Sábado, 31 de Outubro de 2009
rondó (a uma desconhecida)

 

As tuas cartas vêm tocadas

duma ideal melancolia

não sei quem és, e todavia

beijo essas letras desmaiadas.

 

Como as violetas perfumadas

que a sombra esconde à luz do dia,

as tuas cartas vêm tocadas

duma ideal melancolia.

 

Nas minhas horas tresloucadas,

horas de febre e de agonia,

como esperança fugidia,

de mil quimeras iriadas,

as tuas cartas vêm tocadas...

 

***

António Feijó

 

*************************

 



publicado por carlossilva às 02:59
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 30 de Outubro de 2009
escravidão

 

Teus miimos calor não têm,

Teu beijo é frio de gelo,

Não satisfaz, nem também

Me importa tê.lo ou não tê-lo.

 

O que me faz recebê-lo

Cativo do teu desdém,

É eu ter forjado o elo,

Da escravidão que me tem

 

A ti preso, e que subjuga,

Quer seja rei ou pastor,

Desde o dia em que nasceu.

 

Desta sina não há fuga,

Mas na escravidão d'amor,

O mais escravo sou eu.

 

***

Xavier Cordeiro

 

Ponte de Lima (1880-1919)

 

***********************************

 



publicado por carlossilva às 10:21
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 29 de Outubro de 2009
do bravo mar aonde às voltas ando

 

Do bravo mar aonde às voltas ando,

Ora tremendo as ondas, ora o vento,

Na esperança maior de salvamento

A minha barca vai à costa dando.

 

Pus os olhos na costa, imaginando

Achar remanso de perigo isento,

Vendo porém frustrado o pensamento,

Louvo o mar já de mais seguro e brando.

 

Ai fementido amor, amor tirano,

Que onde minha esperança tinha posta

Me trouxeste a fazer naufrágio amargo!

 

Porém ainda comigo foste humano,

Que mais quero perder-me dando à costa,

Que andar com mil temores em mar largo.

 

***

Vasco Mouzinho de Quevedo Castel Branco

 

****************************************************

 



publicado por carlossilva às 10:27
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 28 de Outubro de 2009
quando a morte vier...

 

Quando a morte vier, meu amor,

fechemos os olhos para a olhar por dentro

e deixemos aos nossos lábios o murmúrio

da palavra branda jamais pronunciada

e às nossas mãos a carícia dispersa;

relembremos o dia impossível,

belo por isso e por isso desprezado,

e esqueçamos o que nos não deixaram ver

e o resto que sobrou do nada que possuímos;

deixemos à poesia que surge

o pranto de quem a trocou para comer

e os passos sem rumo pelas ruas hostis;

deixemos à carne o que não alcançámos,

e morramos então, naturalmente...

 

***

Tomaz Kim

Lobito (Angola) - 1915 - 1967

 

***********************

 

 


tags:

publicado por carlossilva às 10:18
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 27 de Outubro de 2009
dádiva

 

A flor que me não deste

e, esquiva, recusaste,

naquela tarde triste,

naquela tarde agreste,

- uma rosa amarela

debruçada na haste - foi afinal aquela

a flor que me entregaste,

naquela tarde triste,

naquela tarde agreste!...

 

***

Saúl Dias

 

*********************

 

 


tags:

publicado por carlossilva às 08:58
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 26 de Outubro de 2009
nesta hora, enquanto te olho, lembro

 

Nesta hora, enquanto te olho, lembro

Aquele sorriso aberto entre bem poucas flores de Outono.

Eu contando histórias... tu sentindo

A minha timidez cortada de olhares rápidos.

Assim foi... até que um pássaro voou cantando.

Depois, o ondular vibrante dos pinheiros,

Nossos corpos rolando

Nos planos inclinados de um sol quase a extinguir-se.

O próprio tempo esquecendo-se

De nos ver inseparados.

 

***

 

R uy Cinatti

 

******************************

 



publicado por carlossilva às 10:16
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 25 de Outubro de 2009
paráfrase

 

Este poema começa por te comparar

com as constelaçoes,

com os seus nomes mágicos

e desenhos precisos,

e depois

um jogo de palavras indica

que sem ti a astronomia

é uma ciência infeliz.

Em seguida, duas metáforas

introduzem o tema da luz

e dos contrastes

petrarquistas que existem

na mulher amada,

no refúgio triste da imaginação.

 

A segunda estrofe sugere

que a diversidade de seres vivos

prova a existência

de Deus

e a tua, ao mesmo tempo

que toma um por um

os atributos

que participam da tua natureza

e do espaço criador

do teu silêncio.

Uma hiérbole, finalmente,

diz que me fazes muita falta.

 

***

Pedro Mexia

 

************************

 



publicado por carlossilva às 07:48
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 24 de Outubro de 2009
quente, o teu coração quente

 

Quente, o teu coração quente

pulsa no lusco-fusco.

Palpita em toda a casa

deserta que nos vê.

Galga as sacadas altas,

corre nas avenidas.

É o silêncio do amor

que abre as veias na tarde...

 

Quente, o teu coração quente,

é uma estrela escuro

que a pele das tuas mãos

prolonga em minha pele...

quem te amou e é já morto

renova a primavera.

 

Oh! doce comunhão

de desejo e infinito,

de saudade e de céu,

de paraíso e grito!

 

Água clara e tremente

a boca, a sede, a fonte.

Flor de sangue à corrente

o teu coração quente.

 

***

Natércia Freire

 

***********************

 



publicado por carlossilva às 13:21
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 23 de Outubro de 2009
dizem, meu amor, que neste inverno os ventos

 

Dizem, meu amor, que neste inverno os ventos

passarão a mão pela seara e levarão o trigo;

que os dias serão escuros e frios - e tão curtos

que neles não caberá paixão alguma, por pequena

que seja. Contam que punhais de chuva se abaterão

sobre os pomares; e que as árvores crescerão

como feixes de serpentes, procurando ganhar

desesperadamente o céu. E acrescentam que

 

os pássaros adivinham tudo isto e que por isso

se calam de manhã - ouço-os bater as asas

num aceno triste; partem para o sul, dizem,

se dizem a verdade.

 

Só a casa ficará de pé a olhar a planície. E

dentro dela os sonhos e as recordações do verão -

retratos dos lugares que nunca visitámos, uma camisa

de linho no espaldar da cadeira, um livro para sempre

interrompido sobre a cama. Ouvíamos uma canção triste

na grafonola velha. Dançaríamos o ano inteiro, disseram

uma noite ao ver-nos atravessar a sombra da luar.

Ignoravam, então, o inverno.

 

***

Maria do Rosário Pedreira

 

*****************************

 



publicado por carlossilva às 21:05
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 22 de Outubro de 2009
as facas

 

Quatro letras nos matam quatro facas

que no corpo me gravam o teu nome.

Quatro facas amor com que me matas

sem que eu mate esta sede e esta fome.

 

Este amor é de guerra. (De arma branca).

Amando ataco amando contra-atacas

este amor é de sangue que não estanca.

Quatro letras nos matam quatro facas.

 

Armado estou de amor. E desarmado.

Morro assaltando morro se me assaltas.

E em cada assalto sou assassinado.

 

Quatro letras amor com que me matas.

E as facas ferem mais quando me faltas.

Quatro letras nos matam quatro facas.

 

***

Manuel Alegre

 

*************************

 



publicado por carlossilva às 20:53
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
agenda
18 de abril 2013 19 de abril 2013
Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
14
15

18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

fogo e água

pára-me de repente o pens...

si digo mar

infância

trapo de voz representa o...

nana para gatos a punto d...

sou uma coluna crematória

dois poemas

nacín vello de máis

uelen

arquivos

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

a m pires cabral(4)

adelia prado(5)

adilia lopes(8)

al berto(6)

alba mendez(4)

albano martins(4)

alberte moman(8)

alberto augusto miranda(9)

alexandre teixeira mendes(11)

alfonso lauzara martinez(8)

alice macedo campos(13)

alicia fernandez rodriguez(5)

almada negreiros(4)

amadeu ferreira(8)

ana luísa amaral(6)

ana marques gastao(4)

andre domingues(5)

andreia carvalho(4)

antonio barahona(5)

antonio cabral(5)

antonio gedeao(5)

antonio ramos rosa(7)

anxos romeo(4)

ary dos santos(5)

augusto gil(4)

augusto massi(4)

aurelino costa(11)

baldo ramos(6)

bruno resende(5)

camila vardarac(9)

carlos drummond de andrade(5)

carlos vinagre(13)

cesario verde(4)

concha rousia(4)

cristina nery(5)

cruz martinez(9)

daniel filipe(5)

daniel maia - pinto rodrigues(4)

david mourão-ferreira(6)

elvira riveiro(8)

emma couceiro(4)

estibaliz espinosa(7)

eugenio de andrade(8)

eva mendez doroxo(8)

fatima vale(10)

fernando assis pacheco(4)

fernando pessoa(5)

fiamma hasse pais brandão(5)

florbela espanca(7)

gastão cruz(5)

helder moura pereira(4)

ines lourenço(6)

iolanda aldrei(4)

jaime rocha(5)

joana espain(10)

joaquim pessoa(4)

jorge sousa braga(6)

jose afonso(5)

jose carlos soares(4)

jose gomes ferreira(4)

jose luis peixoto(4)

jose regio(4)

jose tolentino mendonça(4)

jussara salazar(6)

luis de camoes(5)

luisa villalta(4)

luiza neto jorge(4)

maite dono(5)

manolo pipas(6)

manuel alegre(6)

manuel antonio pina(8)

maria alberta meneres(5)

maria do rosario pedreira(5)

maria estela guedes(7)

maria lado(6)

maria teresa horta(5)

marilia miranda lopes(4)

mario cesariny(5)

mia couto(8)

miguel torga(4)

nuno judice(8)

olga novo(17)

pedro ludgero(7)

pedro mexia(5)

pedro tamen(4)

raquel lanseros(9)

roberta tostes daniel(4)

rosa enriquez(6)

rosa martinez vilas(8)

rosalia de castro(6)

rui pires cabral(5)

sophia mello breyner andressen(7)

suzana guimaraens(5)

sylvia beirute(11)

tiago araujo(5)

valter hugo mae(5)

vasco graça moura(6)

virgilio liquito(5)

x. m. vila ribadomar(6)

yolanda castaño(10)

todas as tags

links
leitores
pesquisar
 
visitas
Free counter and web stats
blogs SAPO
subscrever feeds