Terça-feira, 31 de Julho de 2012
lábios de alejandra pizarnik


Ao tocar suavemente os lábios da noite intuí como ela dançava dentro de si.
As gotas de vinho sobre a mesa refletiam o milagre daqueles seios.
Ali dentro a música tremia com a paixão do vento pelas árvores mais altas.
Tudo nela era uma floração de mistérios.
Suas pernas alcançavam os melhores agudos.
A noite convulsa soletrava a voragem de suas ancas.
O ritmo sempre antecipado de cada vertigem.
Juro que pude ler a oração que rascunhava seus mamilos na pele interior do vestido,
    como se fosse escrita em meu próprio peito.
A noite me beija como um espelho repleto de memória, sonho transbordando imagens,
    seus lábios roçando a paisagem de corpos flutuantes entregues aos gemidos que
    escorriam pela toalha mesa abaixo.
E ao beijar-me pude entender o quanto a vida suplica para estar ali em sua fonte, aos
    pés do mito que alimenta com seu fogo líquido.
Não houve mais como regressar dos lábios dessa mulher.

 

***

 

floriano martins

 

fortaleza (brasil), 1957

 

*


lido em: http://www.gentemergente.com

publicado por carlossilva às 08:30
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 30 de Julho de 2012
miedo


Madre,
recógeme el sonido de la lluvia en el tejado del abuelo
cuéntame de las noches en que descubrí la sed por los
acantilados
y de cómo desprendiste el fuego de la luz
para permitirnos en encuentro con nuestros primeros
demonios.
Recuerda nuestra estancia eterna en los rincones de la casa
cuando aún llovían tardes grises en al arena
y la lluvia mohosa venía con abril
y todavía no tenía miedo.

 

***

 

andrea cote

 

barrancabermeja (colombia), 1981

 

*

 

Medo


Mãe,
recolhe-me o som da chuva no telhado do avô
fala-me das noites em que descobri a sede pelos
alcantilados
e de como desprendeste o fogo da luz
para permitir-nos o encontro com os nossos primeiros
demónios.
Recorda a nossa estadia eterna nos recantos da casa
quando ainda choviam tardes cinzentas na areia
e a morrinha chegava em abril
e ainda não tinha medo.


*

 

[trad: cas]


lido em: http://www.gentemergente.com

publicado por carlossilva às 08:42
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 29 de Julho de 2012
cruel hasta el fondo

 


Cruel hasta el fondo
             hay
un río en mi memoria

de niño cantaba para desviar
             el curso
           de ese río
 pero miraba hacia atrás
el río crecía y me inundaba

           ahora ya viejo
         junto a las piedras
           el río me sacude
mis pies apenas lo soportan

 

***

 

reynaldo pérez só


caracas l venezuela, 1945

 

 

*

 

Do Livro Tanmatra (1972)


***



Cruel até ao fundo
             há
um rio na memória

em criança cantava para desviar
             o curso
           desse rio
 mas olhava para trás
o rio crescia e me inundava

           agora já velho
         junto às pedras
           o rio me sacode
meus pés mal o suportam

 

*

[trd: cas]

 

 


lido em: http://www.gentemergente.com

publicado por carlossilva às 08:28
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 28 de Julho de 2012
as funções


Primeira função do mar,
transformar arriba em pedra,
pedra em areia,
areia em mar.

 

Segunda função do mar,
impedir a deslocação
dos homens,
afundar-lhes as pontes imaginárias.

 

Terceira função do mar,
aterrorizar o silêncio da costa,
engolir os pássaros,
arrancar-lhes as asas.

 

Quarta função do mar,
refrescar os desertos
plantando o sal em flor
pelos continentes.

 

Quinta função do mar,
contrariar a sua própria natureza,
fazer-se veículo,
promotor de encontros.

 

Sexta função do mar,
exagerar as distâncias do humano
demorando-lhe cada passo
na exigente multiplicação dos pesos.

 

Sétima, e última, função do mar.
Exercer sobre a multidão
o fascinante tormento
da beleza.

 

***

 

luís filipe cristóvão

 

torres vedras, 1979

 

*


lido em: http://www.gentemergente.com

publicado por carlossilva às 14:58
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 27 de Julho de 2012
quando vieres


Quando Vieres

Traz no teu canto
Todo o encanto de novos cabos
Traz as gravuras de outras ilhas
E continentes.
Traz a canela e o alecrim
E o requinte da partitura.
Traz outros fados e vivas heras
Ensina ao vento o som das quimeras
Ou chove comigo nos mesmos poros.

 

***

 

conceição lima

 

*


lido em: http://www.gentemergente.com/

publicado por carlossilva às 14:19
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 26 de Julho de 2012
avistei a boca ao entardecer

 

Avistei a boca ao entardecer.
A língua não vinha nos mapas, mas no palato agrupavam-se diversas constelações
e pertencia-lhes a ventura dos meus dedos.
Não havia notícias de outros povos
nem sequer uma mácula de cerejas.
Plantei o primeiro seio
a que chamámos macieira
e abandonei o ventre
à generosidade vegetal.
Nessa noite dormimos por dentro e por fora
do mundo.

 

***

 

catarina nunes de almeida

 

 

*


lido em: http://www.gentemergente.com

publicado por carlossilva às 14:59
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 25 de Julho de 2012
yo despierto al anochecer


Yo despierto al anochecer
a la hora en que la página madura su agonía
Los búhos aletean sobre estas ciénagas
en donde mi cuerpo destila sus delirios
el voluptuoso deseo de despertar con el sonido
de un fauno desperezándose entre frutas y aromas lejanos
Se escucha el vaivén de las horas
en este barco afantasmado
el ocre derrite sus animales
Antiguos descensos estos
que me hacen persignar al claror de la noche
en un cielo despejado por el resplandor
de una luna dormida blanco papel incandescente
Despierto al anochecer
cuando los pájaros no se dejan ver
los rostros se me pierden
en el río pardo que nos arrastra
Despierto al anochecer
a la hora en que la página madura su agonía
como un pez desorbitado de sus aguas.

 

***

 

luis henrique belmonte

 

caracas - venezuela, 1971

 

*

 

 

Eu acordo ao anoitecer
à hora em que a página madura sua agonia
As corujass adejan sobre estes lamaçais
onde meu corpo destila seus delírios
o voluptuoso desejo de acordar com o som
de um fauno a espreguiçar entre frutos e aromas distantes
Escuta-se o vaivém das horas
neste barco afantasmado
o ocre derrete seus animais
Antigos descensos estes
que me fazem persignar ao claror da noite
noite num céu despejado pelo resplendor
de uma lua dormida branco papel incandescente
Acordo ao anoitecer
quando os pássaros não se deixam ver
os rostos se me perdem
no rio pardo que nos arrasta
Acordo ao anoitecer
à hora em que a página madura sua agonia
como um peixe saido da órbita de suas águas.

 

*

 

[trad: estrella gomes]

 

*

 

(De: Cuerpo bajo la lámpara / Do Corpo baixo o lustre)


lido em: http://www.gentemergente.com/

publicado por carlossilva às 11:45
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 24 de Julho de 2012
preamar

 

O Rio de Janeiro assa. Vai
chover. Meninas fervem pelas bordas.
Há quem voe no afã da fuga. Nada.
Mamíferas emergem dando corda:
não senti o arpão bífido daqueles
olhos. Nem me afastei de nenhum barco
por amor. A malina encobre meus
desejos incompletos. Pelo mar
deslocam-se surpresas. Venta mais.
Vai chover e a cidade arde demais.
Experimento as bordas das meninas.
O pescador imita a minha cria
com gemido eletrônico. Confundo-me
com os gritos. Despeço-me de tudo.

 

***

 

lígia dabul

 

rio de janeiro

 

*


lido em: http://www.asescolhasafectivas.blogspot.pt/search/label/LIGI

publicado por carlossilva às 15:01
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 23 de Julho de 2012
a ceramista


 

                                        Trago comigo coisas abandonadas.

                                        Coisas que os homens jogaram fora:

                                        placentas, gânglios, guirlandas, guelras.

                                                   Marize Castro, "Muralha"

 

              a partir de Concha e Aurora,

              criações de Ângela Barros e Alberto Guzik

 

 

agora já são cinco privês

antes era um prédio respeitável

 

escavo escadas ante a mudez

do elevador, guilhotina pichada

 

no pó suspenso no ar

catedrais de coisas abandonadas

 

e lá dentro chafurdo com minhas duas

mãos nas peças de cerâmica

 

e como parteira tiro do barro

um caco, um vaso, um sonho, um sopro

 

***

 

ana rüsche

 

são paulo (brasil), 1979

 

*

 

 

 

 

 

 

In Sarabanda. São Paulo, Selo Demônio Negro, 2007.


lido em: http://www.asescolhasafectivas.blogspot.pt/

publicado por carlossilva às 09:00
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 22 de Julho de 2012
bolsas



La vida irrumpe desde una bolsa de aguas.
La bolsa o la vida.
Bolsa de empleo, bolsa de desempleo.
Enfundarse en la cabeza una bolsa de plástico
es un procedimiento de suicidio.
Unos se embolsan -y nunca reembolsan-
mucho de lo que muchos desembolsan.
Otros invierten en Bolsa.
Todos se sienten sucios sin su bolsa de aseo.
Para el que nada tiene,
dar un tirón de bolso es un día de vida.
Una bolsa de estudios abre un mundo,
una bolsa de viaje cierra un sueño.
El viento hace rodar las bolsas por el suelo,
las cuelga de los árboles, las dispara a las nubes.
Bolsa del pan, bolsa de petróleo.
Estallan de tristeza los bolsillos vacíos.
Cuánto cuesta ajustar la bolsa de la compra.
Qué bien ajusta la bolsa del placer.
Ocultamos los cadáveres en bolsas
para que no nos molesten.
La bolsa de basura es nuestra biografía.

 

***

 

ángel guinda

 

zaragoza, 1948

 

*


lido em: http://lasafinidadeselectivas.blogspot.pt/2008/02/ngel-guind

publicado por carlossilva às 17:45
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
agenda
18 de abril 2013 19 de abril 2013
Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
14
15

18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

fogo e água

pára-me de repente o pens...

si digo mar

infância

trapo de voz representa o...

nana para gatos a punto d...

sou uma coluna crematória

dois poemas

nacín vello de máis

uelen

arquivos

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

a m pires cabral(4)

adelia prado(5)

adilia lopes(8)

al berto(6)

alba mendez(4)

albano martins(4)

alberte moman(8)

alberto augusto miranda(9)

alexandre teixeira mendes(11)

alfonso lauzara martinez(8)

alice macedo campos(13)

alicia fernandez rodriguez(5)

almada negreiros(4)

amadeu ferreira(8)

ana luísa amaral(6)

ana marques gastao(4)

andre domingues(5)

andreia carvalho(4)

antonio barahona(5)

antonio cabral(5)

antonio gedeao(5)

antonio ramos rosa(7)

anxos romeo(4)

ary dos santos(5)

augusto gil(4)

augusto massi(4)

aurelino costa(11)

baldo ramos(6)

bruno resende(5)

camila vardarac(9)

carlos drummond de andrade(5)

carlos vinagre(13)

cesario verde(4)

concha rousia(4)

cristina nery(5)

cruz martinez(9)

daniel filipe(5)

daniel maia - pinto rodrigues(4)

david mourão-ferreira(6)

elvira riveiro(8)

emma couceiro(4)

estibaliz espinosa(7)

eugenio de andrade(8)

eva mendez doroxo(8)

fatima vale(10)

fernando assis pacheco(4)

fernando pessoa(5)

fiamma hasse pais brandão(5)

florbela espanca(7)

gastão cruz(5)

helder moura pereira(4)

ines lourenço(6)

iolanda aldrei(4)

jaime rocha(5)

joana espain(10)

joaquim pessoa(4)

jorge sousa braga(6)

jose afonso(5)

jose carlos soares(4)

jose gomes ferreira(4)

jose luis peixoto(4)

jose regio(4)

jose tolentino mendonça(4)

jussara salazar(6)

luis de camoes(5)

luisa villalta(4)

luiza neto jorge(4)

maite dono(5)

manolo pipas(6)

manuel alegre(6)

manuel antonio pina(8)

maria alberta meneres(5)

maria do rosario pedreira(5)

maria estela guedes(7)

maria lado(6)

maria teresa horta(5)

marilia miranda lopes(4)

mario cesariny(5)

mia couto(8)

miguel torga(4)

nuno judice(8)

olga novo(17)

pedro ludgero(7)

pedro mexia(5)

pedro tamen(4)

raquel lanseros(9)

roberta tostes daniel(4)

rosa enriquez(6)

rosa martinez vilas(8)

rosalia de castro(6)

rui pires cabral(5)

sophia mello breyner andressen(7)

suzana guimaraens(5)

sylvia beirute(11)

tiago araujo(5)

valter hugo mae(5)

vasco graça moura(6)

virgilio liquito(5)

x. m. vila ribadomar(6)

yolanda castaño(10)

todas as tags

links
leitores
pesquisar
 
visitas
Free counter and web stats
blogs SAPO
subscrever feeds