Segunda-feira, 31 de Outubro de 2011
pegadas en espinho

 

as pegadas onte
espinho solpor e noite

pasando o minho
o douro pasando
chegamos a espinho

á beira do aberto ferido mar
abertas palabras no solpor
da galiza e portugal

q de vian cadernos en espinho
o setimo andar a porta verde
pegadas que andan cara o sul
deste tempo ben conscientes

imaxes e textos das munditaçôes
moitas espiñas temos cravadas
ai espinho nas nosas terras atlanticas
ai irmâos polas tribos separadas

 

***

 

manolo pipas

 

*

 


lido em: http://www.envolventesaspalabras.info/

publicado por carlossilva às 09:59
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 29 de Outubro de 2011
staccato

 

A estranheza

e a morosidade

tingidas

 

aqui e ali

de alguma réstia

de deslumbre

 

dizem que

dizem que

viver é isso

 

a verdade é

não sei

não sei mesmo

 

mas algo me diz

a ser

a ser mesmo

 

assim

não me admirava

nada

 

***

 

rui caeiro

 

(vila viçosa, 1943)

 

*


lido em: Público

publicado por carlossilva às 12:21
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 28 de Outubro de 2011
voz de leonard cohen

 

 

(e=55)

 

queremos tudo de bom para o poeta

paisagens simples e eloquentes
rapazes que por lá passeiam como um feitiço involuntário
e o vento.......................................
que é uma teia de aranha
mas a contrario
insinuando em todas as coisas
(ao princípio de algum tempo)
o desejo de sair do sítio

também uma biblioteca de sóis
que a leitura torna noite ou ficção
as mais subtis lérias científicas
o décimo terceiro mês
e o subsídio de férias

[tudo
para que o poeta chegue à boca de cena
e
caso seja essa a sua verdade
diga que não é feliz]

 

***

 

pedro ludgero

 

*


lido em: http://cabodaboatormenta.blogspot.com/

publicado por carlossilva às 11:45
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 27 de Outubro de 2011
a man, esta man que te procura

 

A man, esta man que te procura
debuxa o lento amañecer sobre o teu corpo,
a mesma man que onte á noite un a un
baixou os doces degraus da tua camisa,
descorreu a cortina do artifício,
puxo o tempo a brillar na tua pel
e no teu sexo, agora tan sereo.
A man, esta man, conten-no todo,
o balcón do teu dormir sobre o meu leito,
o teu soño de onte e de desexo
e a selva de mañá, a incógnita, a cegueira.
Ela fabrica o teu molde desde o saúdo
con que te vin perto de min por vez primeira,
co tacto doutros corpos e os seus buques
de adeuses, guerras, leviandades
xoguetes rotos de risas desafiadas
De ti recebe o gozo de mover-se, esta man,
artesá da matéria dunha vida
e tamén do vacio impreso en lume
con que te volverá a formar despois, no frio.

***

 

luisa villalta

 

*


lido em: http://www.aelg.org/Centrodoc/GetPageById.do?id=obra223&form

publicado por carlossilva às 12:54
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 26 de Outubro de 2011
o medo


Se vou e me desprendo de adobíos
qué ficará senón tanta nudez,
ao leu irán tripando os sentimentos
a esfera do amargo,
o berro inútil.
Se vou e me descobren e me rendo
cun mollo de afectos-tesouro pendurados
hei volver, de certeza, á matogueira
que me agarda co refuxio e a gorida.


***

 

 

elvira riveiro tobío

 

*


lido em: http://falstaffnabretema.blogspot.com/2008/11/o-medo-de-elvi

publicado por carlossilva às 18:18
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 25 de Outubro de 2011
gústanche os xogos de imáns, palabra irmá de diamante

 

gústanche os xogos de imáns, palabra irmá de diamante,
gústanche as faces nas pedras
as pirámides e os prismas e a visión da mosca

gústache o que dá voltas arredor dun eixe fixo
un sistema

e cando todo así
sobre todo gústache o que vén de non se sabe
e desimanta o punto fixo
e desacorda e desprisma
e desaparece
e non tivo nome nin lugar
nin traxectoria

 

***

 

estíbaliz espinoza

 

*


lido em: http://www.enfocarte.com/PoesiaGallega/espinoza.html

publicado por carlossilva às 10:52
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 24 de Outubro de 2011
lapinha

 

Para a Lorena

 

Às 21h25 a ilha fecha,

o último pássaro metálico

deixando para trás os portões

encerrados das lagoas.

É um tempo de aranhas

esquecidas das teias, aves

suspensas no voo, amigos

que invocam em silêncio as estações

e recordam ainda a Criação,

camada por camada.

 

Sobre os homens desce então

uma redoma de nuvens, que a estrela

única vem selar. Cada um risca

as fronteiras do sonho com sebes

de hortênsias ou muros de basalto,

esperando depois que as três

voltas do milhafre não o surpreendam

entre as espigas altas do mundo.

 

E o medo torna-se subitamente

navegável, mar de minúsculas

e carnudas conchas estendido

a nossos pés, para que possamos

sempre caminhar sobre

as águas.

 

***

 

inês dias

 

(lisboa, 1976)

 

*


lido em: Público
tags:

publicado por carlossilva às 03:33
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 23 de Outubro de 2011
abrecartas

 

a chuvia trouxo a violencia consaguínea dos pétalos de camelia, espetando no chan ese refluxo carmesí de sombra no céspede, colleitando un beizo para cada unha dos alxibes do resío e logo, axiña, unha pinga de salaio en cada boca, unha dinastía de soles enferruxados alén dos brazos encarnados, despois ergueuse para soñar máis día  e vestiuse para marchar, tiña unha pegadas no seu van que a abrigaban do medo e abriu a porta do cuarto para deixar atrás a luz e o mel pegañento da palabra, sabía que había de volver, e habia de baer máis e, xa, tarde, decatouse de que adiara a roupa interior, tiña moita presa, a presa que dá irse para volver, baixou de vagar cara á estación, sentiu o bruído do tren e pestanexou amodo cuns intres imprecisos cos ollos abotoándoa dentro, cara dentro, e cando subiu ó vagón sentiu frescas a mans da seca, no colo tiña unhas febras de veludo, unhas follas de herba e a dozura cincenta dos papos nas páxinas dun xornal, pasaba pola segunda estación ata que prender no sono, flash dun misto, alampa, unha fotografia, un fotograma gastando os tempos, e o sorriso aquel que apegaba selos no seu corpo, porque el lle había de apuntar inda que a súa pel xa non fose de papel e deixara tódolos sobres abertos no leito co seu aquel.

 

***

 

xosé maría vila ribadomar

 

*


lido em: fotogramática

publicado por carlossilva às 17:55
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 22 de Outubro de 2011
o homem que entrou no meu pulso
 
o homem que entrou no meu pulso mais firme, está agora a subir os degraus intermináveis de uma habitação surda. no relógio-vidro, entre as escadas, começam as horas da paixão. da raiz masculina de uma árvore, que é em parte a coluna viva deste homem, surge a ideia de trabalhar o amor cuidadosamente, para que o leite que passa, de uma árvore a outra, produza folhagem sonoramente verde. quando abre a porta, algures aqui por cima, tem a atenção de se transformar num abraço, antes de progredir à carne iminente. ninguém sabe a dança a que o corpo se suja, se a beleza o fez. toda a pele é uma estrada navegável para quem deseja, e a nudez uma estátua paralela desde os tornozelos até ao pestanejar. se cair uma pedra a toda a altura da casa, ou se o eco de um grito, vindo debaixo, assustar o homem, estará o autor disponível para o converter num acto secundário? neste ponto, o vento tomba incessante o mar de janeiro.

 

***

 

alice macedo campos

 

*

 


lido em: http://partimonio.blogspot.com/

publicado por carlossilva às 02:58
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 21 de Outubro de 2011
a serpe - nuvens cerradas

- CÓDICES - NO FUNDO DAS ÁGUAS -

sob a luz inigualável - a argúcia da pedra - no ar - simetria do imponderável -

a serpe - entre as colunas sobrepostas - nuvens cerradas - mapas do anónimo -

baús - telas emolduradas - demónios e peixes - códices - no fundo das águas -

 

***

 

alexandre teixeira neves

 

*


lido em: http://douradaatempera.blogspot.com/

publicado por carlossilva às 02:05
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
agenda
18 de abril 2013 19 de abril 2013
Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
14
15

18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

fogo e água

pára-me de repente o pens...

si digo mar

infância

trapo de voz representa o...

nana para gatos a punto d...

sou uma coluna crematória

dois poemas

nacín vello de máis

uelen

arquivos

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

a m pires cabral(4)

adelia prado(5)

adilia lopes(8)

al berto(6)

alba mendez(4)

albano martins(4)

alberte moman(8)

alberto augusto miranda(9)

alexandre teixeira mendes(11)

alfonso lauzara martinez(8)

alice macedo campos(13)

alicia fernandez rodriguez(5)

almada negreiros(4)

amadeu ferreira(8)

ana luísa amaral(6)

ana marques gastao(4)

andre domingues(5)

andreia carvalho(4)

antonio barahona(5)

antonio cabral(5)

antonio gedeao(5)

antonio ramos rosa(7)

anxos romeo(4)

ary dos santos(5)

augusto gil(4)

augusto massi(4)

aurelino costa(11)

baldo ramos(6)

bruno resende(5)

camila vardarac(9)

carlos drummond de andrade(5)

carlos vinagre(13)

cesario verde(4)

concha rousia(4)

cristina nery(5)

cruz martinez(9)

daniel filipe(5)

daniel maia - pinto rodrigues(4)

david mourão-ferreira(6)

elvira riveiro(8)

emma couceiro(4)

estibaliz espinosa(7)

eugenio de andrade(8)

eva mendez doroxo(8)

fatima vale(10)

fernando assis pacheco(4)

fernando pessoa(5)

fiamma hasse pais brandão(5)

florbela espanca(7)

gastão cruz(5)

helder moura pereira(4)

ines lourenço(6)

iolanda aldrei(4)

jaime rocha(5)

joana espain(10)

joaquim pessoa(4)

jorge sousa braga(6)

jose afonso(5)

jose carlos soares(4)

jose gomes ferreira(4)

jose luis peixoto(4)

jose regio(4)

jose tolentino mendonça(4)

jussara salazar(6)

luis de camoes(5)

luisa villalta(4)

luiza neto jorge(4)

maite dono(5)

manolo pipas(6)

manuel alegre(6)

manuel antonio pina(8)

maria alberta meneres(5)

maria do rosario pedreira(5)

maria estela guedes(7)

maria lado(6)

maria teresa horta(5)

marilia miranda lopes(4)

mario cesariny(5)

mia couto(8)

miguel torga(4)

nuno judice(8)

olga novo(17)

pedro ludgero(7)

pedro mexia(5)

pedro tamen(4)

raquel lanseros(9)

roberta tostes daniel(4)

rosa enriquez(6)

rosa martinez vilas(8)

rosalia de castro(6)

rui pires cabral(5)

sophia mello breyner andressen(7)

suzana guimaraens(5)

sylvia beirute(11)

tiago araujo(5)

valter hugo mae(5)

vasco graça moura(6)

virgilio liquito(5)

x. m. vila ribadomar(6)

yolanda castaño(10)

todas as tags

links
leitores
pesquisar
 
visitas
Free counter and web stats
blogs SAPO
subscrever feeds