Segunda-feira, 31 de Janeiro de 2011
improviso em resposta a um questionário íntimo...

 

 

 

1. Desmarquei todas as consultas
para não saber a data precisa da minha morte
2. e para não ter de renovar
o guarda-roupa
3. a cor das paredes ficou fantástica
não fora a cegueira das mãos
4. os manuais escolares os jornais e
as revistas velhas não couberam no papelão
5. as estantes da sala não celebraram ainda
o milagre da ressurreição
6. os brinquedos do quarto do espelho
continuam à espera de pilhas novas
7. as velas deixaram de contar
o fogo que as silenciou
8. e as flores que entretanto murcharam
também.

 

***

ademar santos

braga, 1952 - 2010

 

*

 


lido em: http://abnoxio.weblog.com.pt/

publicado por carlossilva às 00:47
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 30 de Janeiro de 2011
la colada

 

 

Imaginar la eternidad
desde la terraza
de un décimo piso.

Las palabras tienen el vértigo
que sientes
al divisar la muerte desde arriba.

El eco chirría,
nunca el silencio
fue tan revelador.

Somos cáscara,
algo que cuelga con pinzas
en el tendedero,
movidos por el aire,
hartos de tanto miedo.

 

***

sara herrera peralta

jerez de la frontera, 1980

 

*


lido em: http://elfuturotieneformadehuracan.blogspot.com/

publicado por carlossilva às 01:00
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 29 de Janeiro de 2011
falésia

Vem-me à tona o chão de lages escurecido - as luzes da noite - e do alto do céu o atelier - de ardósia irrevogável - Choviscava - tinha trinta e cinco anos - Na velha torre - de pedra e cal - ao longo da duna - vi o acaso rubro - sobre o mar verde e os relâmpagos reflectidos - Que se me evoca a convulsão e a árvore do júbilo - Entre as tendas da praia - junto à falésia - no rasto da luz prateada - a voz do inominado.

 

***

alexandre teixeira mendes

refojos, 1959

 

*

 

***

elisabete pires monteiro

sully-sur-loire, 1974

 

*

 

Falaise

 

Il me vient au dessus le plancher de dalles noircies - les lumiéres de la nuit - et du sommet du ciel - l'atelier - d'ardoise irrévocable - Il ne pleuvait - jávais trente cinq ans - Dans la vieille tour - de pierre et de chaux - au long de la lune - jái vu l'horizon pourpre - sur la mer et les éclairs réfléchis - Qui m'invoque la convulsion et l'arbre de la réjouissance - Entre les tentes de la plage - prés de la falaise - sur la trace de la lumiére argentée - la voix de l'innominé.

 

[trad. elisabete pires monteiro]


lido em: Voz do Emerso

publicado por carlossilva às 00:58
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 28 de Janeiro de 2011
no voo de um anjo

 

Estavas onde os anjos devem estar:

sob as arcadas, nos portais, no crepúsculo

morno dos alpendres sobre a praia,

e se tinhas asas eram transparentes e velozes

como as dos insectos que o vento arrasta

para a indecifrável perdição das noites.

suponho que me vigiavas como se vigiam,

na solidão do Outono, os moribundos,

não porque cobiçasses a minha alma

ou o silêncio lunar das minhas queixas

entre o queijo e as uvas das tardias ceias,

Vinhas dos gelos das catedrais, muito longe,

dos sótãos do assombro das lendas,

e voavas sempre, entre a margem

e as copas das árvores sem nome.

E eu que te chamava anjo em nada crendo,

segui o teu rasto através da areia

e nem à boca das estrelas revelei o teu nome.

 

***

josé jorge letria

cascais, 1951

*


lido em: Produto Interno Lírico

publicado por carlossilva às 13:18
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 27 de Janeiro de 2011
quiromancia sanguínea
o meu público esmaga-se com amoras
e uvas de sangue nas mãos e nas manhãs
e esta chuva, que irrompe como uma catástrofe e uma náusea,
reencontra o seu sentido num passeio de fogo e dióxido e petróleo
com as marés sobre os lábios
transito para o outro lado da ponte com as luzes apagadas
e amarro-me nas gretas
com as amoras presas sobre o tempo e a chuva
lanternas de negro submersas nas candeias
abismo de pulsos e gotas de sangue
que os meus vidros cristalizam uma outra dor
- a da vida -
e esta manhã irrompe-me a boca com amoras
e tonturas
adivinho a dor por entre os dentes
e as artérias
***

carlos vinagre

 

*


lido em: http://carlosvinagre.blogspot.com/

publicado por carlossilva às 15:33
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 26 de Janeiro de 2011
o bote do azucre

 

o bote do azucre
este bote
porque nunca o nomeamos mellor
é cárcere de vidro de conversas e favores dos vecinos insomnes
director do preludio para ferrada e pocillos
eles saben do que falo
do bote ó que lle comemos a médula a culleradas sen respiro
cadáver que enterramos en doce para non ulilo a podrecer
velo descarnar sabelo falando
entre as follas de caña pechadas ó vacío
é a hora do café para o inquilino alúgame ti un pouco de cariño
gústame porque hai pouco que viñestes
que aínda está
a culleriña dentro.

 

***

maria lado

cee (a coruña), 1978

 

*


lido em: http://www.enfocarte.com/PoesiaGallega/lado.html

publicado por carlossilva às 13:15
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 25 de Janeiro de 2011
dois corpos tombando na água (5)

 

desenha com a ponta dos teus dedos

as fronteiras exactas do meu rosto

as rugas   os sinais   a cicatriz que ficou da infância

o lento sulco das lâminas onde no peito

se enterra o mistério do amor

 

e diz-me

o que de mim amaste noutros corpos

noutras camas   moutra pele

 

porometo que não choro mas repete

as palavras um dia minhas que sem querer

misturaste nas tuas e levaste

com as chaves da casa e os documentos do carro

- e largaste sobre a mesa com o copo de gin a meio

na primeira madrugada em que me esqueceste

 

***

alice vieira

lisboa, 1942

 

*


lido em: dois corpos tombando na água

publicado por carlossilva às 16:13
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 24 de Janeiro de 2011
soy la mirada indiscreta...

 

Soy la mirada indiscreta que repasa a tus padres,
la falda de la última amiga de la lista,
los rizos del poeta escarmentado,
las manos de quien más me importa.
Después me hago pasar por un vaso de cristal
y apenas sin darme cuenta
me hago añicos a seis por ocho.
Nadie en esa sala padece ni un mísero corte,
ni tan siquiera un rasguño
a pesar de golpearse contra mí, de pisarme...
No se dan cuenta, no sienten
y presumen de ganarse la vida con ello.
Soy la mirada indiscreta que apunta a tus padres;
los repaso con un ritmo acelerado
mientras, casi al mismo tiempo, soy un vaso de cristal.
Cuando deja de sonar la música
eres tú quien sangra mis heridas
porque estoy empeñada en mutilarme
revolcada en cristales viejos
y sólo una buena cola
puede reparar al vaso suicida...
esta vez a dos por cuatro.

 

***

almudena vidorreta

zaragoza, 1986

 

*

 

Sou o olhar indiscreto que examina teus pais,
a saia da última amiga da lista,
o riso do poeta ,
as mãos de quem mais me importa .
Então faço-me passar por um copo de cristal
e quase sem me aperceber
desfaço-me em pedaços de seis dos oito.
Ninguém naquela sala sofre um mísero corte
nem sequer um arranhão
apesar de esbarrar contra mim, de me pisar ...
Não se apercebem, não sentem
e presumem com isso ganhar a vida.
Sou o olhar indiscreto apontando a teus pais;
examino-os em ritmo acelerado
enquanto, quase ao mesmo tempo, sou um copo de cristal.
Quando a música pára de tocar
és tu quem sangra minhas feridas
porque estou empenhada em mutilar-me
espojada em vidros velhos
e apenas uma boa cola
pode reparar o copo suícida ...
desta vez em dois por quatro.

 

[trad-cas]



lido em: http://www.labellavarsovia.com/autores/vidorreta.html

publicado por carlossilva às 19:34
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 23 de Janeiro de 2011
los sordos


I


la casa que compré me dijeron
fue la casa de los sordos
donde la madre murió enferma en una pieza

cuando ella se marchó todos se fueron
dejando la casa intacta

me recibió la ropa de la muerta en el ropero

sus fotos enmarcadas en la pared
las cremas de belleza vencidas en el botiquín del baño

voy a vaciar esta casa
voy a abrir los cajones hurgar detrás

las casa de los sordos
será mi casa

las piedras de Gretel siempre dieron
con un bolsillo agujereado

 

***

viviana abnur

buenos aires, 1964

 

*

 

*

*

 

Os surdos

 

I

 

a casa que comprei, disseram-me,

foi a casa dos surdos

onde, numa sala, morreu a mãe doente

 

quando ela partiu todos se foram

deixando a casa intacta

 

 

recebida pela roupa da morta no armário

 

suas fotos emolduradas na parede

os velhos cremes de beleza no armário da casa de banho

 

vou esvaziar a casa

vou abrir as gavetas espreitar por trás

 

a casa dos surdos

será a minha casa

 

as pedras de Gretel sempre deram

com um bolso esburacado

 

[trad: cas]


lido em: http://poetasalvolante.blogspot.com/2007/08/viviana-abnur.ht

publicado por carlossilva às 18:50
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 22 de Janeiro de 2011
elegia (I)


Mas para que serve o pássaro?
Nós o contemplamos inerte.
Nós o tocamos no mágico fulgor das penas.
De que serve o pássaro se
desnaturado o possuímos?

O que era voo e eis
que é concreção letal e cor
paralisada, íris silente, nítido,
o que era infinito e eis
que é peso e forma, verbo fixado, lúdico

O que era pássaro e é
o objeto: jogo
de uma inocência que

o contempla e revive
— criança que tateia
no pássaro um
esquema de distâncias —

mas para que serve o pássaro?

O pássaro não serve. Arrítmicas
brandas asas repousam.

 

***

orides fontela

s. joão da boa vista (SP), 1940 - 1998

 

*

 



lido em: http://partimonio.blogspot.com/

publicado por carlossilva às 20:13
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
agenda
18 de abril 2013 19 de abril 2013
Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
14
15

18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

fogo e água

pára-me de repente o pens...

si digo mar

infância

trapo de voz representa o...

nana para gatos a punto d...

sou uma coluna crematória

dois poemas

nacín vello de máis

uelen

arquivos

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

a m pires cabral(4)

adelia prado(5)

adilia lopes(8)

al berto(6)

alba mendez(4)

albano martins(4)

alberte moman(8)

alberto augusto miranda(9)

alexandre teixeira mendes(11)

alfonso lauzara martinez(8)

alice macedo campos(13)

alicia fernandez rodriguez(5)

almada negreiros(4)

amadeu ferreira(8)

ana luísa amaral(6)

ana marques gastao(4)

andre domingues(5)

andreia carvalho(4)

antonio barahona(5)

antonio cabral(5)

antonio gedeao(5)

antonio ramos rosa(7)

anxos romeo(4)

ary dos santos(5)

augusto gil(4)

augusto massi(4)

aurelino costa(11)

baldo ramos(6)

bruno resende(5)

camila vardarac(9)

carlos drummond de andrade(5)

carlos vinagre(13)

cesario verde(4)

concha rousia(4)

cristina nery(5)

cruz martinez(9)

daniel filipe(5)

daniel maia - pinto rodrigues(4)

david mourão-ferreira(6)

elvira riveiro(8)

emma couceiro(4)

estibaliz espinosa(7)

eugenio de andrade(8)

eva mendez doroxo(8)

fatima vale(10)

fernando assis pacheco(4)

fernando pessoa(5)

fiamma hasse pais brandão(5)

florbela espanca(7)

gastão cruz(5)

helder moura pereira(4)

ines lourenço(6)

iolanda aldrei(4)

jaime rocha(5)

joana espain(10)

joaquim pessoa(4)

jorge sousa braga(6)

jose afonso(5)

jose carlos soares(4)

jose gomes ferreira(4)

jose luis peixoto(4)

jose regio(4)

jose tolentino mendonça(4)

jussara salazar(6)

luis de camoes(5)

luisa villalta(4)

luiza neto jorge(4)

maite dono(5)

manolo pipas(6)

manuel alegre(6)

manuel antonio pina(8)

maria alberta meneres(5)

maria do rosario pedreira(5)

maria estela guedes(7)

maria lado(6)

maria teresa horta(5)

marilia miranda lopes(4)

mario cesariny(5)

mia couto(8)

miguel torga(4)

nuno judice(8)

olga novo(17)

pedro ludgero(7)

pedro mexia(5)

pedro tamen(4)

raquel lanseros(9)

roberta tostes daniel(4)

rosa enriquez(6)

rosa martinez vilas(8)

rosalia de castro(6)

rui pires cabral(5)

sophia mello breyner andressen(7)

suzana guimaraens(5)

sylvia beirute(11)

tiago araujo(5)

valter hugo mae(5)

vasco graça moura(6)

virgilio liquito(5)

x. m. vila ribadomar(6)

yolanda castaño(10)

todas as tags

links
leitores
pesquisar
 
visitas
Free counter and web stats
blogs SAPO
subscrever feeds