Quarta-feira, 30 de Novembro de 2011
a árvore da sombra

 

 A árvore da sombra
tem as folhas nuas
como a própria árvore ao meio-dia
quando se finca à terra
e espera
como um cão espera o regresso do dono.
Nós abrigamo-nos mais tarde ou mesmo agora num lugar
muito distante
onde o tempo recorta
um tapete que esvoaça no papel.
A casa da sombra
é branca e habitada.
Somos nós ainda
sentados ao fogo que o teu sorriso
acende e aconchega
no silêncio que ilumina
a árvore da sombra
para que a noite desenhe
o seu nome visível
e a sombra possa contemplar
os ramos mais belos e o tronco mais esguio
do seu objecto.
Nesta sombra há um imenso amor
ao meio-dia.
A hora dos prodígios
é feita de segundos do tempo que há-de vir
e o horizonte
é a proximidade total da tua boca.

 

***

 

rosa alice branco

 

*


lido em: http://antologiadoesquecimento.blogspot.com/2006/05/rvore-da

publicado por carlossilva às 00:08
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 29 de Novembro de 2011
canção

 

Na fome verde das searas roxas
passeava sorrindo Catarina.
Na fome verde das searas roxas
ai a papoula cresce na campina!

Na fome roxa das searas negras
que levas, Catarina, em tua fronte?
Na fome roxa das searas negras
ai devoravam os corvos o horizonte!

Na fome negra das searas rubras
ai da papoula, ai de Catarina!
Na fome negra das searas rubras
trinta balas gritaram na campina.

Trinta balas
te mataram a fome, Catarina.

 

***

 

papiniano carlos

 

*


lido em: http://www.astormentas.com/PT/poema/7823/Can%C3%A7%C3%A3o

publicado por carlossilva às 00:03
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 28 de Novembro de 2011
cantiga do campo

Por que andas tu mal commigo?
Ó minha doce trigueira?
Quem me dera ser o trigo
Que, andando, pisas na eira!

Quando entre as mais raparigas
Vaes cantando entre as searas,
Eu choro ao ouvir-te as cantigas
Que cantas nas noutes claras!

Os que andam na descamisa
Gabam a violla tua,
Que, ás vezes, ouço na brisa
Pelos serenos da lua.

E fallam com tristes vozes
Do teu amor singular
Áquella casa onde cozes,
Com varanda para o mar.

Por isso nada me medra,
Ando curvado e sombrio!
Quem me dera ser a pedra
Em que tu lavas no rio!

E andar comtigo, ó meu pomo,
Exposto ás chuvas e aos soes!
E uma noute morrer como
Se morrem os rouxinoes!

Morrer chorando, n'um choro
Que mais as magoas consolla,
Levando só o thesouro
Da nossa triste violla!

Por que andas tu mal commigo?
Ó minha doce trigueira?
Quem me dera ser o trigo
Que, andando, pisas na eira!

 

***

 

gomes leal

 

*


lido em: http://www.citador.pt/poemas/cantiga-do-campo-antonio-gomes-

publicado por carlossilva às 11:16
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 27 de Novembro de 2011
Gorges du Dadés

 

ainda o lacre cor de sangue de bovino; a henna nas unhas das mulheres (um cão)

a rua sunmersa pela noite do Rif traz sempre o teu cheiro (arromba portas)

levanta as folhas do chão e planta árvores ao longo do meu caminho de regresso

("nunca se contam histórias sem mentir um pouco"); já de costas voltadas

a tua voz regressa  de todas as partes do céu: maquilhada  de simpatia e pudor

uma vermelha torrente de silêncios - as bancas expondo cabeças de carneiros

(e seus corações)

 

a espera pela muito demorado correio enviado por mim para este lugar

como a pele da cabra abandonada no chão (acabada de abater)

e odores de almíscar (a Teogonia pousada e a mostarda a colar-se-me aos olhos)

as mãos demasiado bem tratadas ante meus calcanhares fendidos

 

ali vendedores de uma felicidade sempiterna no coração e no retiro das virilhas;

circulam desde a memória da tua imagem: lambretas de escape solto - o atropelamento

abro os olhos e a gasolina incendeia-se por todo o meu corpo e pela traqueia abaixo

enquanto te vejo chegar nua pintada de um azul majorelle entre a cintura e o umbigo

 

tudo sob uma água de anel e índigo (que te levarei por prenda no meu silêncio)

a caixa de rapé - escolhida entre as demais por seus signos berberes

irá também empacotada; no malão, a demasiada roupa (que regressará limpa)

uma melopeia à beira dos caminhos (não te encontrei em curva alguma;

nem na esquina da Rue des Souks) porque chove na praça  - agora vazia

 

na charuteira de cabedal as minhas canetas, os lápis e um termómetro sem préstimo

O Rio do Céu a prometer para a tarde de amanhã O Caminho de Santiago - um cão

o verde inteiro da margem a derreter-se dos teus olhos para os espaços fechados;

agradeço a Deus por mais este dia: não te vi no teu lugar (de cinzas) sexta-feira

um cão morto na berma da estrada: escarlate e azul nas esvaziadas miudezas

 

("nota que os trazem limpos os calcanhares são os que mais rezam")

o quarto vazio onde ainda assim nos descalçávamos - o teu pescoço arranhado;

oxalá irei (só eu) pelo deserto pisando as areias que (ainda) te arrepiam os pés;

uma oração por cabeça: já o cão ao ombro do pastor num alforge  da cor dos teus olhos

 

***

 

alexandre sarrazola

coimbra, 1970

 

*


lido em: Publico

publicado por carlossilva às 16:29
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 26 de Novembro de 2011
meu país desgraçado


Meu país desgraçado!...
E no entanto há Sol a cada canto
e não há Mar tão lindo noutro lado.
Nem há Céu mais alegre do que o nosso,
nem pássaros, nem águas ...

Meu país desgraçado!...
Por que fatal engano?
Que malévolos crimes
teus direitos de berço violaram?

Meu Povo
de cabeça pendida, mãos caídas,
de olhos sem fé
— busca, dentro de ti, fora de ti, aonde
a causa da miséria se te esconde.

E em nome dos direitos
que te deram a terra, o Sol, o Mar,
fere-a sem dó
com o lume do teu antigo olhar.

Alevanta-te, Povo!
Ah!, visses tu, nos olhos das mulheres,
a calada censura
que te reclama filhos mais robustos!

Povo anêmico e triste,
meu Pedro Sem sem forças, sem haveres!
— olha a censura muda das mulheres!
Vai-te de novo ao Mar!
Reganha tuas barcas, tuas forças
e o direito de amar e fecundar
as que só por Amor te não desprezam

 

***

 

sebastião da gama

 

*


lido em: http://www.astormentas.com

publicado por carlossilva às 02:22
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 24 de Novembro de 2011
greve geral



publicado por carlossilva às 01:03
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 23 de Novembro de 2011
testamento do poeta

 

Todo esse vosso esforço é vão, amigos:

Não sou dos que se aceita... a não ser mortos.

Demais, já desisti de quaisquer portos;

Não peço a vossa esmola de mendigos.

 

O mesmo vos direi, sonhos antigos

De amor! olhos nos meus outrora absortos!

Corpos já hoje inchados, velhos, tortos,

Que fostes o melhor dos meus pascigos!

 

E o mesmo digo a tudo e a todos, - hoje

Que tudo e todos vejo reduzidos,

E ao meu próprio Deus nego, e o ar me foge.

 

Para reaver, porém, todo o Universo,

E amar! e crer! e achar meus mil sentidos!....

Basta-me o gesto de contar um verso.

 

***

 

josé régio

 

*


lido em: http://www.revista.agulha.nom.br/jos02.html

publicado por carlossilva às 02:05
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 21 de Novembro de 2011
a lâmina, o punhal



Não haverá futuro — e haverá
somente esta lâmina
de quartzo lacerando
a carne amarrotada. E haverá
somente este punhal
de cinza cravado
entre almofadas inúteis
e lençóis vazios.

 

***

 

albano martins

 

*


lido em: http://www.revista.agulha.nom.br/alm.html#comoumeco

publicado por carlossilva às 00:03
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 20 de Novembro de 2011
fingir que está tudo bem: o corpo rasgado e vestido

 

fingir que está tudo bem: o corpo rasgado e vestido
com roupa passada a ferro, rastos de chamas dentro
do corpo, gritos desesperados sob as conversas: fingir
que está tudo bem: olhas-me e só tu sabes: na rua onde
os nossos olhares se encontram é noite: as pessoas
não imaginam: são tão ridículas as pessoas, tão
desprezíveis: as pessoas falam e não imaginam: nós
olhamo-nos: fingir que está tudo bem: o sangue a ferver
sob a pele igual aos dias antes de tudo, tempestades de
medo nos lábios a sorrir: será que vou morrer?, pergunto
dentro de mim: será que vou morrer?, olhas-me e só tu sabes:
ferros em brasa, fogo, silêncio e chuva que não se pode dizer:
amor e morte: fingir que está tudo bem: ter de sorrir: um
oceano que nos queima, um incêndio que nos afoga.

 

***

 

josé luis peixoto

 

*


lido em: http://www.astormentas.com/peixoto.htm

publicado por carlossilva às 00:06
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 19 de Novembro de 2011
tudo o que não é literatura aborrece-me

Para o Tiago

 

Tudo o que não é literatura aborrece-me -

queixava-se um checo muito conhecido.

As nossas vidas, aliás, deviam acontecer sempre no futuro,onde, no fundo, sucedem todos os romances.

O nosso estilo teria a nitidez dos tratados científicos

e a força da descrição de uma batalha -

embora os críticos tentassem

transformar tudo isto num relatório criminal

ou no argumento para um filme de Domingo à tarde.

O Eduardo Prado Coelho era capaz de fazer isso.

 

Mas é preciso fugir ao máximo dos museus de cera,

perseguir os funcionários públicos do senso comum,

evitar que as mulheres feias tenham filhos.

Aliás, é urgente matar toda a gente que tem fome.

Por isso, não me venhas com xaropes e bancos alimentares.

Não me trates as doenças.

Não levantes a mão.

Vem, vem apenas,

come as you are

- embora seja tarde.

Vem para esta sala de baile com portas cheias de musgo

e vozes molhadas em tabaco.

 

Vem passar uma noite nos seus cantos húmidos

onde coronéis e generais

levantavam as saias à história.

 

Já tirámos os cavalos,

já limpámos as trincheiras.

 

Vem ralar na minha pele arrepiada

a cor pálida da lua

como se fosse a casca de um limão.

 

Vem sem falta -

o palco está vazio,

a sala cheia.

Com o passo lento das derrotas,

um macaco vestido de Shakespeare

conduzir-te-á ao último acto.

 

***

 

golgona anghel

 

alexandria (roménia), 1979

 

*

 


lido em: Publico

publicado por carlossilva às 11:50
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
agenda
18 de abril 2013 19 de abril 2013
Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
14
15

18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

fogo e água

pára-me de repente o pens...

si digo mar

infância

trapo de voz representa o...

nana para gatos a punto d...

sou uma coluna crematória

dois poemas

nacín vello de máis

uelen

arquivos

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

a m pires cabral(4)

adelia prado(5)

adilia lopes(8)

al berto(6)

alba mendez(4)

albano martins(4)

alberte moman(8)

alberto augusto miranda(9)

alexandre teixeira mendes(11)

alfonso lauzara martinez(8)

alice macedo campos(13)

alicia fernandez rodriguez(5)

almada negreiros(4)

amadeu ferreira(8)

ana luísa amaral(6)

ana marques gastao(4)

andre domingues(5)

andreia carvalho(4)

antonio barahona(5)

antonio cabral(5)

antonio gedeao(5)

antonio ramos rosa(7)

anxos romeo(4)

ary dos santos(5)

augusto gil(4)

augusto massi(4)

aurelino costa(11)

baldo ramos(6)

bruno resende(5)

camila vardarac(9)

carlos drummond de andrade(5)

carlos vinagre(13)

cesario verde(4)

concha rousia(4)

cristina nery(5)

cruz martinez(9)

daniel filipe(5)

daniel maia - pinto rodrigues(4)

david mourão-ferreira(6)

elvira riveiro(8)

emma couceiro(4)

estibaliz espinosa(7)

eugenio de andrade(8)

eva mendez doroxo(8)

fatima vale(10)

fernando assis pacheco(4)

fernando pessoa(5)

fiamma hasse pais brandão(5)

florbela espanca(7)

gastão cruz(5)

helder moura pereira(4)

ines lourenço(6)

iolanda aldrei(4)

jaime rocha(5)

joana espain(10)

joaquim pessoa(4)

jorge sousa braga(6)

jose afonso(5)

jose carlos soares(4)

jose gomes ferreira(4)

jose luis peixoto(4)

jose regio(4)

jose tolentino mendonça(4)

jussara salazar(6)

luis de camoes(5)

luisa villalta(4)

luiza neto jorge(4)

maite dono(5)

manolo pipas(6)

manuel alegre(6)

manuel antonio pina(8)

maria alberta meneres(5)

maria do rosario pedreira(5)

maria estela guedes(7)

maria lado(6)

maria teresa horta(5)

marilia miranda lopes(4)

mario cesariny(5)

mia couto(8)

miguel torga(4)

nuno judice(8)

olga novo(17)

pedro ludgero(7)

pedro mexia(5)

pedro tamen(4)

raquel lanseros(9)

roberta tostes daniel(4)

rosa enriquez(6)

rosa martinez vilas(8)

rosalia de castro(6)

rui pires cabral(5)

sophia mello breyner andressen(7)

suzana guimaraens(5)

sylvia beirute(11)

tiago araujo(5)

valter hugo mae(5)

vasco graça moura(6)

virgilio liquito(5)

x. m. vila ribadomar(6)

yolanda castaño(10)

todas as tags

links
leitores
pesquisar
 
visitas
Free counter and web stats
blogs SAPO
subscrever feeds