Quarta-feira, 8 de Agosto de 2012
férias

ferias



publicado por carlossilva às 00:09
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 7 de Agosto de 2012
nostalgia



passaram cem anos seu eu ver o teu rosto,
prender a tua cintura,
passar o dia nos teus olhos,
questionar a tua sapiência,
e estar próximo do calor do teu ventre.

passaram cem anos que uma mulher me espera
numa bela cidade.

nós, nós estávamos na mesma rama,
nessa mesma rama.
caímos dessa mesma rama e separámo-nos.
e hoje cem anos nos afastam,
cem anos de caminho.

hoje faz cem anos que
por entre a escuridão
eu a procuro.

 

***

 

nazim hikmet ran

 

turquia, 1901 - 1963

 

*


* tradução de Pedro Calouste


lido em: http://www.blogclubedeleitores.com/2011/11/da-turquia-com-po

publicado por carlossilva às 08:54
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 6 de Agosto de 2012
guerra

guerra

tique nervoso
à espera de alguém
que venha

beber água
desabotoar as calçasacumular fôlego
jogar bola

atirar no macio
arrancar os músculos


pra sufocar
com o próprio peso
o peso do outro:

uma bigorna
um piano
um travesseiro.

 

***

 

ana guadalupe

 

*


lido em: asescolhasafectivas.blogspot.com

publicado por carlossilva às 15:29
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 5 de Agosto de 2012
engarrafamento



Trânsito parado
a namorada do alcoólatra
de olho roxo
cantando contente
no carro ao lado.
Mais à frente
a mãe indiferente
à guerra das crianças
no banco de trás.
Logo atrás
um pálido em pânico
reza ao volante sagrado
suando agarrado a ele
como se fosse seu salvador.
Do lado de lá
a moça que tem uma porca
com colar de pérolas tatuada no braço
escuta músicas jamais compostas
em um cd imaginário, inexistente.
Assim ela esquece seu cansaço
assim como a doce febre que sente.
Em helicóptero, na TV, visto do alto
engarrafamento, trânsito lento
é apenas belo bordado
de carros no asfalto quente.

 

***

 

greta benitez

 

curitiba (brasil), 1971

 

*


lido em: http://asescolhasafectivas.blogspot.pt

publicado por carlossilva às 09:00
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 4 de Agosto de 2012
poema com uma hora menos

 

poema com uma hora a menos:
chama-se rosa a mulher que tirou a mama esquerda. 
pinta o cabelo numa espécie de sangue vivo,
que é aquele vinho que passa de uns dias 
para os outros, debaixo da nossa pele,
quando nos falta o amor de um sábado
por um domingo. a rosa tem um marido
guarda prisional que gasta o que ganha
a beber e vai para a cama demorar-se
em cima dela. nunca mais acabas com isso,
diz ela, e pousa as mãos no lençol enquanto
espera. a outra mulher, a que o poema fotografou,
tem um nome de rapaz encostado ao maria,
usa peruca escura, embora ainda tenha as duas 
mamas intactas, uso isto para me proteger, diz-me,
nunca mais fiz um homem depois dos vinte e um anos,
tenho quase quarenta, às vezes o peso, e uns
lábios encostados com delicadeza, era o suficiente
para morrer. olho-a pela boca a ver se sai algum

cabelo benigno pela língua, mas desapareceu.

 

***

 

alice macedo campos

 

*


lido em: http://www.incomunidade.com

publicado por carlossilva às 09:10
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 3 de Agosto de 2012
anúnciame

 

Anúnciame
Espanta las sombras que ladran a mi paso
y los ojos curiosos que desde los resquicios
me ven andar a tientas
desandando

 

Alláname el camino
que tropiezo
porque no estaba escrito que volviera

 

(el polvo sacudido de mi cuerpo
se levanta de nuevo y se me pega)

 

Anticípame
Nada quiero dejarle a la sorpresa
Salí de mí huyendo de este grito
pero el grito me alcanzaba adonde fuera

 

***

 

américa martinez ferrer

 

caracas (venezuela), 1976

 

*

 

Anuncia-me
Espanta as sombras que ladram à minha passagem
e os olhos curiosos que pelas fendas
me veem andar às apalpadelas
recuando


Alisa-me o caminho
que tropeço
porque não estava escrito que voltaria


(o pó sacudido do meu corpo
levanta-se de novo e cola-se a mim)


Antecipa-me
Não quero deixar nada ao acaso
Saí de mim fugindo de este grito
mas o grito alcançava-me onde quer que fosse


*

[trad: cas]


lido em: http://www.gentemergente.com

publicado por carlossilva às 09:38
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 2 de Agosto de 2012
cando deixo de ser flor

 

Cando deixo de ser flor,
molesto.

 

Pero o duro era ser, o
                                   infatigablemente aciago.

 

Que eu contraese algunha seria doenza
favorecería grandemente á miña obra literaria.

 

Como non teña traballo, marcho para Las Vegas.
Nos Estados Unidos son máis guapa que en ningún sitio.

 

Pero teño sido agre e pretenciosa,
teño sorrido por interese propia,
a axetreada capitalista sexy;
compensei polos meus días de impotencia.
Ser
é o difícil.
Cando falei só contemplaron os meus labios.

 

¿Se me tomo un descanso iso
faráme irresponsable?
¿se son vulnerable
serei pisoteada?
¿se me fosen peor as cousas
quereríadesme máis?

 

Unha profusa navalla é o proxecto da identidade,
un reiseñor mecánico a tarde.
Tanto souvenir acabará con Notre Dame
¿Onde estabas cando te necesitei?

 

***

 

yolanda castaño

 

*


lido em: http://www.gentemergente.com

publicado por carlossilva às 09:17
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 1 de Agosto de 2012
el transito del alfabeto


la autopista piensa que tiempo y muerte
son el mismo dios
siente la gravedad de los cuerpos
y decide ser río

 

ahora nada le pesa
ni las rocas
ni los peces
ni las plantas
desde el fondo se ve a sí misma
corriendo en su humor alcoholado

 

comprende la mentira de la transparencia
la transparencia es ilusión
le dice el polvillo acumulado
que ella respira sin ver en la oscuridad

 

escucha palabras que entreabren algunas ventanas
siente que nada está en su lugar
no hay sistema
no hay sentido
no hay niveles ni formas
no hay orden

 

lo que hace despegar es el vacío
el alfabeto como un pasaje sin destino
el transitar erróneo de los sonidos de una lengua a otra
porque no es posible escuchar

porque es la ilusión de los borrosos escuchar

 

el alfabeto en tránsito es la ruleta rusa
la autopista cuando es río se libera del juego

 

***

 

gladys mendía

 

venezuela, 1975

 

*

 

O TRÂNSITO DO ALFABETO


a autoestrada pensa que tempo e morte
são o mesmo deus
sente a gravidade dos corpos
e decide ser rio


agora nada lhe pesa
nem as rochas
nem os peixes
nem as plantas
desde o fundo se vê a si mesma
correndo no seu humor alcoolizado


compreende a mentira da transparência
a transparência é ilusão
lhe diz o pó acumulado
que ela respira sem ver na escuridão


escuta palavras que entreabrem algumas janelas
sente que nada está em seu lugar
não há sistema
não há sentido
não há níveis nem formas
não há ordem


o que faz despegar é o vazio
o alfabeto como uma passagem sem destino
o transitar erróneo dos sons de uma língua a outra
porque não é possível escutar
porque a ilusão dos confusos é escutar


o alfabeto em trânsito é a roleta russa
a autoestrada quando é rio se liberta do jogo

 

*

 

[trad: cas]

 


lido em: http://www.gentemergente.com

publicado por carlossilva às 03:37
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
agenda
18 de abril 2013 19 de abril 2013
Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
14
15

18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

fogo e água

pára-me de repente o pens...

si digo mar

infância

trapo de voz representa o...

nana para gatos a punto d...

sou uma coluna crematória

dois poemas

nacín vello de máis

uelen

arquivos

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

a m pires cabral(4)

adelia prado(5)

adilia lopes(8)

al berto(6)

alba mendez(4)

albano martins(4)

alberte moman(8)

alberto augusto miranda(9)

alexandre teixeira mendes(11)

alfonso lauzara martinez(8)

alice macedo campos(13)

alicia fernandez rodriguez(5)

almada negreiros(4)

amadeu ferreira(8)

ana luísa amaral(6)

ana marques gastao(4)

andre domingues(5)

andreia carvalho(4)

antonio barahona(5)

antonio cabral(5)

antonio gedeao(5)

antonio ramos rosa(7)

anxos romeo(4)

ary dos santos(5)

augusto gil(4)

augusto massi(4)

aurelino costa(11)

baldo ramos(6)

bruno resende(5)

camila vardarac(9)

carlos drummond de andrade(5)

carlos vinagre(13)

cesario verde(4)

concha rousia(4)

cristina nery(5)

cruz martinez(9)

daniel filipe(5)

daniel maia - pinto rodrigues(4)

david mourão-ferreira(6)

elvira riveiro(8)

emma couceiro(4)

estibaliz espinosa(7)

eugenio de andrade(8)

eva mendez doroxo(8)

fatima vale(10)

fernando assis pacheco(4)

fernando pessoa(5)

fiamma hasse pais brandão(5)

florbela espanca(7)

gastão cruz(5)

helder moura pereira(4)

ines lourenço(6)

iolanda aldrei(4)

jaime rocha(5)

joana espain(10)

joaquim pessoa(4)

jorge sousa braga(6)

jose afonso(5)

jose carlos soares(4)

jose gomes ferreira(4)

jose luis peixoto(4)

jose regio(4)

jose tolentino mendonça(4)

jussara salazar(6)

luis de camoes(5)

luisa villalta(4)

luiza neto jorge(4)

maite dono(5)

manolo pipas(6)

manuel alegre(6)

manuel antonio pina(8)

maria alberta meneres(5)

maria do rosario pedreira(5)

maria estela guedes(7)

maria lado(6)

maria teresa horta(5)

marilia miranda lopes(4)

mario cesariny(5)

mia couto(8)

miguel torga(4)

nuno judice(8)

olga novo(17)

pedro ludgero(7)

pedro mexia(5)

pedro tamen(4)

raquel lanseros(9)

roberta tostes daniel(4)

rosa enriquez(6)

rosa martinez vilas(8)

rosalia de castro(6)

rui pires cabral(5)

sophia mello breyner andressen(7)

suzana guimaraens(5)

sylvia beirute(11)

tiago araujo(5)

valter hugo mae(5)

vasco graça moura(6)

virgilio liquito(5)

x. m. vila ribadomar(6)

yolanda castaño(10)

todas as tags

links
leitores
pesquisar
 
visitas
Free counter and web stats
blogs SAPO
subscrever feeds