Quinta-feira, 30 de Setembro de 2010
quadras (2)

A vida é uma ribeira;
Caí nela, infelizmente…
Hoje vou, queira ou não queira,
Aos trambolhões na corrente.

Crês que ser pobre é não ter
Pão alvo ou carne na mesa?
Mas é pior não saber
Suportar essa pobreza!

O luxo valor não tem
Nos que nascem p’ra pequenos:
Os pobres sentem-se bem
Com mais pão luxo a menos!

A esmola não cura a chaga;
Mas quem a dá não percebe
Ou ela avilta, que ela esmaga
O infeliz que a recebe.

A ninguém faltava o pão,
Se este dever se cumprisse:
- Ganharmos em relação
Com o que se produzisse.

O homem sonha acordado;
Sonhando a vida percorre…
E desse sonho dourado
Só acorda, quando morre!

Quantas, quantas infelizes
Deixam de ser virtuosas…
E depois são seus juízes
Os que as fazem criminosas!...

Sem que o discurso eu pedisse,
Ele falou; e eu escutei.
Gostei do que ele não disse;
Do que disse não gostei.

Tu, que tanto prometeste
Enquanto nada podias,
Hoje que podes – esqueceste
Tudo quanto prometias…

Chegasses onde pudesses;
Mas nunca devias rir
Nem fingir que não conheces
Quem te ajudou a subir!

Os que bons conselhos dão
Às vezes fazem-me rir,
- Por ver que eles próprios são
Incapazes de os seguir.

Mesmo que te julguem mouco
Esses que são teus iguais,
Ouve muito e fala pouco:
Nunca darás troco a mais!

Entra sempre com doçura
A mentira, pr’a agradar;
A verdade entra mais dura,
Porque não quer enganar.

Se te censuram, estás bem,
P’ra que a sorte te perdure;
Mal de ti quando ninguém
Te inveje nem te censure!

 

***

antónio aleixo

(Vila Real de Santo António, 1899 —1949)

 

**************************



publicado por carlossilva às 11:47
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 29 de Setembro de 2010
não saberás quem

não saberás quem pronunciará o teu nome
quando o caminho desejado for por todos desconhecido
seguirás, extraindo dos abismos as gargalhadas
tua loucura misturando-se com a tarde
e na montanha em forma de crânio – belvedere de gritos
os teus outros eus, elevados
anunciarão a morte do silêncio.
***
camila vardarac
brasil
*******************



publicado por carlossilva às 11:12
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 28 de Setembro de 2010
ánfora exhausta

 

facendo noite baixo bastardía algunha

entre madeixas manicha tela

un soño en diálogo outorga antónimo

tempo no que descansamos ata a alborada dos

concordato /

e promontorios de soberbia pasaxeira

fraterna fosa de ánfora exhausta

 

***

abilio rodríguez

vigo, 1974

 

****************


lido em: a porta verde do sétimo andar

publicado por carlossilva às 11:29
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 26 de Setembro de 2010
queremos galego

no meu soño eramos exploradores
que levabamos botas con cordóns de palabras
enredadas,
subíndonos polas pernas

botabámonos ao monte
cos pantalóns arremangados
para sentir o contacto das letras na pel,
lonxe do anonimato da cidade,
onde ninguén podía destruírnos a lingua
nin arruinarnos as infancias

descubriamos tribos máis civilizadas
que os mutiladores do século XXI
e xurabamos que a guerra
acabariámola gañando en galego,
por unanimidade,
cos petos inchados de historia

 

***

ledicia costas

vigo, 1979

*****************


lido em: http://sondabrea.blogspot.com/

publicado por carlossilva às 11:58
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 25 de Setembro de 2010
A Veemência da Pedra, Tomar, O Baphomet

 

1.

 

FRÉMITO DA LUZ

Que imagem se esvai - na opacidade da cal - sob a lâmpada esquiva -

Figura emerge - imprevisível - na noite - se desvela - inconcebível -

No frémito - da cegueira - pelas colunas da insânia - sinais do tácito -

Pelo obscuro - rente ao plausível - - traz consigo - a luz inesgotável ? –

 

 

2.

BAPHOMET

Quem se furta à diligência do específico - no que perscruto - escuta o som do oblíquo?-

Junto do abrupto - ilumina - o anónimo - a figura do incisivo - a abóbada do aéreo ?-

Quem se detém na pedra - arco a céu descoberto - o baphomet - ogiva do minucioso?-

 

3.

NAVES DO COMPACTO

O que se desvela - na veemência da pedra - pelas naves do compacto -

Baixo-relevo - sumptuoso - cifra que a luz obscureceu - corpo inverso -

Rastro da cegueira - absorta limpidez - as imagens do incomensurável? -

 

4.

O IRREMIDIÁVEL GRIFO

Quem se detém - pelos sinais do disforme - na demência da luz - vislumbra - a pedra -

A exígua coluna - na cúpula do constante - ante o assombro - o irremediável grifo ?-

Sobre o baixo-relevo - retoma - a sapiência do convulso - os sinais do imponderável ?-

 

5.

A PROFUSÃO DO OBSCURO

Sobre as colunas - nuas - as figurações do discreto - o chão do impenetrável -

A nave - o sal - a cal - infindável abóbada - que descerras - nesse tumulto -

Os choupos - ervas - pátio amplo - sobre as águas - a profusão do obscuro -

No que concedo - as arquitecturas do aéreo - rasgão límpido - sortilégio haurido -

Número e figura - oblíqua - o não-dito - secreto cambiante - pedra do inexprimível? -

 

 

***

 

alexandre teixeira mendes

 

refojos, 1959

 

*************************


lido em: http://douradaatempera.blogspot.com/

publicado por carlossilva às 12:38
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 24 de Setembro de 2010
38.

 

Ela diz, é a sua primeira fala depois de morta.

 

tapar-te-ei com os meus cetins como se o meu

corpo fosse um risco no céu.

 

O homem sabe que as palavras são apenas uma

memória. A sua cintura procura reviver depois

de os cães o terem dilacerado. É um grito, um

beijo frio. Ela avança com a roupa ensanguentada.

Mas é apenas uma moldura envolvida pelo âmbar,

uma luminosidade difusa, saída de uma necrópole.

Um dos lados do seu rosto fica negro, como se a

lua tivesse passado por cima dele e o deixasse

marcado por uma dor.

 

***

 

jaime rocha

 

nazaré, 1949

 

*****************

 



lido em: necrophilia

publicado por carlossilva às 10:20
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 23 de Setembro de 2010
triloxía adverbio de cansancio


1

Habítasme infartos

Levo no envés da máscara a ecografia da nena iniciática,

o nacemento que non presenciaredes porque eu non quero

e terxiversades imaxes

e digo cabreadíssima que aínda non preciso invocar infancia.

Pero levo tanto tempo mentindo

que xa me chaman poeta

e ti aínda te me repites a cada ostia

ou latexo,

tirándome da alma igual que un adverbio de cansancio.

 

2

Habítasme infartos.

Ocupeime de pechalo todo tan herméticamente

que esquecín exiliarte.

Eramos nictálopes feridos na mesma noite

na que hoxe aspiro,

e noto a carreiras polas veas

todo o ilegal da necesidade obsesiva

 

(nunca máis non sentir nada)

 

Preciso quitamedos na memoria,

e non quero repetir a mesma desgracia

porque aínda non son quen de esquecer o corpo dela

morto nos descampados...

Por iso teño tanto medo dos malos

e tiven que aprender a defenderme coa boca.

Non é xusto que se me vexan nenúfares nos ollos,

nin que veña outra violencia facerme chorar en publico

 

3

Habítasme infartos.

Alucinar era cada perna túa meténdoseme nos ollos,

estancias pervertidas en bibliotecas

facendo cousas entre os libros.

Enches de loucuras botellas secuestradas por compañias telefónicas

e insistes en chamarme filla bastarda de carrol e de Humbert.

Últimamente todo é unha canción para que xoguen as nenas.

Temo violarte ás agachadas reclamando unha vinganza histórica

ou lávame o cerebro que o teño suxo.

 

E un nome de perdición contido na palabra blasFEMIA

e eu aqui dislocada e vós mirando,

e o que xa non tremeluce:tremsLUCÌA (triste imperativo),

o fondo do bar perde a cabeza por nóas.

Somos lucérnulas.

Un día hannos botar de todos os sitios...

 

Habítasme infartos

excesos

sobredoses de carencias...

Tanto adverbio en ti: adverbio de cansancio.

 

***

 

lucía aldao

 

coruña, 1982

 

************************


lido em: http://martelo.com.sapo.pt/incomunidade_04.htm

publicado por carlossilva às 09:45
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 22 de Setembro de 2010
com licença poética

 

Quando nasci um anjo esbelto,
desses que tocam trombeta, anunciou:
vai carregar bandeira.
Cargo muito pesado pra mulher,
esta espécie ainda envergonhada.
Aceito os subterfúgios que me cabem,
sem precisar mentir.
Não sou feia que não possa casar,
acho o Rio de Janeiro uma beleza e
ora sim, ora não, creio em parto sem dor.
Mas o que sinto escrevo. Cumpro a sina.
Inauguro linhagens, fundo reinos
— dor não é amargura.
Minha tristeza não tem pedigree,
já a minha vontade de alegria,
sua raiz vai ao meu mil avô.
Vai ser coxo na vida é maldição pra homem.
Mulher é desdobrável. Eu sou.

 

***

 

adélia prado

 

divinópolis, minas gerais, 1935

 

***************


lido em: http://www.luso-poemas.net/

publicado por carlossilva às 19:21
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 21 de Setembro de 2010
incansable

incansable

a vinganza viaxa sen pagar billete

 

odio

perderme nas túas palabras

buscando irme lonxe

máis aló do centeo perdido da historia

desa herba que curte o pensamento

ate facelo infinito

 

afirmo

inconscientemente

a liberdade alén destas barreiras

cercas de arame en perpetua tensión

para desoír o teu mandato

só por iso

e tan só por iso

ódiome a min mesmo

 

***

 

alberte momán

 

ferrol, galiza, 1976

 

************************


lido em: http://andar21.fiestras.com/servlet/ContentServer?pagename=R

publicado por carlossilva às 11:15
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 20 de Setembro de 2010
dominio


Sei que fun a perdida.
Prendéronme polo camiño que foi desde o ruído na casa da placenta
ate a sombra axeonllada do meu pai
pedindo outra luz
e outro día
a este desencantado conto co que os ollos me tornaron
grises aperturas
no inverno de todas as feridas
o dominio do silencio
os mil castelos inócuos nos que se descortiza esta casa baleira
os cristais de papel moi claro no que relatei unha historia que xamais sería,
ou as miñas mans mortas
en presencia das fantasmas
das bocas en ardora que prendían as memorias.

Faime agora todo o tempo
esa luz de teatro
para comprender o dominio dos remorsos i as cicatrices da boca
da barricada que foi o meu ventre
desde o ventre oculto
unha lumieira que agarda.

 

***

 

Emma Pedreira Lombardía

 

(A Coruña, 1978)

 

*******************


lido em: http://www.enfocarte.com/PoesiaGallega/pedreira.html

publicado por carlossilva às 12:06
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
agenda
18 de abril 2013 19 de abril 2013
Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
14
15

18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

fogo e água

pára-me de repente o pens...

si digo mar

infância

trapo de voz representa o...

nana para gatos a punto d...

sou uma coluna crematória

dois poemas

nacín vello de máis

uelen

arquivos

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

a m pires cabral(4)

adelia prado(5)

adilia lopes(8)

al berto(6)

alba mendez(4)

albano martins(4)

alberte moman(8)

alberto augusto miranda(9)

alexandre teixeira mendes(11)

alfonso lauzara martinez(8)

alice macedo campos(13)

alicia fernandez rodriguez(5)

almada negreiros(4)

amadeu ferreira(8)

ana luísa amaral(6)

ana marques gastao(4)

andre domingues(5)

andreia carvalho(4)

antonio barahona(5)

antonio cabral(5)

antonio gedeao(5)

antonio ramos rosa(7)

anxos romeo(4)

ary dos santos(5)

augusto gil(4)

augusto massi(4)

aurelino costa(11)

baldo ramos(6)

bruno resende(5)

camila vardarac(9)

carlos drummond de andrade(5)

carlos vinagre(13)

cesario verde(4)

concha rousia(4)

cristina nery(5)

cruz martinez(9)

daniel filipe(5)

daniel maia - pinto rodrigues(4)

david mourão-ferreira(6)

elvira riveiro(8)

emma couceiro(4)

estibaliz espinosa(7)

eugenio de andrade(8)

eva mendez doroxo(8)

fatima vale(10)

fernando assis pacheco(4)

fernando pessoa(5)

fiamma hasse pais brandão(5)

florbela espanca(7)

gastão cruz(5)

helder moura pereira(4)

ines lourenço(6)

iolanda aldrei(4)

jaime rocha(5)

joana espain(10)

joaquim pessoa(4)

jorge sousa braga(6)

jose afonso(5)

jose carlos soares(4)

jose gomes ferreira(4)

jose luis peixoto(4)

jose regio(4)

jose tolentino mendonça(4)

jussara salazar(6)

luis de camoes(5)

luisa villalta(4)

luiza neto jorge(4)

maite dono(5)

manolo pipas(6)

manuel alegre(6)

manuel antonio pina(8)

maria alberta meneres(5)

maria do rosario pedreira(5)

maria estela guedes(7)

maria lado(6)

maria teresa horta(5)

marilia miranda lopes(4)

mario cesariny(5)

mia couto(8)

miguel torga(4)

nuno judice(8)

olga novo(17)

pedro ludgero(7)

pedro mexia(5)

pedro tamen(4)

raquel lanseros(9)

roberta tostes daniel(4)

rosa enriquez(6)

rosa martinez vilas(8)

rosalia de castro(6)

rui pires cabral(5)

sophia mello breyner andressen(7)

suzana guimaraens(5)

sylvia beirute(11)

tiago araujo(5)

valter hugo mae(5)

vasco graça moura(6)

virgilio liquito(5)

x. m. vila ribadomar(6)

yolanda castaño(10)

todas as tags

links
leitores
pesquisar
 
visitas
Free counter and web stats
blogs SAPO
subscrever feeds