminui e revitaliza os jerónimos.

na frontaria, no encaixe de suas traseiras, na compunção de uma arquitectura organicamente lida, as fezes barrocas apontam à trívia cidadela de onde a metáfora se escapa. Dali, das peneiras, se ausculta o centro comercial a ser virtuosamente adjudicado para forragens, jorrando notas à rebatina na composição do pavimento áccio-turístico.

Quando se acende a ala-lâmpada, desafeita às conquistas, o morro almadeno vitupera as crenças infantis com que se ouve, em mistura, a chuva nos telhados romanescos.

Imagino, preciso, um telhado, o céu não me conforta. Creio que a admiração resulta da visão medo-espantada. O terror firmamental, marítimo, gasoso, térreo, fez nascer a Beleza. Muitos se pulsionaram para acrescentar tal terror, para alargar o conceito de Belo. Viciados nesse medo arquétipo, combateram-no com monumentos cheios de Beleza. São cercos a Lisboa. É difícil apalpar esses módulos. Falámos nos séculos dessa beleza inagarrável. A estética é uma arma de guerra, um supremo.

Descendo a Graça, o roncar vintista do 28, na cidadania do vento, escolho os calmares, moluscos temperados no guisado das desproporções. Indiferentes e o inexoráveis, as águas?

Ao investigá-las, a apoteose dos hidrocarbonetos e de toda a semântica do lixo, fazem-me inalar as bolsas dos atravessantes, dos que nadam, dos que transitam em nada, cobrados, sadicamente cobrados.

A ponta, na sofreguidão messiânica do futuro, salta em mola sobre a insónia: os valetes continuam as suas tarefas de manter a higiene da pupila anal.

Um rio, em mar terroso vai avançando, deslocalizando a obra. No andar soterrado da travessa de s. vicente, entre a falente feira da ladra, os únicos esguichos sonoros pertencem às felinas morganas que antecipam intuitivamente os naufrágios.

Não vou comer os pastéis, nem pisar as ervas jardineiras do império. Mais a sul, no exacto mediterrâneo dos desejos informatados, um emigrante-peixe sucumbe ao peso dos seus cuidados, não pode ninguém da proceridade precaver-se.

E o zumbido da europa a farfalhar-se de leis guilhotinantes ouve-se em qualquer centro. Num bar calafetado, exaurindo com dificuldade o dia não-acontecido, os trovadores da ordem encontram energias para a justificação do balofo e, mais danoso, do taipal que cobre os horizontes. As obras - castanhas e frias - continuam a fazer-se às escondidas.

O Tejo deixa? Levanta-se um acetinado aeroporto que servirá as multidões que se dedicam à escravatura do tráfego, do tráfico. Mobilidade Mobilidade. Os amores são fixações e não trazem salários que paguem o aluguer da cabana.

Desde há cem, pessanha, eu já nem a luz vejo.

 

***

 

alberto augusto miranda

 

*

 


lido em: Lembrandt

publicado por carlossilva às 08:11
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 3 de Outubro de 2011
simulacrau

 

No talhar da emergência, na fala ventríloqua da arqueologia simbólica, o ship sob o ship sob o ship. Triliões de fragas cobertas de musgo tapante de emissões, uma mediateca removida até à campa onde o alvitre acampa. Procuradas as estafetas que levam a migalha genética em uso de memes refractários, tacteia-se o rígido em polifragmento, inimigos dormindo no

mesmo cristal.

Este é um tempo enevoado por fumo de alicate.

 

Três meses grandes, três meses a abarrotar de simulacraus drogados no Simulacrau. Do carreiro encardido, de três em três quilómetros, a placa indicando o aromatério.

O fedor esplende.

No labaret, pancé e pensée vão de toulouse a andorra comprar imaginários.

Pernoitam em gruta rústica.

Satisfazem-se pela internet.

São imaginados por um não-lugar.

Sem animais.

 

Os aparatos nickam-se, são extra-pontas reverdecendo na clamância diante do muro pantalhonista. Poma, no duro retorno ao canteiro, acrescenta-se doutro halo. Toma vários alprazo-lides para suportar estar fora do Speculum. Terá de sonhar até conseguir pagar a conta e voltar à não-existência. Outros berram-se. É rara a música.

 

Falar dos aprioris da doença. Conhecer seu dentro. Seu corpo, seu a-exterior.

Ouvir a espumância das razões.

Não claudicar ante a normatividade.

Nunca tive problemas com espinhas, vomito com muita facilidade.

Abandonei a casa por me ser insuportável o quotidiano dos parentes. Não volto lá.

Espero perder-me e ver Natascha amamentando metrossímeros e araucárias.

Vestir pele.

Coalhar os bons dias.

 

***

 

alberto augusto miranda

 

*


lido em: Pegadas - Q de Vian Cadernos

publicado por carlossilva às 12:37
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 21 de Fevereiro de 2011
hospital são

 

Que matança receber-vos. E desmemória: pensava-vos mais castrejos, menos pululantes às comidas. Desapareceram-me recentemente dois seres, assim vos trespasso como transparentes. Consumo ainda algumas regressões para manter certo emprego.

As onanotecnologias encontraram no meu corpo um recipiente perfeito.

Não sou dada. Ide. O atelier do transtorno é a última porta à direita.

Que de baloiços, cavalinhos, almofadas, escorregas, posso deixar. É como se tivesse praticado a lei das sesmarias, que de bem me sinto.

Comam esse bolo-cadáver.

 

***

alberto augusto miranda

vila real, 1956


lido em: Lembrandt

publicado por carlossilva às 00:13
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 1 de Julho de 2010
abriste o silêncio e reparamos

 

abriste o silêncio e reparamos

a tua mãe a nascer levantando

a cabeça devagar

 

era difícil

naquele vestido de bolas pretas e brancas

voltar ao areal atlântico, à península

dos desejos sem disciplina

estando o filho a ver

 

quanto mais o silêncio era fundo

mais percebíamos que não olhasses a tua

mãe

de frente,

gritasses: ó fuga, ó fuga,

que escuna para sair?

 

e ser nesse choro que ainda mais

a tua mãe nascia

rio, mar: filho, vem,

deixa essa jangada que transporta o equívoco

com roupas de solidão

 

***

 

alberto augusto miranda

 

(vila real, 1956)

 

******************


lido em: dá-me com a noite, http://www.gargantadaserpente.com/toca/po

publicado por carlossilva às 08:41
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 31 de Março de 2010
sai-me dos olhos um cavalo

 

sai-me dos olhos um cavalo

um destino em reserva

para as facadas na garganta

com mãos cruéis

como se fosses ostra e tivesses acaso

uma puta de uma pérola

 

ameaças porque o vento não sopra

de ti de nenhum

porque me desejas abelha à tua volta

impões um caudal

de espinhos à minha chegada

 

Atiro-me aos cimentos, às buzinas, aos

patrões , é livre,

se falo há um erói

um caule de ventura

 

baila por sobre ti

o cavalo que me saiu dos olhos

anjo de leite vermelho

por sobre ele te afastas da consistência

 

o sumo equídeo

se teria esgotado no côncavo

de um sonho finissecular

 

contra as rochas da pululante

Grécia às ilhas

 

***

 

alberto augusto miranda

(vila real, 1956)

 

****************************


lido em: dá-me com a noite, http://www.gargantadaserpente.com/toca/po

publicado por carlossilva às 11:14
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 1 de Dezembro de 2009
o puré do sono


Durante o dia não existo à noite
procuro dormir.

Que não se (a)funde, conhecer
o caminho das águas, Tales vez,
um cacho de pupilas eróticas dentro
dos meus olhos oclusos

Durante o dia não existo à noite
procuro dormir.

O Pássaro sem ninho senão o pássaro

Tirava Um
passe para um busKeaton
outro para a sementeira
do lixo
para o desfalquelore

proporcionar aos raios um destino pessoal
dar-lhes de comer, ser existido
no júlio viernes, o homem que era
sexta-feira

o passadiço de Todos no bus, no com bus, na combustão
com bosta, as Férteis, as Loucas do Contínuo
Mais 900 paredes levantadas, o cementério
permanece para o jogo da Glória

Lá vai O que não sabe
com uma cesta de ovos na cabeça
chocados no telegalinheiro.
O que ele acumula, que Lépido está.

Durante o dia não existo à noite
procuro dormir.

 

***

alberto augusto miranda

 

********************************

 


lido em: http://incomunidade.blogspot.com/2009/04/o-pure-do-sono.html

publicado por carlossilva às 18:42
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 28 de Junho de 2008
saída

    mulher a fazer vento espantada
    da falta do mesmo
    assim não se pranteando
    em ligeiros indícios com a mão lenta
    e um pé semovente um pouco à frente
    do que antes
    ter uma fé em suave detérmino
    devagar abandonando abandonos
    finíssima brisa nascendo em si
    sobrecalando rugidos, pancadas em rumor, gritos
    por detrás de onde a vemos sair agora
    em todos os lados o luar se faz divino
    sopro.

     

    ***

    Alberto Augusto Miranda (1956)

    Vila Real (Portugal)



publicado por carlossilva às 00:01
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
agenda
18 de abril 2013 19 de abril 2013
Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
14
15

18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

todo o rosto um anagrama

laiku

tejo, tejo, tejo

simulacrau

hospital são

abriste o silêncio e repa...

sai-me dos olhos um caval...

o puré do sono

saída

arquivos

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

a m pires cabral(4)

adelia prado(5)

adilia lopes(8)

al berto(6)

alba mendez(4)

albano martins(4)

alberte moman(8)

alberto augusto miranda(9)

alexandre teixeira mendes(11)

alfonso lauzara martinez(8)

alice macedo campos(13)

alicia fernandez rodriguez(5)

almada negreiros(4)

amadeu ferreira(8)

ana luísa amaral(6)

ana marques gastao(4)

andre domingues(5)

andreia carvalho(4)

antonio barahona(5)

antonio cabral(5)

antonio gedeao(5)

antonio ramos rosa(7)

anxos romeo(4)

ary dos santos(5)

augusto gil(4)

augusto massi(4)

aurelino costa(11)

baldo ramos(6)

bruno resende(5)

camila vardarac(9)

carlos drummond de andrade(5)

carlos vinagre(13)

cesario verde(4)

concha rousia(4)

cristina nery(5)

cruz martinez(9)

daniel filipe(5)

daniel maia - pinto rodrigues(4)

david mourão-ferreira(6)

elvira riveiro(8)

emma couceiro(4)

estibaliz espinosa(7)

eugenio de andrade(8)

eva mendez doroxo(8)

fatima vale(10)

fernando assis pacheco(4)

fernando pessoa(5)

fiamma hasse pais brandão(5)

florbela espanca(7)

gastão cruz(5)

helder moura pereira(4)

ines lourenço(6)

iolanda aldrei(4)

jaime rocha(5)

joana espain(10)

joaquim pessoa(4)

jorge sousa braga(6)

jose afonso(5)

jose carlos soares(4)

jose gomes ferreira(4)

jose luis peixoto(4)

jose regio(4)

jose tolentino mendonça(4)

jussara salazar(6)

luis de camoes(5)

luisa villalta(4)

luiza neto jorge(4)

maite dono(5)

manolo pipas(6)

manuel alegre(6)

manuel antonio pina(8)

maria alberta meneres(5)

maria do rosario pedreira(5)

maria estela guedes(7)

maria lado(6)

maria teresa horta(5)

marilia miranda lopes(4)

mario cesariny(5)

mia couto(8)

miguel torga(4)

nuno judice(8)

olga novo(17)

pedro ludgero(7)

pedro mexia(5)

pedro tamen(4)

raquel lanseros(9)

roberta tostes daniel(4)

rosa enriquez(6)

rosa martinez vilas(8)

rosalia de castro(6)

rui pires cabral(5)

sophia mello breyner andressen(7)

suzana guimaraens(5)

sylvia beirute(11)

tiago araujo(5)

valter hugo mae(5)

vasco graça moura(6)

virgilio liquito(5)

x. m. vila ribadomar(6)

yolanda castaño(10)

todas as tags

links
leitores
pesquisar
 
visitas
Free counter and web stats
blogs SAPO
subscrever feeds