Segunda-feira, 31 de Maio de 2010
viagem

Aparelhei o barco da ilusão

E reforcei a fé de marinheiro.

Era longe o meu sonho, e traiçoeiro

O mar...

(Só nos é concedida

Esta vida

Que temos;

E é nela que é preciso

Procurar

O velho paraíso

Que perdemos).

Prestes, larguei a vela

E disse adeus ao cais, à paz tolhida.

Desmedida,

A revôlta imensidão

Transforma dia a dia a embarcação

Numa errante e alada sepultura...

Mas corto as ondas sem desanimar.

Em qualquer aventura,

O que importa é partir, não é chegar.

 

***

 

antónio gedeão

 

(lisboa, 1906 - 1997)

 

*************************




publicado por carlossilva às 12:17
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 30 de Maio de 2010
motivo


 

Eu canto porque o instante existe

e a minha vida está completa.

Não sou alegre nem sou triste:

sou poeta.

 

Irmão das coisas fugidias,

não sinto gozo nem tormento.

Atravesso noites e dias

no vento.

 

Se desmorono ou se edifico,

se permaneço ou me desfaço,

- não sei, não sei. Não sei se fico

ou passo.

 

Sei que canto. E a canção é tudo.

Tem sangue eterno a asa ritmada.

E um dia sei que estarei mudo:

- mais nada.

 

***

 

cecília meireles

 

(rio de janeiro, 1901 - 1964)

 

************************



publicado por carlossilva às 15:04
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 29 de Maio de 2010
certo de que voltas, canção (o amor confuso)

 

Certo de que voltas, canção,

a incerta hora,

espero como quem mora

só, a visitação.

 

Sei, por sinais e anjos e desviados,

que rebentas dos sonhos desolados

em flores no chão.

 

Apenas flores, nem nimbos na lapela.

Flores para a mesa,

com o odor da certeza

de água, vinho e pão.

 

Apenas flores e tu,

ó meu amor sem nome,

e a nossa dupla fome

dum menino nu.

 

***

 

sebastião alba

 

(braga, 1940 - 2000)

 

***********************



publicado por carlossilva às 13:12
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 28 de Maio de 2010
quase nada

 

O amor
é uma ave a tremer
nas mãos de uma criança.
Serve-se de palavras
por ignorar
que as manhãs mais limpas
não têm voz.

 

***

 

eugénio andrade

 

(póvoa de atalaia, 1923 - 2005)

 

************************



publicado por carlossilva às 12:49
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 27 de Maio de 2010
teu corpo principia


Dou-te um nome de água
para que cresças no silêncio.

 

Invento a alegria
da terra que habito
porque nela moro.

Invento do meu nada
esta pergunta.
(Nesta hora, aqui.)

 

Descubro esse contrário
que em si mesmo se abre:
ou alegria ou morte.

 

Silêncio e sol - verdade,
respiração apenas.

 

Amor, eu sei que vives
num breve país.

 

Os olhos imagino
e o beijo na cintura,
ó tão delgada.

 

Se é milagre existires,
teus pés nas minhas palmas.

 

O maravilha, existo
no mundo dos teus olhos.

 

O vida perfumada
cantando devagar.

 

Enleio-me na clara
dança do teu andar.

 

Por uma água tão pura
vale a pena viver.

 

Um teu joelho diz-me
a indizível paz.

 

***

 

antónio ramos rosa

 

(faro, 1924)

 

 

**************************


lido em: http://boticelli.no.sapo.pt/Poesia_Links.htm

publicado por carlossilva às 10:36
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 26 de Maio de 2010
o silêncio pressentido

 

O vento da tarde entra pelas casas sem convite
e enreda nos vidros o excessivo horizonte do mundo.
Em paredes ásperas deixamos escorregar
o silêncio pressentido no clamor do olhar
quando o verão se anuncia com suas farpas de fogo.
Ao redor de tudo, as casas permanecem
encerradas à insistência do sol.
Dentro delas podemos imaginar as mulheres
curvadas sobre os filhos abrindo as blusas
para que o leite e o sangue afugentem
a morte rente às bocas.

 

***

graça pires

(figueira da foz, 1946)

 

********************************


lido em: http://ortografiadoolhar.blogspot.com/

publicado por carlossilva às 12:50
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 25 de Maio de 2010
rua da bica duarte belo

 

Estes prédios são quase de graça

diz a tabuleta encarnada

à gente que passa

 

E é que às vezes passa uma gente engraçada:

um estudante sem livros e ao lado

um operário desempregado

 

***

 

mário cesariny

 

(lisboa, 1923 - 2006)

 

 

*********************


lido em: poeMário Cesariny

publicado por carlossilva às 14:05
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 24 de Maio de 2010
para vivenciar nadas

para e com chiara, bea, valérie

 

borboleta é um ser irrequieto.

para vestes usa pólen.

tem um cheiro colorido

e babas de amizade.

descola por ventos

e facilmente aterriza em sonhos.

borboleta tem correspondência directa

com a palavra alma.

para existir usa liberdades.

desconhece o som da tristeza

embora saiba afogá-la.

usa com afinidades

o palco da natureza.

nega maquilhagens isentas

de materiais cósmicos, como digo:

pó-de-lua, lápis solar

casdtanho-raiz, cinzento-nuvem.

borboleta dispõe de intimidades

com arco íris

a ponto de cócegas mútuas.

para beijar amigos e vidas ela usa olhos.

borboleta é um ser

de misteriosos nadas.

 

***

 

ondjaki

 

(luanda, 1977)

 

 

**********************


lido em: há prendisajens com o xão
tags:

publicado por carlossilva às 13:48
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 23 de Maio de 2010
estou mais perto de ti porque te amo

 

Estou mais perto de ti porque te amo.

Os meus beijos nascem já na tua boca.

Não poderei escrever teu nome com palavras.

Tu estás em toda a parte e enlouqueces-me.

 

Canto os teus olhos mas não sei do teu rosto.

Quero a tua boca aberta em minha boca.

E amo-te como se nunca te tivesse amado

porque tu estás em mim mas ausente de mim.

 

Nesta noite sei apenas dos teus gestos

e procuro o teu corpo para além dos meus dedos.

Trago as mãos distantes do teu peito.

 

Sim, tu estás em toda a parte. Em toda a parte.

Tão por dentro de mim. Tão ausente de mim.

E eu estou perto de ti porque te amo.

 

***

 

joaquim pessoa

 

(barreiro, 1948)

 

*********************


lido em: 125 poemas

publicado por carlossilva às 15:58
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 22 de Maio de 2010
autopoética

 

a poesía sucede cando estoupan as palabras
(distorsionan, interrompen, crean interferencias, deveñen libres)

-cando era pequena viaxabamos veloces no R-4 do papá
tiñamos aqueles ollos cobizosos e non contemplabamos nada, viaxabamos,
na paisaxe física e mental
coa mesma forza agatuñabamos árbores, sentabamos á sombra do eucalipto e recolliamos os restos da merenda,
ruínas
-milleiros de veces a mesma canción
o corpo deslocado

-non me sirve o idioma dos meus antepasados
non me sirve esta mirada educada na contemplación
non teño senón monstros dentro de mín, e as maletas feitas da viaxe nunca iniciada,

querendo encher o universo de sentido cando o que falta ainda é que haxa primeiro un universo

-e nós nel,
perdendo o tempo en actos milimetrados, previsíbeis, extenuantes
(isto non é un poema, se segues a ler corres o perigo de que che estoupe a cabeza,
e eu non me fago responsábel)

a poesía sucede cando a ferida se abre e se fai accesíbel, cando te apropias da ferida e non é que lle deas un nome senón que é máis ben un clúster de significados que se entrecruzan e converxen no idioma,

as máquinas* devecen pola producción,
os poemas chaman uns polos outros,
as ruínas van gañando terreo aos fundamentos

non hai maneira de afastarse

_________

*fendas na paisaxe social sen adscrición de clase, partido ou sindicato

 

***

 

raida rodriguez mosquera

 

(ourense, 1980)

 

**********************


lido em: http://puntodefuga.blogaliza.org/

publicado por carlossilva às 11:52
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
agenda
18 de abril 2013 19 de abril 2013
Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
14
15

18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

fogo e água

pára-me de repente o pens...

si digo mar

infância

trapo de voz representa o...

nana para gatos a punto d...

sou uma coluna crematória

dois poemas

nacín vello de máis

uelen

arquivos

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

a m pires cabral(4)

adelia prado(5)

adilia lopes(8)

al berto(6)

alba mendez(4)

albano martins(4)

alberte moman(8)

alberto augusto miranda(9)

alexandre teixeira mendes(11)

alfonso lauzara martinez(8)

alice macedo campos(13)

alicia fernandez rodriguez(5)

almada negreiros(4)

amadeu ferreira(8)

ana luísa amaral(6)

ana marques gastao(4)

andre domingues(5)

andreia carvalho(4)

antonio barahona(5)

antonio cabral(5)

antonio gedeao(5)

antonio ramos rosa(7)

anxos romeo(4)

ary dos santos(5)

augusto gil(4)

augusto massi(4)

aurelino costa(11)

baldo ramos(6)

bruno resende(5)

camila vardarac(9)

carlos drummond de andrade(5)

carlos vinagre(13)

cesario verde(4)

concha rousia(4)

cristina nery(5)

cruz martinez(9)

daniel filipe(5)

daniel maia - pinto rodrigues(4)

david mourão-ferreira(6)

elvira riveiro(8)

emma couceiro(4)

estibaliz espinosa(7)

eugenio de andrade(8)

eva mendez doroxo(8)

fatima vale(10)

fernando assis pacheco(4)

fernando pessoa(5)

fiamma hasse pais brandão(5)

florbela espanca(7)

gastão cruz(5)

helder moura pereira(4)

ines lourenço(6)

iolanda aldrei(4)

jaime rocha(5)

joana espain(10)

joaquim pessoa(4)

jorge sousa braga(6)

jose afonso(5)

jose carlos soares(4)

jose gomes ferreira(4)

jose luis peixoto(4)

jose regio(4)

jose tolentino mendonça(4)

jussara salazar(6)

luis de camoes(5)

luisa villalta(4)

luiza neto jorge(4)

maite dono(5)

manolo pipas(6)

manuel alegre(6)

manuel antonio pina(8)

maria alberta meneres(5)

maria do rosario pedreira(5)

maria estela guedes(7)

maria lado(6)

maria teresa horta(5)

marilia miranda lopes(4)

mario cesariny(5)

mia couto(8)

miguel torga(4)

nuno judice(8)

olga novo(17)

pedro ludgero(7)

pedro mexia(5)

pedro tamen(4)

raquel lanseros(9)

roberta tostes daniel(4)

rosa enriquez(6)

rosa martinez vilas(8)

rosalia de castro(6)

rui pires cabral(5)

sophia mello breyner andressen(7)

suzana guimaraens(5)

sylvia beirute(11)

tiago araujo(5)

valter hugo mae(5)

vasco graça moura(6)

virgilio liquito(5)

x. m. vila ribadomar(6)

yolanda castaño(10)

todas as tags

links
leitores
pesquisar
 
visitas
Free counter and web stats
blogs SAPO
subscrever feeds