Quinta-feira, 31 de Maio de 2012
tremor irrevogável

 

recordo o olho de boi - trespassado - por uma lâmina - de ar -

o grito - a pedra do inacessível - os mapas do incomensurável -

voz hebreia - pão ázimo - entre a noite - o tremor irrevogável -

sobre a luz obtusa - em teu flanco - a pedra - incêndio exacto -

RETINA DO ESPESSO

transpor a retina do espesso - o gueto - tácita palavra do deserto -

ser o foragido da inconsistência - manter-me na órbitra do infindo -

reter a pedra - para inquirir - transpor o pecúlio - baú do mantimento -

 

***

 

alexandre teixeira mendes

 

*


lido em: http://douradaatempera.blogspot.pt/

publicado por carlossilva às 12:36
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 30 de Maio de 2012
la ville résidait dans nos yeux

 

La ville résidait dans nos yeux
possédait chacun d'entre nous
 nous n'y trouvions pas à redire
nous la logions elle nous hantait

le sommeil restait à sa porte
et ses lumières faisaient briller
ce que les autres prenaient souvent
pour une passion ou de la fièvre

nous l'abritions sous nos paupières
émus fanfarons et contents
et pour tout dire nous nous flattions
qu'elle nous habite pour pas un rond

et quand nous reprenions la route
transis fourbus mais pleins de force
c'est là dehors précisément
qu'elle s'acquittait de son loyer.

 

***

 

anna de sandre

 

 

 

*

 

 

A cidade residia nos nossos olhos
possuía cada um de nós
não lhe encontrávamos defeitos
nós habitávamo-la ela nos perseguia

o sono descansava à sua porta
e suas luzes faziam brilhar
o que os outros frequentemente tomavam
por uma paixão ou uma febre

nós abrigávamo-la sob nossas pálpebras
comovidos fanfarrões e contentes
e francamente nos orgulhávamos
de que nos habitasse  por uma rodada

e quando retomávamos a estrada
transidos exaustos mas cheios de força
era lá fora precisamente
que ela cumpria o seu aluguer.

 

*

[trad: cas]



publicado por carlossilva às 13:43
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 29 de Maio de 2012
fuego mutilado

 

Me prometo a diario descuidarte
pues me corre el pesar por cuenta ajena
tan extensa trinchera abrió esta pena
que muero porque vivo para amarte.

Tu piel es la membrana de una estrella
no te logro alcanzar por más que intento
se multiplica el ansia del momento
y malvendo mi ardor en la querella.

Tan caras tus caricias por goteo
agridulce suplicio de mi antojo
tan lejano tu puerto a mi deseo
tan vuelva usted mañana, trampantojo.

Alíviame esta cruz, mi cirineo
o firma del afán mi desalojo.

 

***

 

raquel lanseros

 

*

 

Fogo mutilado

 

Prometo cada dia descuidar-te
pois corre-me o pesar por conta alheia
tão extensa trincheira abriu esta pena
que morro porque vivo para amar-te.

Tua pele é a membrana de uma estrela
não consigo alcançar-te por mais que tente
multiplica-se a ânsia do momento
e desperdiço meu ardor na querela.

Tão caras tuas carícias por gotejo
agridoce suplicio de meu capricho
tão distante o teu porto do meu desejo
tão volte amanhã, ilusão.

Alivia-me esta cruz, meu cireneu
ou assina do afã o meu despejo.

 

*

[trad: cas]


lido em: http://poetasalacarta.blogspot.com/2012/01/poetas-espanoles-

publicado por carlossilva às 14:07
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 28 de Maio de 2012
índice ecmenésio

 

Antes de me afastar demasiado de mim

Apurei-nos, em toda a geistória, este momento

: as pétalas sacrificiais de Santa Teresinha, a água com sal para os pés.

Incensários volatilizam o verso sesquipedal

Em heréticas viagens iconoclastas e cristalinos vómitos de alma&lama.

As fontes? A autobiografia de setenta e dois anjos, nove livros perdidos da Lemuria e da

Atlântida, cem queimados da Alexandria e da Inquisição,

Dez que ainda não se escreveram, doze que jamais saberei.

Heterodoxas paráfrases de amor e medo, parábases hardcorïf

Amalgamadas locuções desensarilhantes, metáforas metabolizantes

Atónitas tautologias ab aeternum, catóptricas sub-atómicas fórmulas de porvir

(de quem vive no meio sem estar em pré-determinada direcção)

Fátima desvendada intra-molecularmente e o diabo uma fada inter-galáctica

Premissas pseudo-parabolóides, diasporizantes, emigrantes de mim

Metamorfoses sonambúlicas, teorias do caos e súbitas cosmogonias

Subtis pitadas da minha própria cinza

- da mão, do abraço, do UM BIG O

; porque já soube a minha idade; porque sinto a dor, mas não a sou

;porque estou e não estou

Serôdias análises combinatórias: AAM MAA AMA MMA…

Uploads via oral, turbinas de deslembranças, ternas voragens.

 

E a haver culpa deste apetite, é da policromia dos meus irmãos de [ser]

Das tascas e dos restaurantes fusion gourmet onde me levam

- juntos somos “a escada em espiral que se afunda e se eleva”

A confluência de [três rios], incertos mundos paralelos

A faculdade de descrever o oximoro, todas as Faculdades

Nascentes de promessas que curam e que matam.

Nós e o Silêncio

Inervados no circuito micromacrocósmico, incubadoras de nada e tudo

Transportamos a babel heptagonal na metodologia do Infinito.

Os pés que continuem imersos. Talvez estejamos na iminência de algo:

 

***

 

suzana guimaraens

 

*


lido em: paradox.sou

publicado por carlossilva às 11:46
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 27 de Maio de 2012
do siêncio das flâmulas

 

abro os braços para as cinzentas alamedas do cárcere
e como  escrava vou medindo o vacilante silêncio das flâmulas

dentro do ventre da voz contida sento-me  enquanto descanso
com o mono mais barato da família sagrada entre os pés

à passagem da lâmina pela superfície do abandono
escorrem fios do meu  sangue sobre as costas do dogma

eis a maravilha reposta ao volante dos lábios
circulam-me pelas artérias todos os milagres do universo

 

***

 

fátima vale

 

*



publicado por carlossilva às 12:09
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 26 de Maio de 2012
a doença

 

o meu corpo parece um cão deitado.

às vezes penso que outro cão se aproxima de mim,

para me cheirar ou lamber,

mas nunca acontece.

às vezes são os homens que se aproximam.

são cinco e estão nus,

mas mal sentem o cheiro viram costas,

na pele, como se gravado a ferro em brasas,

um tem escrito o,

outro tem escrito meu,

outro tem escrito corpo,

outro tem escrito no,

outro tem escrito teu.

os cinco homens juntos formam

o meu corpo no teu.

mas de costas são apenas homens

sem qualquer serventia.

nem sequer me lambem como um cão vadio.

às vezes penso nas mulheres destes homens:

estão em casa, muito gordas, de avental,

com o jantar à espera.

penso no corpo delas, deformado,

a barriga acumulando-se sobre as coxas,

cheia de mamas.

os homens chegam a casa, sentam-se a comer,

passam da mesa para o corpo,

sentam-se a comer.

imagino o que as mulheres lhe dizem:

aqui tens o teu jantar,

ao mesmo tempo que colocam

o prato

e o corpo

sobre a mesa

 

***

 

alice macedo campos

 

*


lido em: um cao em cada dedo

publicado por carlossilva às 12:22
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 25 de Maio de 2012
paura


Nuda come uno sterpo
nella piana notturna
con occhi di folle scavi l’ombra
per contare gli agguati.
Come un colchico lungo
con la tua corolla violacea di spettri
tremi
sotto il peso nero dei cieli.

 

***

 

antonia pozzi

 

milão, 1912

 

*


Medo

Nua como uma vara
em chão noturno
com olhos de loucura escavas a sombra
para contar as emboscadas.
Como um açafrão-do-prado
com a tua corola violácea de espectros
tremes
debaixo do negro peso dos céus

 

*

 

[trad: aam]


lido em: meninasvamosaovira.blogspot.pt

publicado por carlossilva às 14:11
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 24 de Maio de 2012
sul ponticello


Sobre o teu silencio de madeira de espiño
nevamos coma un augurio as miñas mans e o inverno

O meu amor por ti é un decibelio de prata

Fico sentada no umbral de audición a ver como chega a palabra…

O meu cráter en repouso afuma bosques antigos
transpiro pola pel dun animal extinto
e a mucosa da tristeza cicatriza
en contacto directo coa luz dos órganos e os astros

O meu cráter de epitelio e cinzas
O meu cráter de queratina e granito

O meu amor por ti está feito de paz atómica
O meu pensamento fórmase
mediante un choque térmico contigo
Vou camiño de lonxe
sóbranme os ollos para verte

pero
vou contigo da man sul ponticello
son a máis pequena e aguda da familia
dos instrumentos de corda
pero dille por deus á túa boca ancestral
que me morda

 

***

 

olga novo

 

*


lido em: crater
tags:

publicado por carlossilva às 19:10
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 23 de Maio de 2012
electricity, 1876

 

When I came to, in that year
           of bamboo, then carbon, then
                  filament, I learned to make

           my own light. At night, my breasts were incandescent,

soft as white spotlighted jades.
          And the school girls who knew
                  how to see in the dark brought me

      back in their arms. We set up our atelier in the city’s

reddest section. We plied the marquee
           makers with our sugared tips, took
                  their likenesses with powdered flash;

           some took their last names. I just held their trembling faces.

When the men changed, grew
           more famous still, we painted our faces
                  in an electric gold the blind could see.

           And Tesla hung our brothel lights, made our copper eggs

stand on their ends – but I took Edison
           to my bed. For him, I coiled a wet-
                  licked curl and buried it in a bulb,

           I pressed my hands together. The city smoldered, then burned.

 

***

 

brittany cavallaro

 

 

 

*

 

 

Electricidade, 1876

 

Quando vim, nesse ano

de bambu, depois carvão, depois

filamento,  aprendi a fazer 

                

a minha própria luz. À noite, os meus seios estavam incandescentes,

 

macios na brancura de focos de jade.

E as miúdas que estudavam e sabiam

como ver no escuro trouxeram-me

 

de volta nos seus braços. Estabelecemos o nosso atelier na mais vermelha

 

secção da cidade. Fizemos os artilheiros

de toldos com os nossos sinais de açúcar

conquistámos

as suas semelhanças com a faísca

em pó;

           algumas ficaram com os seus apelidos. Eu apenas segurei as suas caras tremeluzentes.


Quando os homens mudaram, cresceram

ainda mais famosos, pintámos os nossos rostos

com um eléctrico dourado que um cego podia ver.

E Tesla pendurou as nossas luzes de bordel, manteve os nossos ovos de cobre

 

nos seus terminais – mas eu levei Edison

para a minha cama. Por ele, encaracolei um cabelo na boca lasciva

e encasquetei-o numa lâmpada,


Comprimo as minhas mãos. A cidade abrasada, a seguir ardida.      

 

*

 

[trad: alberto miranda]


lido em: http://meninasvamosaovira.blogspot.pt/

publicado por carlossilva às 14:50
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 22 de Maio de 2012
quantas vezes ouvi o meu pai dizer

 

Quantas vezes ouvi o meu pai dizer:

não escolhas muito a roupa com que sais.

A bala que contorna a esquina

não se intimida com a beleza.

 

***

 

vasco gato

 

*


lido em: resumo: a poesia em 2011

publicado por carlossilva às 12:01
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
agenda
18 de abril 2013 19 de abril 2013
Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
14
15

18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

fogo e água

pára-me de repente o pens...

si digo mar

infância

trapo de voz representa o...

nana para gatos a punto d...

sou uma coluna crematória

dois poemas

nacín vello de máis

uelen

arquivos

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

a m pires cabral(4)

adelia prado(5)

adilia lopes(8)

al berto(6)

alba mendez(4)

albano martins(4)

alberte moman(8)

alberto augusto miranda(9)

alexandre teixeira mendes(11)

alfonso lauzara martinez(8)

alice macedo campos(13)

alicia fernandez rodriguez(5)

almada negreiros(4)

amadeu ferreira(8)

ana luísa amaral(6)

ana marques gastao(4)

andre domingues(5)

andreia carvalho(4)

antonio barahona(5)

antonio cabral(5)

antonio gedeao(5)

antonio ramos rosa(7)

anxos romeo(4)

ary dos santos(5)

augusto gil(4)

augusto massi(4)

aurelino costa(11)

baldo ramos(6)

bruno resende(5)

camila vardarac(9)

carlos drummond de andrade(5)

carlos vinagre(13)

cesario verde(4)

concha rousia(4)

cristina nery(5)

cruz martinez(9)

daniel filipe(5)

daniel maia - pinto rodrigues(4)

david mourão-ferreira(6)

elvira riveiro(8)

emma couceiro(4)

estibaliz espinosa(7)

eugenio de andrade(8)

eva mendez doroxo(8)

fatima vale(10)

fernando assis pacheco(4)

fernando pessoa(5)

fiamma hasse pais brandão(5)

florbela espanca(7)

gastão cruz(5)

helder moura pereira(4)

ines lourenço(6)

iolanda aldrei(4)

jaime rocha(5)

joana espain(10)

joaquim pessoa(4)

jorge sousa braga(6)

jose afonso(5)

jose carlos soares(4)

jose gomes ferreira(4)

jose luis peixoto(4)

jose regio(4)

jose tolentino mendonça(4)

jussara salazar(6)

luis de camoes(5)

luisa villalta(4)

luiza neto jorge(4)

maite dono(5)

manolo pipas(6)

manuel alegre(6)

manuel antonio pina(8)

maria alberta meneres(5)

maria do rosario pedreira(5)

maria estela guedes(7)

maria lado(6)

maria teresa horta(5)

marilia miranda lopes(4)

mario cesariny(5)

mia couto(8)

miguel torga(4)

nuno judice(8)

olga novo(17)

pedro ludgero(7)

pedro mexia(5)

pedro tamen(4)

raquel lanseros(9)

roberta tostes daniel(4)

rosa enriquez(6)

rosa martinez vilas(8)

rosalia de castro(6)

rui pires cabral(5)

sophia mello breyner andressen(7)

suzana guimaraens(5)

sylvia beirute(11)

tiago araujo(5)

valter hugo mae(5)

vasco graça moura(6)

virgilio liquito(5)

x. m. vila ribadomar(6)

yolanda castaño(10)

todas as tags

links
leitores
pesquisar
 
visitas
Free counter and web stats
blogs SAPO
subscrever feeds