Segunda-feira, 28 de Fevereiro de 2011
están estas memorias

 

Están estas memorias
de gata enferma,
las persianas sucias y manchitas de sangre en el espejo del baño.
La mujer hincada frente a una enorme ventana
que da a la calle de abajo,
la tele prendida
y luces intermitentes
que traen y se llevan una sombra.
Está la poetita desnuda
con todos sus defectos cotidianos,
alquilando su muerte
a un posible fantasma
que la aguarda.
Está la orilla de la sombra
en su punto intransigente
y dibujado en la puerta
un péndulo incontenible
de rebelión que no se pudo.
Si no fuera porque te conozco
habría un filo de navaja en el suelo
o una cuerda colgando del horror.

 

***

 

alejandra castro

costa rica, 1974

 

*

 

Há estas memórias
de gata doente,
as persianas sujas
e pequenas manchas de sangue
no espelho do lavatório.
A mulher depositada
diante de uma enorme janela
que dá para a rua de baixo,
a tele-prisão
e luzes intermitentes
que chegam e levam uma sombra.
Há a pequena poeta nua
com todos os seus defeitos quotidianos,
alugando a sua morte
a um possível fantasma
que a espera.
Há a margem da sombra
no seu ponto intransigente
e desenhado na porta
um pêndulo imparável
de rebelião que não se consegue.
Se não fosse por te conhecer
haveria um fio de navalha no chão
ou uma forca pendurada no horro

 

[trad: aam]


lido em: http://meninasvamosaovira.blogspot.com/search/label/alejandr

publicado por carlossilva às 00:55
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 27 de Fevereiro de 2011
povoamento

 

No teu amor por mim há uma rua que começa
Nem árvores nem casas existiam
antes que tu tivesses palavras
e todo eu fosse um coração para elas
Invento-te e o céu azula-se sobre esta
triste condição de ter de receber
dos choupos onde cantam
os impossíveis pássaros
a nova primavera
Tocam sinos e levantam voo
todos os cuidados
Ó meu amor nem minha mãe
tinha assim um regaço
como este dia tem
E eu chego e sento-me ao lado
da primavera

 

***

ruy belo

s. joão da ribeira, 1933 - 1978

 

*


lido em: http://www.citador.pt/poemas.php?op=10&refid=200809210305
tags:

publicado por carlossilva às 00:40
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 25 de Fevereiro de 2011
arrojos

 

Se a minha amada um longo olhar me desse
Dos seus olhos que ferem como espadas,
Eu domaria o mar que se enfurece
E escalaria as nuvens rendilhadas.

Se ela deixasse, extático e suspenso
Tomar-lhe as mãos mignonnes e aquecê-las,
Eu com um sopro enorme, um sopro imenso
Apagaria o lume das estrelas.

Se aquela que amo mais que a luz do dia,
Me aniquilasse os males taciturnos,
O brilho dos meus olhos venceria
O clarão dos relâmpagos noturnos.

Se ela quisesse amar, no azul do espaço,
Casando as suas penas com as minhas,
Eu desfaria o Sol como desfaço
As bolas de sabão das criancinhas.

Se a Laura dos meus loucos desvarios
Fosse menos soberba e menos fria,
Eu pararia o curso aos grandes rios
E a terra sob os pés abalaria.

Se aquela por quem já não tenho risos
Me concedesse apenas dois abraços,
Eu subiria aos róseos paraísos
E a Lua afogaria nos meus braços.

Se ela ouvisse os meus cantos moribundos
E os lamentos das cítaras estranhas,
Eu ergueria os vales mais profundos
E abateria as sólidas montanhas.

E se aquela visão da fantasia
Me estreitasse ao peito alvo como arminho,
Eu nunca, nunca mais me sentaria
As mesas espelhentas do Martinho.

 

***

cesário verde

lisboa, 1855 - 1886

 

*


lido em: http://www.citador.pt/poemas.php?op=10&refid=200809060022

publicado por carlossilva às 00:45
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 24 de Fevereiro de 2011
arte poética

 

Iludir os alarmes,

as câmaras de segurança,

a paranóia infravermelha.

Entrar com os pés descalços,

avançando rente ao solo,

o coração no sítio certo.

Não ter pressa, fugir só

no último segundo, nunca

pela saída da emergência.

 

***

 

josé mário silva

paris, 1972

 

*


lido em: Luz Indecisa

publicado por carlossilva às 15:09
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 23 de Fevereiro de 2011
morte clériga

 

o avô cavernoso

instituiu a chuva

Ratificou a demora

Persignou-se

Ninguém o chora agora

Perfumou-se

Vinte mil léguas de virgens vieram

Inúteis e despidas

Flores de malva

E a boina bem segura

Sobre a calva

 

Ao avô cavernoso quem viu a tonsura?

E a tenda dos milagres e a privada?

Na tenda que foi nítida conjura

As flores de malva murcham devagar

Devagar

Até que se ouvem gritos matinados

 

***

josé afonso

aveiro, 1929 - 1987

 

*


lido em: josé afonso

publicado por carlossilva às 00:45
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 22 de Fevereiro de 2011
porque escondes a noite no teu ventre?

 

Porque escondes a noite no teu ventre?

Nesse país de sombra onde se calam as palavras.

Aí, no escuro lago onde estremece a flor da amendoeira

e onde vão morrer todos os cisnes.

 

Eu desvendo a tua dor, o teu mistério

de caminhares assim calada e triste,

quando viajo em ti com as mãos nuas e o coração louco

no mais fundo de ti, onde só tu existes.

 

Oh, eu percorro as tuas coxas devagar

dobrando-as lentamente contra o peito

e penetro em delírio a tua noite

esporeando éguas no teu sangue.

 

***

joaquim pessoa

barreiro, 1948

 

*


lido em: 125 poemas - antologia poética

publicado por carlossilva às 00:37
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 21 de Fevereiro de 2011
hospital são

 

Que matança receber-vos. E desmemória: pensava-vos mais castrejos, menos pululantes às comidas. Desapareceram-me recentemente dois seres, assim vos trespasso como transparentes. Consumo ainda algumas regressões para manter certo emprego.

As onanotecnologias encontraram no meu corpo um recipiente perfeito.

Não sou dada. Ide. O atelier do transtorno é a última porta à direita.

Que de baloiços, cavalinhos, almofadas, escorregas, posso deixar. É como se tivesse praticado a lei das sesmarias, que de bem me sinto.

Comam esse bolo-cadáver.

 

***

alberto augusto miranda

vila real, 1956


lido em: Lembrandt

publicado por carlossilva às 00:13
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 20 de Fevereiro de 2011
de mim para ti

 

 

lucia aldao

a coruña, 1982


lido em: http://www.youtube-nocookie.com/watch?v=eJwP0Dh8n-0&feature=

publicado por carlossilva às 00:04
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 19 de Fevereiro de 2011
a porta aporta

 

a porta roda ao invés da lua

a porta roda bússula enterrada ao invés dos olhos

a porta geme é um cão nocturno

a porta geme extinta na trela da noite

a porta areia

a porta caruncho pária de mar

a porta maré que vem e que vai que bate e que fecha

a porta com máscara de morte

a porta sem sorte

a porta joelho na alma das portas

a porta mulher da casa de passe

a porta manchou a manhã com o grito de porta

a porta enforcada no mastro da casa

a porta por asa

a porta roda

a porta sexo a vida toda

a porta tosca da madrugada pregos são estrelas mortas

a porta pregada

a porta leilão

a porta batente a porta aranha por coração

a porta tu

a porta eu

a porta ninguém na terra pequena

a porta roda

a porta geme

a porta facho

a porta leme

 

***

luísa neto jorge

lisboa, 1939 - 1989

 

*


lido em: http://www.mulheres-ps20.ipp.pt/Luisa_Neto_Jorge.htm#Biograf

publicado por carlossilva às 00:29
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 18 de Fevereiro de 2011
o espírito

 

Nada a fazer, amor, eu sou do bando

Impermanente das aves friorentas;

E nos galhos dos anos desbotando

Já as folhas me ofuscam macilentas;

 

E vou com as andorinhas. Até quando?

À vida breve não perguntes: cruentas

Rugas me humilham. Não mais em estilo brando

Ave estroina serei em mãos sedentas.

 

Pensa-me eterna que o eterno gera

Quem na amada o conjura. Além, mais alto,

Em ileso beiral, aí me espera:

 

Andorinha indemne ao sobressalto

Do tempo, núncia de perene primavera.

Confia. Eu sou romântica. Não falto.

 

***

natália correia

fajã de baixo - s. miguel, 1923 - 1993

 

*


lido em: Sonetos Românticos

publicado por carlossilva às 00:29
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
agenda
18 de abril 2013 19 de abril 2013
Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
14
15

18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

fogo e água

pára-me de repente o pens...

si digo mar

infância

trapo de voz representa o...

nana para gatos a punto d...

sou uma coluna crematória

dois poemas

nacín vello de máis

uelen

arquivos

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

a m pires cabral(4)

adelia prado(5)

adilia lopes(8)

al berto(6)

alba mendez(4)

albano martins(4)

alberte moman(8)

alberto augusto miranda(9)

alexandre teixeira mendes(11)

alfonso lauzara martinez(8)

alice macedo campos(13)

alicia fernandez rodriguez(5)

almada negreiros(4)

amadeu ferreira(8)

ana luísa amaral(6)

ana marques gastao(4)

andre domingues(5)

andreia carvalho(4)

antonio barahona(5)

antonio cabral(5)

antonio gedeao(5)

antonio ramos rosa(7)

anxos romeo(4)

ary dos santos(5)

augusto gil(4)

augusto massi(4)

aurelino costa(11)

baldo ramos(6)

bruno resende(5)

camila vardarac(9)

carlos drummond de andrade(5)

carlos vinagre(13)

cesario verde(4)

concha rousia(4)

cristina nery(5)

cruz martinez(9)

daniel filipe(5)

daniel maia - pinto rodrigues(4)

david mourão-ferreira(6)

elvira riveiro(8)

emma couceiro(4)

estibaliz espinosa(7)

eugenio de andrade(8)

eva mendez doroxo(8)

fatima vale(10)

fernando assis pacheco(4)

fernando pessoa(5)

fiamma hasse pais brandão(5)

florbela espanca(7)

gastão cruz(5)

helder moura pereira(4)

ines lourenço(6)

iolanda aldrei(4)

jaime rocha(5)

joana espain(10)

joaquim pessoa(4)

jorge sousa braga(6)

jose afonso(5)

jose carlos soares(4)

jose gomes ferreira(4)

jose luis peixoto(4)

jose regio(4)

jose tolentino mendonça(4)

jussara salazar(6)

luis de camoes(5)

luisa villalta(4)

luiza neto jorge(4)

maite dono(5)

manolo pipas(6)

manuel alegre(6)

manuel antonio pina(8)

maria alberta meneres(5)

maria do rosario pedreira(5)

maria estela guedes(7)

maria lado(6)

maria teresa horta(5)

marilia miranda lopes(4)

mario cesariny(5)

mia couto(8)

miguel torga(4)

nuno judice(8)

olga novo(17)

pedro ludgero(7)

pedro mexia(5)

pedro tamen(4)

raquel lanseros(9)

roberta tostes daniel(4)

rosa enriquez(6)

rosa martinez vilas(8)

rosalia de castro(6)

rui pires cabral(5)

sophia mello breyner andressen(7)

suzana guimaraens(5)

sylvia beirute(11)

tiago araujo(5)

valter hugo mae(5)

vasco graça moura(6)

virgilio liquito(5)

x. m. vila ribadomar(6)

yolanda castaño(10)

todas as tags

links
leitores
pesquisar
 
visitas
Free counter and web stats
blogs SAPO
subscrever feeds